EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Novo governo do Mantenegro é pró-europeu, mas conta com o apoio de ultranacionalistas pró-russos

Milojko Spajicmo, novo primeiro-ministro do Montenegro
Milojko Spajicmo, novo primeiro-ministro do Montenegro Direitos de autor Risto Bozovic/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Risto Bozovic/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O parlamento do Montenegro confirmou um governo de coligação liderado pelo movimento pró-europeu, PES, que integra cinco partidos e conta com o apoio externo de uma formação ultranacionalista e pró-Rússia.

PUBLICIDADE

À frente do novo governo do Montenegro está o jovem economista, Milojko Spajicmo, que prometeu desbloquear o paralisado processo de integração da nação balcânica na União Europeia. 

O parlamento aprovou o novo gabinete com 46 votos a favor e 19 contra, após uma sessão que durou toda a noite. A assembleia do Montenegro tem 81 membros, mas nem todos estiveram presentes na votação.

O governo foi formado após meses de disputas políticas, na sequência da eleição de junho, que o partido centrista, Europe Now, do primeiro-ministro Milojko Spajic, venceu, mas sem apoio suficiente para formar um governo próprio.

Para formar o governo, a coligação vencedora recebeu o apoio de grupos firmemente antiocidentais, sob a condição de que um dos seus líderes, Andrija Mandic, fosse eleito presidente do parlamento – uma posição política influente.

Mandic apelou a laços estreitos com a Rússia e não com a UE, criticou a adesão do Montenegro à NATO e foi contra a separação da Sérvia. Mas, pós ser eleito presidente do parlamento, na segunda-feira, disse que está pronto para “enviar algumas novas mensagens”.

Spajic disse que o seu governo será pró-europeu, apesar da eleição de Mandic e rejeitou relatos de que o seu gabinete seria influenciado pela vizinha Sérvia, da qual o Montenegro se separou em 2006, após um referendo de independência.

“Mal podemos esperar para conseguir um resultado para o nosso país”, disse Spajic aos repórteres. “Esperamos desobstruir a integração europeia, avançar rapidamente e tornar-nos o próximo membro da União Europeia.”

Spajic falou pouco antes de a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, realizar conversações na capital, Podgorica, como parte de uma viagem aos países dos Balcãs Ocidentais que aspiram a aderir à UE. Von der Leyen visitou a Macedónia do Norte e o Kosovo antes de Montenegro e deve viajar para a Sérvia ainda nesta terça-feira.

Um alto funcionário da UE deverá, a partir de agora, manter conversações no pequeno país membro da NATO.

Centenas de apoiantes da oposição, agitando bandeiras montenegrinas, protestaram em frente ao edifício do parlamento, na capital, contra o novo governo. Os deputados da oposição criticaram o novo governo como antieuropeu devido à participação de partidos pró-sérvios.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alargamento da União Europeia: sonho ou realidade?

No Montenegro, russos e ucranianos rezam juntos pela paz

Montenegro elegeu novo presidente