EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A maioria dos ucranianos espera aderir à UE e à NATO na próxima década - sondagem

ARQUIVO - Foto de 5 de dezembro de 2013: manifestantes da oposição seguram bandeiras da UE e da Ucrânia, à direita, em redor de um monumento ao poeta ucraniano Taras Shevchenko, no centro de Donetsk.
ARQUIVO - Foto de 5 de dezembro de 2013: manifestantes da oposição seguram bandeiras da UE e da Ucrânia, à direita, em redor de um monumento ao poeta ucraniano Taras Shevchenko, no centro de Donetsk. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Joshua Askew
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os ucranianos continuam convencidos de que o seu país fará parte dos dois blocos ocidentais dentro de 10 anos.

PUBLICIDADE

De acordo com uma nova sondagem, apesar de uma série de questões complexas e de progressos lentos, os ucranianos esperam aderir à NATO e à UE na próxima década.

Num artigo publicado na quarta-feira, a Gallup divulgou dados de uma sondagem que revela que 69% dos ucranianos acreditam que a Ucrânia poderá aderir à NATO dentro de 10 anos.

A sondagem revela também que os ucranianos estão igualmente optimistas quanto à entrada na UE, com quase três em cada quatro pessoas a pensar que farão parte do bloco durante o mesmo período.

A empresa de análise norte-americana afirma que a "viragem da Ucrânia para o Ocidente" foi "cimentada".

A invasão da Ucrânia por Moscovo, em 2022, "destruiu essencialmente o último fragmento do apoio outrora forte de que a Rússia gozava na Ucrânia", escreveu, enquanto a imagem dos EUA entre os ucranianos caiu de um nível recorde.

As entrevistas para o inquérito foram realizadas entre julho e agosto, logo após a NATO ter declarado que a Ucrânia poderia ser admitida na aliança militar liderada pelos EUA - mas não especificou como nem quando.

64% dos ucranianos esperavam o mesmo nos primeiros meses da guerra, segundo a Gallup.

No ano passado, os especialistas disseram à Euronews que havia cinco razões principais para a Ucrânia não aderir à NATO tão cedo, apesar de alguns dos actuais membros apoiarem a sua candidatura.

A sondagem da Gallup revelou que o número de ucranianos que acreditam que o seu país irá aderir à UE manteve-se estável entre 2022 e 2023, com 73%, embora o número dos que afirmam que "nunca" irá aderir tenha aumentado de 6% para 7%.

A investigação também revelou como as percepções em relação aos países ocidentais estavam a mudar dentro da Ucrânia.

"Após a invasão, os ucranianos denunciaram o Kremlin e viraram-se para os EUA", escreveu a Gallup no seu site. "A aprovação da liderança dos EUA disparou para um recorde de 66% nos primeiros meses da guerra - mais alta do que qualquer classificação que a Rússia já recebeu quando estava em termos mais amigáveis com a Ucrânia."

Desde então, as atitudes em relação a Washington azedaram, devido à crescente oposição política à ajuda à Ucrânia por parte dos republicanos americanos de linha dura e à hesitação americana em deixar Kiev aderir à NATO, embora 53% dos inquiridos ainda vejam o país com bons olhos.

Estes dois factores "podem ter criado alguma incerteza na Ucrânia que prejudicou os EUA", escreveu o Gallup.

Ao mesmo tempo, as opiniões sobre os dirigentes alemães aumentaram, estando agora a par das dos EUA, acrescentou.

Quatro dias depois de ter sido invadida, em 24 de fevereiro de 2022, a Ucrânia pediu a adesão à UE. A Ucrânia anunciou uma candidatura surpresa à NATO depois de a Rússia ter anexado quatro regiões ucranianas em setembro passado.

As aspirações da Ucrânia à NATO não progrediram desde o comunicado da NATO de julho.

Os actuais membros Polónia, Roménia, Eslováquia, República Checa, Estónia, Letónia, Lituânia, Montenegro e Macedónia do Norte apoiam a sua candidatura, mas o chefe da NATO, Jens Stoltenberg, afirmou, antes de uma cimeira da NATO em julho, que Kiev tem primeiro de ganhar a guerra contra a Rússia.

No entanto, as negociações sobre a futura adesão da Ucrânia poderão começar já em dezembro.

PUBLICIDADE

Ainda assim, atormentado por questões estruturais profundas, nomeadamente a corrupção, é pouco provável que o país entre no grupo dos países candidatos tão cedo.

"Mesmo que o como e o quando ainda sejam obscuros, a mensagem da NATO e da UE para a Ucrânia é clara: ambas acreditam que o futuro da Ucrânia está com elas", escreveu a Gallup. "Quase todos os ucranianos partilham firmemente esta convicção - apenas um em cada 10 pensa que isso nunca irá acontecer."

"Após 18 meses de guerra com a Rússia, o pivô da Ucrânia para o Ocidente parece completo, enquanto os profundos laços culturais, económicos e políticos que existiam entre a Ucrânia e a Rússia estão cada vez mais a tornar-se parte do passado da Ucrânia", acrescentaram.

Entretanto, a Rússia e a China ficaram com poucos admiradores na Ucrânia.

Menos de metade de 1% dos ucranianos inquiridos pela Gallup aprovam a liderança da Rússia, numa altura em que a guerra com a Ucrânia continua.

PUBLICIDADE

A aprovação da liderança da China caiu para um novo mínimo de 8%, "provavelmente reflectindo o descontentamento dos ucranianos com a recusa do país em deixar de comprar energia à Rússia", disse a empresa de análise norte-americana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Processo de adesão da Ucrânia à UE pode começar já em dezembro

Ucrânia luta contra a corrupção numa tentativa de adesão à UE

Zelenskyy condena falta de calendário preciso para adesão à NATO