Foi Olaf Scholz quem convenceu Orbán a abster-se na questão do alargamento

Olaf Scholz admitiu ter convencido Orbán a sair da sala onde decorria a votação
Olaf Scholz admitiu ter convencido Orbán a sair da sala onde decorria a votação Direitos de autor KENZO TRIBOUILLARD/AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A decisão do líder húngaro de sair da sala no momento da votação teve uma mãozinha do chanceler alemão, admitiu este último.

PUBLICIDADE

Nos últimos momentos da cimeira europeia, o chanceler alemão Olaf Scholz admitiu que foi ele que convenceu o homólogo húngaro, Viktor Orbán, a abandonar temporariamente a sala do Conselho. Isto permitiu que os restantes 26 líderes tomassem a decisão histórica de dar luz verde ao início das negociações de adesão com a Ucrânia e a Moldávia, assim como aceitar a Geórgia como país candidato. Scholz observou, no entanto, que esta não pode ser uma solução universal.

"As coisas não podem ser resolvidas com alguém a sair da sala. Isto é para casos excecionais, como, por exemplo, a decisão que acabámos de tomar", disse o chanceler alemão.

Os líderes europeus Ursula von der Leyen e Charles Michel mostraram-se confiantes de que conseguirão chegar a um consenso - ou mesmo ultrapassar a posição de Viktor Orbán no futuro - em particular, na questão da concessão de uma ajuda adicional de 50 mil milhões de euros à Ucrânia, que Orbán bloqueou.

Charles Michel resumiu a decisão de dar luz verde à via europeia para a Geórgia, a Moldávia e a Ucrânia como "uma mensagem política muito forte" e "uma mensagem de esperança".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

“Proteger, fortalecer, antecipar” é o lema da Bélgica para presidência do Conselho da UE

Orbán ameaça destruir a política para a Ucrânia na reunião dos líderes europeus em Bruxelas

Separatistas da Transnístria pedem a Moscovo "proteção" contra a pressão da Moldova