EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Rússia recua na frente de batalha marítima com a Ucrânia

SASHA VAKULINA
SASHA VAKULINA Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Militares russos transferiram navios da Frota do Mar Negro do porto de Sebastopol para o porto de Novorossiysk.

PUBLICIDADE

Os militares russos transferiram, recentemente, vários navios da Frota do Mar Negro do porto ocupado de Sebastopol, na Crimeia, para o porto de Novorossiysk, Krasnodar Krai, provavelmente num esforço para protegê-los dos contínuos ataques ucranianos a ativos russos na Crimeia ocupada.

O ISW (Institute for the Study of War) diz que "as imagens de satélite mostram que as forças russas transferiram pelo menos 10 navios de Sebastopol para Novorossiysk, incluindo três submarinos a diesel, cinco navios de desembarque e vários pequenos navios com mísseis."

Autoridades ucranianas afirmam que a linha da frente de batalha marítima foi recuada pelo menos 185 km da costa da Ucrânia desde o início da invasão em grande escala da Rússia.

A chefe do centro de imprensa do comando militar do sul da Ucrânia, Natalia Humeniuk, disse que "os navios e barcos russos da frota do Mar Negro não estão a navegar em direção às águas territoriais da Ucrânia agora e, embora apareçam perto da costa da Crimeia, não vão além do Cabo Tarkhankut.“

No início da invasão em grande escala da Rússia, em fevereiro, os navios russos aproximaram-se da região ucraniana de Odesa, dentro do alcance do fogo de artilharia.

No final de setembro, o Ministério da Defesa do Reino Unido afirmou: "a Frota Russa do Mar Negro sofreu uma série de grandes ataques. Mais prejudiciais e mais coordenados do que até agora na guerra. Uma batalha dinâmica e profunda está em andamento no Mar Negro. Isto, provavelmente, está a forçar a Rússia a uma postura reativa, ao mesmo tempo que demonstra que os militares da Ucrânia podem minar a projeção de poder simbólico e estratégico do Kremlin a partir do seu porto de águas quentes na Sebastopol ocupada."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Equipa da ONU investiga ataque mortífero de Hroza

Exército de Kiev diz ter conseguido romper várias linhas russas no sul da Ucrânia

Processo de adesão da Ucrânia à UE pode começar já em dezembro