EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

400 ataques fazem mais de 700 mortos em 24 horas

Palestinianos procuram sobreviventes dos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza no campo de refugiados de Nusseirat, esta terça-feira
Palestinianos procuram sobreviventes dos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza no campo de refugiados de Nusseirat, esta terça-feira Direitos de autor Ali Mohmoud/AP
Direitos de autor Ali Mohmoud/AP
De  Teresa Bizarro com agências
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Este terá sido o dia mais trágico em décadas de conflito israelo-palestiniano

PUBLICIDADE

Balanço de 24 horas trágicas: aos 400 ataques assumidos por Telavive correspondem mais de 700 mortos nas contas do Hamas. Estabelecendo uma ordem de grandeza, sete centenas de pessoas é o equivalente a 12 autocarros cheios de passageiros.

Ataques que deixam também um rasto de destruição que atinge as instalações médicas em território palestiniano. Os danos causados pelos bombardeamentos e a falta de energia obrigaram muitos dos centros de emergência a fechar portas, deixando milhares de feridos sem resposta.

Nas contas do exército israelita, os alvos continuam a ser militares e as mortes que aparecem nos relatórios oficiais são de elementos do movimento islamita Hamas.

Apesar de não ser possível confrmar o balanço de vítimas de forma independente, as organizações no terreno reconhecem que os números não têm precedentes no conflito israelo-palestiniano. A ONU insiste na urgência de num cessar-fogo humanitário

"O primeiro passo deve ser um cessar-fogo humanitário imediato, salvando as vidas de civis através da da entrega de ajuda humanitária rápida e efectiva, em toda a Faixa de Gaza," diz Jeremy Laurence, do Gabinete do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, acrescentando um apelo aos líderes: "Esta violência nunca terá fim se os líderes não tomarem posição e tiverem uma atitude corajosa, exigida pela humanidade básica".

O apoio humanitário continua a chegar ao Egipto - única porta de entrada para Gaza.

Do Barhein entraram esta terça-feira 40 toneladas de ajuda médica e de alimentos e mais um lote de material específico para as agências da Cruz Vermelha que estão no terreno.

Também esta terça-feira, mais dois aviões de carga da Força Aérea turca transportaram apoio para os palestinianos isolados na Faixa de Gaza.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Fome em Gaza: Palestinianos aguardam desesperadamente pelo resultado das conversações no Cairo

Israel acusa Hamas de violar trégua e inicia segunda fase da guerra

Israel ataca Hamas "em todo o lado", Primeiro-ministro Netanyahu diz que não haverá cessar-fogo