EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Como os jovens eleitores vêem a política na Polónia

Como os jovens eleitores vêem a política na Polónia
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Hans von der Brelie
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em véspera de eleições, a Euronews foi ouvir as opiniões de jovens eleitores que votam pela primeira vez, de várias sensibilidades políticas.

PUBLICIDADE

Quem vai governar a Polónia nos próximos quatro anos? As eleições gerais são importantes não só para a Polónia, mas também para a União Europeia. Quais são os desafios actuais para a sociedade polaca? Que tipo de receios ou esperanças são partilhados pelos jovens polacos? A Euronews enviou o repórter Hans von der Brelie ao terreno para saber mais sobre o estado de espírito dos eleitores polacos que votam pela primeira vez.

À principal força da oposição, o liberal-conservador PO, juntaram-se a alguns pequenos partidos que partilham valores pró-europeus semelhantes ("Modernos", "Verdes", "Iniciativa Polaca"...). Ao criar uma plataforma eleitoral comum, a "Coligação Cívica" (KO), abriu-se às forças de centro-esquerda e é atualmente considerada um movimento político "catch-all".

Na pequena cidade de Grójec, no coração da região produtora de maçãs da Polónia, encontrámos Jan, de 20 anos, um apoiante ativo da "Coligação Cívica". O jovem começou a interessar-se pela política quando a Polónia foi abalada por grandes manifestações contra as leis que introduziam algumas das mais restritivas regras sobre o aborto na Europa. Na altura, Jan tinha 17 anos. Desde então, participa em protestos, distribui panfletos e espera que haja uma mudança: "Não gosto que a velha geração governe o nosso país", disse à Euronews. Para Jan, é preciso fazer mais para combater a crise climática. O país deve "afastar-se dos combustíveis fósseis e passar a utilizar 100% de energias renováveis". Jan quer que a Polónia se reconcilie com a UE: "A União Europeia é sinónimo de progresso".

Não gosto que a velha geração governe o nosso país.
Jan, 20 anos
Vota pela primeira vez

O "Lewica" situa-se à esquerda, reunindo ideias social-democratas e socialistas, defendendo um Estado social forte e a igualdade de oportunidades para todos. Antes das eleições, "Lewica" recusou-se a fundir-se com a "Coligação Cívica", mas poderá estar aberto a juntar forças depois.

Em Siedlce, uma cidade no leste da Polónia, conhecemos Aleksandra, de 20 anos. A apoiante de "Lewica" estuda Relações Internacionais na Polónia, Bélgica e Espanha. "O atual panorama político polaco carece de dignidade", afirma, acusando o partido PiS, no poder, de inundar o país com campanhas de difamação contra pessoas que pensam de forma diferente. Não está satisfeita com as recentes reformas do sistema judicial polaco, está horrorizada com o endurecimento das restrições ao aborto e propõe uma mudança na política de asilo: "O planeta está a arder, as pessoas vão emigrar. Nenhum ser humano é ilegal, por isso deve ser-lhes dado asilo e a ajuda de que necessitam".

Nenhum ser humano é ilegal
Aleksandra, 20 anos
Vota pela primeira vez

O partido nacional-conservador polaco "Lei e Justiça" (PiS), no poder há muito tempo, conduziu a Polónia a conflitos abertos com a UE. Nos últimos anos, os meios de comunicação social públicos, bem como o sistema judicial polaco, perderam a sua independência. Vendo os princípios básicos do Estado de direito europeu ameaçados, a UE bloqueou vários milhares de milhões de euros de fundos de ajuda destinados à Polónia. 

A campanha eleitoral do PiS foi dominada pelo ataque à Europa, nomeadamente contra os planos para distribuir os migrantes de forma mais equitativa pelos Estados-Membros da UE e à Alemanha, acusada de se imiscuir nos assuntos polacos. Para além disso, o PiS inundou o país com promessas de novas despesas em causas sociais e militares.

Na pequena aldeia de Baranów, conhecemos Robert, um estudante de direito e medicina de 23 anos. Ao computador, trabalha para melhorar o sítio web do seu candidato do PiS. Nos tempos livres, aprende línguas. Quando questionado sobre o seu maior desafio político, Robert opta por uma resposta local: "Quero criar o melhor sistema de transportes possível na minha província". Orgulha-se da posição firme do seu partido contra a migração: "A Europa devia aprender connosco". No que se refere à política climática, Robert diz: "Temos de nos lembrar do carvão, porque a esfera do carvão polaca é muito influente na política polaca". Em relação à política climática, Robert sublinha a importância da construção de centrais nucleares. 

A Europa devia aprender connosco.
Robert, 23 anos
Vota pela primeira vez

E qual é a sua opinião sobre a sobre a UE, pergunto-lhe. "Queremos uma Europa poderosa", diz Robert, "mas não como uma federação, essa é a direção errada".

A "Konfederacja" é um cadinho de monárquicos, pessoas que odeiam a UE, antissemitas e apoiantes da extrema-direita. Impulsionada por grupos ultranacionalistas antissistema e por ideias social-darwinistas, a "Konfederacja" rejeitou repetidamente as especulações de que se iria aliar ao partido no poder há muito tempo, o "Lei e Justiça" (PiS). Mas analistas e membros do partido disseram à Euronews que a "Konfederacja" poderia tolerar um governo minoritário do PiS.

Em Varsóvia, a Euronews encontrou-se com Sebastian, eleitor pela primeira vez. Este jovem musculado treina artes marciais e joga videojogos de guerra. Sebastian gosta de música hard rock, do seu hamster e da "Konfederacja" - e estuda ciências políticas. "Quando é que entraste na política?", perguntamos-lhe. "Em 2020", diz Sebastian.

Aborto? Não devemos assassinar as pessoas mais indefesas e inocentes.
Sebastian, 20 anos
Vota pela primeira vez

 "Estávamos à frente das igrejas, a defendê-las contra os ataques dos esquerdistas pró-aborto. O aborto é mau! Não devemos assassinar as pessoas mais indefesas e inocentes". - Sebastian sublinha a importância do carvão polaco: "Devemos utilizá-lo; e depois: vamos ao nuclear!" E quanto à Europa? "Penso mal da UE. Tentam impor ideologias de esquerda nos países nacionais. Como nacionalistas, somos absolutamente contra isso".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A China e a Polónia lançam a primeira ligação ferroviária regular, relançando a rota comercial da Rota da Seda

Polónia assina acordo de segurança com a Ucrânia e vai treinar tropas de Kiev

Polónia: Explosão em fábrica de armamento provoca 1 morto