Mulheres e crianças são as principais vítimas do conflito Israel-Hamas, diz a ONU

Palestinianos choram os seus familiares mortos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza, à porta de uma morgue em Rafah, no sul de Gaza
Palestinianos choram os seus familiares mortos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza, à porta de uma morgue em Rafah, no sul de Gaza Direitos de autor Fatima Shbair/The AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As últimas atualizações do conflito em curso.

Mulheres e crianças são as principais vítimas da guerra entre Israel e o Hamas, com 16 000 mortos, diz a ONU, enquanto as forças israelitas atacam edifício na capital da Síria.

PUBLICIDADE

As mulheres e as crianças são as principais vítimas da guerra entre Israel e o Hamas, com cerca de 16 000 mortos. A cada hora, uma a duas mães perdem a vida desde o ataque surpresa do Hamas a Israel em 7 de outubro de 2023, afirmou a agência das Nações Unidas para a promoção da igualdade entre homens e mulheres.

Como resultado do conflito de mais de 100 dias, pelo menos 3.000 mulheres podem ter ficado viúvas e pelo menos 10.000 crianças podem ter perdido os seus pais, acrescentou a ONU Mulheres.

A agência chamou a atenção para a desigualdade de género e para o fardo que pesa sobre as mulheres que fogem dos combates com os filhos, ao serem deslocadas várias vezes. Segundo a agência, dos 2,3 milhões de habitantes da Faixa de Gaza, 1,9 milhões estão deslocados e "cerca de um milhão são mulheres e raparigas" que procuram abrigo e segurança.

A Palestinian child walks past factories destroyed in an Israeli bombardment of the Gaza Strip in Deir al Balah
A Palestinian child walks past factories destroyed in an Israeli bombardment of the Gaza Strip in Deir al BalahAdel Hana/The AP

A diretora executiva da ONU Mulheres, Sima Bahous, afirmou que se trata de "uma inversão cruel" dos combates ocorridos durante os últimos 15 anos antes do ataque de 7 de outubro. Segundo Bahous, 67% dos civis mortos em Gaza e na Cisjordânia eram homens e menos de 14% eram mulheres.

A eurodeputada fez eco dos apelos do Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, a um cessar-fogo humanitário e à libertação imediata de todos os reféns capturados pelo Hamas.

"Por muito que lamentemos a situação das mulheres e raparigas de Gaza hoje, lamentá-la-emos ainda mais amanhã se não houver assistência humanitária sem restrições e se não se puser fim à destruição e à matança", afirmou Bahous numa declaração que acompanha o relatório da ONU.

"Estas mulheres e raparigas estão privadas de segurança, medicamentos, cuidados de saúde e abrigo. Enfrentam a fome e a inanição iminentes. Acima de tudo, estão privadas de esperança e de justiça", acrescentou.

O Ministério da Saúde de Gaza, dirigido pelo Hamas, afirma que cerca de 25.000 palestinianos foram mortos no conflito, 70% dos quais são mulheres e crianças. As Nações Unidas afirmam que mais de meio milhão de pessoas em Gaza - um quarto da população - estão a passar fome.

Israeli soldiers overlook the Gaza Strip from a tank, as seen from southern Israel
Israeli soldiers overlook the Gaza Strip from a tank, as seen from southern IsraelMaya Alleruzzo/The AP

Ataque aéreo israelita na Síria destrói edifício utilizado por paramilitares iranianos

Um ataque israelita a Damasco, capital da Síria, destruiu no sábado um edifício utilizado pelos paramilitares iranianos da Guarda Revolucionária, matando e ferindo 10 pessoas, segundo a imprensa estatal e um responsável de um grupo apoiado pelo Irão.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, um observador de guerra da oposição, afirmou que pelo menos cinco pessoas foram mortas no ataque com mísseis, que ocorreu quando funcionários de grupos apoiados pelo Irão se encontravam numa reunião.

Segundo a State-TV, a "agressão israelita" teve como alvo um edifício residencial no bairro de Mazzeh, na zona ocidental de Damasco, fortemente vigiado, onde se encontram várias missões diplomáticas, incluindo as embaixadas do Líbano e do Irão.

Um responsável de um grupo apoiado pelo Irão no Médio Oriente disse à Associated Press (AP) que o edifício era utilizado por oficiais da Guarda Revolucionária, acrescentando que os "mísseis israelitas" destruíram todo o edifício e que 10 pessoas foram mortas ou feridas no ataque.

O ataque ocorreu no meio de tensões crescentes na região e da ofensiva israelita em Gaza, que já matou milhares de pessoas.

No mês passado, um ataque aéreo israelita a um subúrbio de Damasco matou o general iraniano Seyed Razi Mousavi, um conselheiro de longa data da Guarda Revolucionária paramilitar iraniana na Síria. 

Nos últimos anos, Israel tem também visado agentes palestinianos e libaneses na Síria, levando a cabo centenas de ataques contra alvos em regiões sírias, controladas pelo governo e devastadas pela guerra.

Israel raramente reconhece estas investidas militares na Síria, mas afirmou que tem como alvo bases de grupos militantes aliados do Irão, como o Hezbollah do Líbano, que enviou milhares de combatentes para apoiar as forças do Presidente sírio Bashar Assad.

Biden e Netanyahu voltam a conversar - mas as suas visões para pôr fim ao conflito continuam a ser divergentes

O Presidente Joe Biden e o Primeiro-Ministro israelita Benjamin Netanyahu falaram finalmente na sexta-feira, depois de um hiato de quase quatro semanas na comunicação direta, durante o qual se evidenciaram diferenças fundamentais quanto a uma possível via para a criação de um Estado palestiniano, uma vez terminados os combates em Gaza.

Biden e os seus principais assessores não se limitaram em apoiar Netanyahu, mesmo perante a condenação global do número crescente de mortes de civis e do sofrimento humanitário em Gaza, à medida que os israelitas levavam a cabo operações militares.

PUBLICIDADE
President Joe Biden is greeted by Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu after arriving at Ben Gurion International Airport in Tel Aviv in October
President Joe Biden is greeted by Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu after arriving at Ben Gurion International Airport in Tel Aviv in OctoberEvan Vucci/The AP/File

No entanto, a relação entre os líderes tem mostrado cada vez mais sinais de tensão, uma vez que Netanyahu tem repetidamente rejeitado os apelos de Biden à soberania palestiniana, dificultando o que o presidente dos EUA acredita ser a chave para desbloquear uma paz duradoura no Médio Oriente - a frequentemente citada e esquiva solução de dois Estados.

Nenhum dos lados mostra sinais de cedência.

O telefonema de sexta-feira ocorreu um dia depois de Netanyahu ter dito claramente aos responsáveis norte-americanos que não apoiará um Estado palestiniano como parte de qualquer plano pós-guerra. Biden, por seu lado, reafirmou no telefonema de sexta-feira o seu compromisso de trabalhar para ajudar os palestinianos a avançar para a criação de um Estado.

"Como estamos a falar de Gaza pós-conflito[...] não se pode fazer isso sem falar também das aspirações do povo palestiniano e de como isso deve ser para eles", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby.

Os líderes falaram frequentemente nas primeiras semanas da guerra, mas a cadência regular das chamadas entre Biden e Netanyahu, que têm uma relação quente e fria há mais de três décadas, abrandou consideravelmente. O telefonema de 30 a 40 minutos na sexta-feira foi a primeira conversa entre os dois líderes desde 23 de dezembro.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Familiares de reféns invadem comissão do parlamento israelita

Revelado: o roteiro de 10 pontos de Josep Borrell para a paz no conflito israelo-palestiniano

Israel financiou o Hamas para enfraquecer a Autoridade Palestiniana, afirma Josep Borrell