EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Finlândia atribui fuga no gasoduto BalticConnector a ato de sabotagem

Técnicos procuram causas para a fuga de gás no Balticconector
Técnicos procuram causas para a fuga de gás no Balticconector Direitos de autor Jussi Nukari/Lehtikuva via AP
Direitos de autor Jussi Nukari/Lehtikuva via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Atividade externa". É assim que o governo da Finlândia explica a fuga no gasoduto BalticConnector, que transporta o gás natural entre a Finlândia e a Estónia.

PUBLICIDADE

A Finlândia e a Estónia investigam conjuntamente a fuga de gás no BalticConnector.

Depois de o presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, ter dito que o gasoduto esteve encerrado no fim-de-semana devido a uma fuga, o primeiro-ministro do país, Petteri Orpo, explicou um pouco mais.

"A informação de que a Guarda de Fronteiras e a Guarda Costeira encontraram o vazamento foi recebida esta manhã. O vazamento está localizado na Zona Económica Exclusiva da Finlândia. De acordo com uma avaliação preliminar, os danos descobertos não poderiam ter sido causados pelo uso normal da instalação ou flutuações de pressão. É provável que o dano seja resultado de "atividade externa."

A Finlândia diz que os dois países estão a colaborar na investigação e a NATO está a compartilhar informações que possam ser úteis para apoiar os aliados.

A operadora da rede de gás da Finlândia, a estatal Gasgrid, disse no domingo que o gasoduto BalticConnector foi fechado devido a uma suspeita de fuga, após “uma queda incomum na pressão”, acrescentando que o sistema de gás finlandês está estável, com o fornecimento garantido através de um terminal flutuante de gás natural liquefeito (GNL) em Inkoo.

A "guerra" do gás

No final de setembro de 2022, uma série de explosões subaquáticas romperam três dos quatro gasodutos que compõem o Nord Stream 1 e o Nord Stream 2, um importante canal para as exportações russas de gás natural para a Europa Ocidental, expelindo gás no Mar Báltico.

Como as fugas ocorreram nas suas zonas económicas exclusivas, a Dinamarca e a Suécia abriram investigações sobre o ataque, tal como a Alemanha e todos mantiveram um controle rígido sobre suas investigações.

O Balticconnector tem sido o único canal de importação de gás para a Finlândia, além do Gás Natural Liquefeito (GNL), desde que as importações russas foram interrompidas em maio de 2022, na sequência da invasão da Ucrânia por Moscovo.

O gás natural é responsável por cerca de 5% do consumo de energia da Finlândia, utilizado principalmente na indústria e na produção combinada de calor e energia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO pede proporcionalidade na resposta de Israel ao Hamas

Inaugurado segundo terminal de gás natural liquefeito na Alemanha

Rússia pode rever águas territoriais no Báltico