EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Supremo Tribunal de Israel chumba reforma judicial de Netanyahu

Lei da reforma judicial de Benjamin Netanyahu é chumbada em Israel.
Lei da reforma judicial de Benjamin Netanyahu é chumbada em Israel. Direitos de autor Ohad Zwigenberg/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Ohad Zwigenberg/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A reforma judicial do governo de Benjamin Netanyahu, que levou milhares de pessoas às ruas em protesto no ano passado, foi chumbada pelo Supremo Tribunal de Israel.

PUBLICIDADE

O Supremo Tribunal de Israel anulou uma lei que estava no centro do projeto de reforma judicial do Primeiro-ministro do país, Benjamin Netanyahu.

Os juízes decidiram esta segunda-feira, por uma escassa maioria de oito contra sete, rejeitar a lei que reduzia os poderes do tribunal e que dava ao governo uma maior influência na nomeação dos juízes. Esta decisão pode colocar o país numa crise política enquanto luta contra a guerra em Gaza.

A reforma judicial de Netanyahu, que deu origem a uma onda de protestos em julho de 2023, levou à demissão do ministro da Defesa e fez militares enviarem cartas abertas a ameaçar pararem com o seu serviço.

Esta agitação resultou na aprovação pelo governo de uma lei conhecida como "lei da razoabilidade". Esta lei retirou aos tribunais superiores e inferiores de Israel o poder de anular as decisões governamentais consideradas "extremamente irrazoáveis".

Centenas de manifestantes pediram a demissão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. O líder israelita, acusado de se ter agarrado ao poder através da cedência à extrema-direita da sua coligação, argumenta que as mudanças são necessárias para restabelecer o equilíbrio entre os juízes e os políticos.

A decisão de segunda-feira de anular a legislação de julho poderá reacender as tensões que agitaram Israel durante o verão e dividir o governo de unidade na sequência dos ataques do Hamas a 7 de outubro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ano Novo começa com ataques de Israel na Faixa de Gaza

Benjamin Netanyahu facilita porte de armas em Israel

Manifestantes no Quénia entram em confronto com a polícia de choque