EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Os conflitos congelados que põem em perigo a segurança da Europa

Militares
Militares Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Escarlata Sánchez e Estelle Nilsson-Julien
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A ajuda militar do Ocidente pode dispersar-se noutros conflitos e beneficiar a Rússia

PUBLICIDADE

A Europa está a braços com uma série de conflitos territoriais ou separatistas que põem em causa a sua segurança. Alguns destes conflitos arrastam-se há décadas, têm por base a etnia, a língua ou o território, e conduzem a uma diplomacia paralisada, sem solução.

São os casos do Kosovo, Chipre, Abcásia, Ossétia do Sul ou Transnístria.

Abel Riu, analista de conflitos e presidente do “Catalonia Global Institute”:

"Estes são normalmente conhecidos como conflitos congelados, especialmente aqueles que surgiram ou eclodiram no contexto da dissolução da União Soviética no final dos anos 80 e início dos anos 90."

Igor Lukes, professor da Universidade de Boston

"A Transnístria é um território que não tem qualquer reconhecimento internacional para além do da Rússia. Há também a Abcásia e a Ossétia do Sul, que, aos olhos da Geórgia, fazem parte do território soberano do país, embora Putin se tenha apoderado delas em 2008."

Como é que a eclosão de outros conflitos, como o da Faixa de Gaza, pode prejudicar a Ucrânia na sua luta contra a Rússia, uma vez que a ajuda militar do Ocidente se arrisca a ser direcionada para outro lado?

Abel Riu, analista de conflitos e presidente do “Catalonia Global Institute”:

"De facto, as autoridades norte-americanas já anunciaram pacotes de ajuda, por enquanto, no valor de 2 mil milhões de dólares. E será preciso ver também que parte da ajuda com que os EUA se comprometeram com a Ucrânia pode ser afetada ou pode ser suspensa devido à necessidade de atender a esta emergência que, de um ponto de vista estratégico para os EUA, pode obviamente ser considerada muito mais importante."

Os peritos apelam a que não se perca de vista estes conflitos enraizados, mesmo que existam outras situações urgentes.

Abel Riu, analista de conflitos e presidente do “Catalonia Global Institute”:

"Estamos num período de crescente competição geopolítica entre potências regionais e globais, tanto antigas e estabelecidas como emergentes. E o que isto gera é um desincentivo particular, em muitos casos, para a resolução acordada e pacífica de muitos destes conflitos."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO garante: "Israel não está sozinho" na guerra contra o Hamas

Aumento da compra de armas na Geórgia devido à guerra na Ucrânia

Alemanha prepara o maior pacote de sempre de ajuda militar à Ucrânia