G7 apela às "pausas humanitárias" e ao fornecimento de combustível à Faixa de Gaza

Chefes da diplomacia dos membros do G7, incluindo a não numerada União Europeia
Chefes da diplomacia dos membros do G7, incluindo a não numerada União Europeia Direitos de autor Toshifumi KITAMURA/AFP
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O grupo das sete maiores economias democráticas do mundo apelou ainda ao fim da violência dos colonos israelitas sobre os palestinianos na Cisjordânia

PUBLICIDADE

Os países membros do G7 reiteraram no Japão, esta quarta-feira, o apoio unânime do grupo ao direito à autodefesa de Israel, condenaram o ataque de 7 de outubro do Hamas e apelaram em uníssono às chamadas pausas humanitárias na forte contraofensiva que as forças israelitas estão a lançar há um mês sobre a Faixa de Gaza e inclusive ao fornecimento de combustível ao enclave.

A reunião juntou os atuais membros de um grupo que com a Rússia entre 1997 e até 2014, quando foi suspensa após invadir a Crimeia, fazendo com o grupo trocasse a designação de G8, assumida até ali, para  G7.

O grupo junta atualmente as sete economias democráticas mais desenvolvidas do mundo, de acordo com o FMI (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido mais a União Europeia, que não é enumerada na designação) e rege-se pelos valores do pluralismo, da democracia liberal e de governos representativos da respetiva sociedade.

A declaração conjunta desta reunião surgiu após o grupo ter ultrapassado algumas divergências sobre a guerra Israel-Hamas e com os Estados Unidos a avisar Israel de que não deve tentar ocupar a Faixa de Gaza, uma ideia deixada no ar já esta semana pelo primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu.

"Os ministros do G7 reafirmaram a nossa posição de apoio ao direito e à obrigação de Israel de se autodefender e de tentar garantir que ataques como o de 7 de outubro jamais voltem a acontecer. Todos concordámos que pausas humanitárias poderiam fazer avançar objetivos chave na proteção de civis palestinianos, aumentar os fluxos sustentáveis de ajuda humanitária, permitir os nossos cidadãos e outros estrangeiros de sair [do enclave] e facilitar a libertação dos reféns", afirmou Antony Blinken, o representante norte-americano na reunião.

Todas as partes devem permitir o apoio humanitário sem entraves aos civis, incluindo alimentos, água, cuidados médicos, combustível e proteção, bem como o acesso dos trabalhadores humanitários.
G7
Declaração conjunta

Reunidos em Tóquio, os chefes da diplomacia do G7 condenaram também o agravamento da violência dos colonos israelitas sobre os palestinianos nos territórios ocupados.

Na ótica conjunta do G7, a opressão dos colonos sobre os palestinianos nos territórios ocupados, onde até centenas de oliveiras centenárias já foram roubadas de propriedades árabes, é uma ameaça à segurança na Cisjordânia e à perspetiva de uma paz duradoura na região.

Outras fontes • AP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Centenas de milhares de europeus marcham pela paz em Gaza

"Durmo com fome, porque não há pão". Sobrevivência na Faixa de Gaza é cada vez mais difícil

Zelenskyy foi a "estrela" do último dia da cimeira do G7