Polícia alemã ataca grupo extremista antissistema

Agentes da polícia dirigem-se para a entrada de um edifício durante uma rusga em Berlim, Alemanha.
Agentes da polícia dirigem-se para a entrada de um edifício durante uma rusga em Berlim, Alemanha. Direitos de autor Paul Zinken/dpa via AP
De  Euronews com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O chamado movimento Reichsbürger tem atraído um apoio crescente de diferentes áreas do ecossistema antigovernamental e de extrema-direita.

PUBLICIDADE

As autoridades alemãs anunciaram, esta quinta-feira, a realização de buscas em 20 casas pertencentes a presumíveis conspiradores de extrema-direita que, segundo as mesmas, estariam a planear "desestabilizar" as comunicações das administrações públicas.

Entre outras coisas, os suspeitos são acusados de "tentar bloquear os canais de comunicação das autoridades públicas", "contactando-as de forma direcionada e maciça", declarou o Ministério Público de Munique num comunicado.

As pessoas visadas são suspeitas de pertencerem ao movimento de extrema-direita Reichsbürger, que reúne vários grupos de teóricos da conspiração e extremistas que não reconhecem a legitimidade das instituições alemãs.

A polícia apreendeu computadores, computadores portáteis e telemóveis.

O Ministério Público explicou que as buscas, efetuadas em oito regiões, fazem parte de uma investigação que começou no início de 2021, quando a polícia identificou vários canais na plataforma Telegram com "teorias da conspiração e teorias típicas do Reichsbürger".

A partir de agosto de 2021, estes canais passaram a incluir apelos à ação contra "alegadas vítimas do Estado". Os seus administradores começaram então a organizar "contactos em massa com as autoridades por telefone e correio eletrónico".

De acordo com o Ministério Público, o principal objetivo era "desestabilizar a República Federal da Alemanha e as suas instituições públicas e impedir, ou pelo menos complicar o seu bom funcionamento".

Os funcionários das autoridades visadas foram inundados com teorias da conspiração e foram também "insultados e por vezes ameaçados de morte".

Police officers bundle Heinrich XIII Prince Reuss into a police vehicle during a raid against the Reichsbürger movement in December 2022.
Police officers bundle Heinrich XIII Prince Reuss into a police vehicle during a raid against the Reichsbürger movement in December 2022.Boris Roessler/(c) Copyright 2022, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten

Um homem de 58 anos, suspeito de dirigir um dos canais incriminados, foi detido em novembro de 2021. Em abril de 2022, foi acusado de "criar uma organização criminosa e incitar ao ódio".

O movimento Reichsbürger existe desde a década de 1980, mas ganhou novo ímpeto em reação às restrições sanitárias ligadas à pandemia de Covid-19.

Em dezembro de 2022, as autoridades desmantelaram um grupo armado da mesma fação que tinha como objetivo derrubar as instituições democráticas da Alemanha.

Entre eles, contavam-se um príncipe, antigos soldados de elite e um antigo deputado de extrema-direita.

Pensa-se que o movimento tem cerca de 20 mil membros em toda a Alemanha e não só, atraindo diferentes tipos de ideologia antissistema e de direita, incluindo a raiva em relação à natureza da República Federal pós-Segunda Guerra Mundial e a nostalgia de uma Alemanha há muito desaparecida.

Enquanto alguns dos seguidores do movimento idealizam o Terceiro Reich, os conspiradores detidos no ano passado estavam concentrados em manifestar o regresso do Segundo Reich, uma monarquia formada em 1871 e derrubada após a Primeira Guerra Mundial.

Outros membros do Reichsbürger são mais conspiradores e reacionários no seu pensamento, rejeitando as estruturas modernas do Estado e recusando-se a pagar impostos, a participar num recenseamento ou a ter bilhetes de identidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder de grupo criminoso internacional detido em Espanha

Ataque à faca em escola da Alemanha faz quatro feridos, dois com gravidade

Thomas Tuchel deixa Bayern de Munique no final da temporada