EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Zelenskyy em périplo pelos países Bálticos em busca de ajuda

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, com o  Presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda
O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, com o Presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda Direitos de autor AP/Ukrainian Presidential Press Office
Direitos de autor AP/Ukrainian Presidential Press Office
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Presidente ucraniano apelou à unidade dos aliados do Ocidente, alertando que as hesitações relativamente à ajuda financeira e militar a Kiev só encorajam as pretensões de Putin.

PUBLICIDADE

Em visita pelos países Bálticos, o Presidente ucraniano apelou à unidade do Ocidente na ajuda a Kiev. Na Lituânia, Volodymyr Zelenskyy alertou que as hesitações do aliados ocidentais estão a encorajar o Presidente russo, Vladimir Putin, a ocupar toda a Ucrânia.

"Todos nós temos o azar de ter uma liderança inadequada na nossa vizinhança que gera infelicidade e falta de liberdade. Mas nunca mais seremos prisioneiros da geografia e não permitiremos que a Rússia destrua nem o nosso Estado nem o deles, porque estamos juntos e unimos outros para termos poder conjunto", afirmou.

O presidente ucraniano insistiu mais uma vez que se a Ucrânia perder a guerra, os outros vizinhos da Rússia arriscam-se a ser atacados. "Temos de compreender que a Lituânia, a Letónia, a Estónia e a Moldávia podem ser as próximas vítimas se não resistirmos", avisou.

Durante o encontro, o Presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, reafirmou o apoio militar, político e económico do país a Kiev.

A deslocação de Zelenskyy aos países Bálticos deverá também incluir uma visita pela Estónia e Letónia. Esta viagem de dois dias tem em vista preocupações com a segurança da região, as esperanças da Ucrânia de se juntar à União Europeia e à NATO, bem como parcerias na produção de drones.

Após os recentes ataques aéreos russos, Kiev solicitou uma reunião do Conselho NATO-Ucrânia com o propósito de fortalecer a defesa aérea do exército ucraniano.

Os analistas sublinham que os parceiros ocidentais de Kiev estão a ter dificuldade em acompanhar o ritmo das necessidades ucranianas, especialmente no que diz respeito à produção de mísseis, face à intensificação dos bombardeamentos em larga escala no país nas últimas semanas.

A curto prazo, a resposição do stock de armamento ucraniano caberá aos europeus, uma vez que a ajuda militar norte-americana se encontra num impasse, por falta de acordo do Congresso.

Além de apoio financeiro e em armamento, os aliados ocidentais de Kiev têm decretado sanções contra interesses russos para tentar diminuir a capacidade de Moscovo de financiar o custo da guerra na Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países Bálticos assinalam os 75 anos das deportações em massa soviéticas para a Sibéria

Reino Unido anuncia pacote de ajuda militar e pacto de segurança com a Ucrânia

UE sem conseguir dar contra-resposta à importação russa de artilharia