EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Como será o futuro do Pacto Ecológico Europeu?

Como será o futuro do Pacto Ecológico Europeu?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Oleksandra Vakulina
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Europa quer tornar-se neutra em termos climáticos até 2050. Nesse sentido, a Comissão Europeia impulsionou a introdução de regulamentos ambientais inovadores. O objetivo é mobilizar pelo menos 1 bilião de euros para investimentos sustentáveis nos próximos dez anos.

No painel de discussão da Euronews no Fórum Económico Mundial, em Davos, intitulado "European Green Deal, Anyone?", a repórter do Euronews Sasha Vakulina discutiu as oportunidades e os desafios do Pacto Ecológico Europeu.

Para o debate, foram convidados o Primeiro-Ministro grego Kyriakos Mitsotakis, Maroš Šefčovič, Vice-Presidente da Comissão Europeia e responsável pelo Pacto Ecológico; Ester Baiget, Presidente e Diretora Executiva da empresa dinamarquesa Novozymes e membro da Alliance of CEO Climate Leaders; e Maxim Timchenko, Presidente do Conselho de Administração do grupo ucraniano DTEK.

O futuro da Europa depende de um planeta saudável. Os Estados-Membros da União Europeia estabeleceram o objetivo de alcançar a neutralidade climática até 2050, honrando assim os compromissos no âmbito do Acordo de Paris. O Pacto Ecológico Europeu é a estratégia com a qual a UE pretende atingir o seu objetivo para 2050. Os membros do painel estão otimistas ou pessimistas quanto ao futuro deste acordo?

Kyriakos Mitsotakis, Primeiro-Ministro grego

"Atualmente, somos um importador líquido de energia. E para contextualizar: Quando a Grécia decidiu abandonar radicalmente o carvão, há quatro anos, optámos pelo gás natural como combustível de transição. Como não temos energia nuclear, era a única escolha óbvia. Em 2022, gastámos sete mil milhões de euros na importação de gás natural. Normalmente, esta fatura é de mil milhões de euros.

Queremos tornar-nos um fornecedor de energia a curto prazo, pelo menos para os Balcãs, utilizando fortes interconexões, gasodutos, armazenamento flutuante e instalações de regaseificação no Norte da Grécia, e talvez até exportando gás para a Ucrânia. Porque se olharmos para o mapa, a distância não é assim tão grande. No entanto, a médio e longo prazo, pretendemos tornar-nos um exportador de energia verde, utilizando o potencial considerável de que dispomos, especialmente no setor da energia eólica offshore. Se olharmos para o mapa do Mediterrâneo, podemos ver que o Egeu é a zona onde se registam os ventos mais fortes e sustentados. É por isso que faz parte do nosso plano a médio e longo prazo ajudar a energia eólica offshore a alcançar um avanço. Mas também precisamos de construir as interligações necessárias.

Devemos também considerar as ligações com África. África tem um potencial considerável, se não ilimitado, para a produção de energia verde, especialmente de energia solar. Estamos em conversações com o Egito sobre a construção de um interconector entre a Grécia e o Egito. E, claro, acredito que todos estes projetos se inserem no âmbito dos projetos de interesse comum europeu, porque são importantes não só para a Grécia, mas para toda a Europa".

Maroš Šefčovič, Vice-Presidente Executivo da UE para o Pacto Ecológico Europeu

"_O que eu acho que é realmente muito importante é que precisamos de coordenar melhor as nossas ações. É por isso que investimos muito em energias renováveis. No ano passado, ficámos muito orgulhosos por termos produzido mais energia a partir de energias renováveis do que de combustíveis fósseis. Mas o Senhor Primeiro-Ministro sabe muito bem que, muitas vezes, não é possível utilizar todo o potencial da energia eólica e solar, há os chamados cortes de energia porque as nossas redes não conseguem transportar a eletricidade para os consumidores finais por não terem a capacidade necessária ou porque não temos interligações suficientes na Europa. É por isso  temos de investir nas redes e construí-las de forma a estarem prontas, não para o próximo ano, mas para o futuro com_a neutralidade climática".

Ester Baiget, Presidente e Diretora Executiva da Novozymes, Dinamarca

"A situação atual mostra o valor da mitigação do risco, o valor das opções e o valor da resiliência. A nossa dependência dos combustíveis fósseis é demasiado grande. Precisamos de criar alternativas. A era das soluções baseadas em combustíveis fósseis chegou ao fim. Chegou o momento de sermos ainda mais ousados e de investirmos mais rapidamente nas soluções do futuro, da nova era. O Pacto Ecológico está a empurrar-nos a todos na direção certa. Nós, empresas, temos a responsabilidade de nos sentarmos à mesa e propormos as nossas soluções. Há obstáculos desnecessários que dificultam desnecessariamente a nossa vida. Investimos coletivamente oito biliões de dólares americanos por ano para subsidiar o passado. Oito biliões de dólares americanos! Isto equivale a oito por cento do produto interno bruto global. Este valor vai para subsídios aos combustíveis fósseis. Não é que não estejamos a subsidiar suficientemente o futuro, estamos a subsidiar o passado".

Maxim Timchenko, Diretor Executivo do grupo ucraniano DTEK

_"No primeiro dia da invasão russa em grande escala, desligámo-nos das redes de energia da Rússia e da Bielorrússia. Estou muito grato aos nossos parceiros europeus, à Comissão Europeia e a todos os envolvidos pelo facto de termos conseguido estabelecer a ligação em três semanas. Foi uma ligação de emergência, mas a energia da Europa ajudou-nos a sobreviver. E, claro, depois deste momento histórico para o nosso setor, dissemos: agora é altura de pensar em como podemos ajudar a Europa. E mesmo agora, durante os dois anos de guerra, estamos a fazer isso. A nossa empresa investiu 200 milhões de euros num parque eólico de 140 megawatts durante a guerra. Há apenas um mês, anunciámos a segunda fase deste parque eólico, na qual estamos a investir 450 milhões de euros com o apoio da Dinamarca e a adquirir turbinas da Vestas. Durante a guerra, restaurámos a linha de transmissão com a Polónia, pelo que melhorámos a nossa interconexão. _Estes são apenas alguns exemplos do que pode ser feito durante a guerra e do papel que a Ucrânia pode desempenhar, mesmo nas atuais circunstâncias. O Pacto Ecológico e todos os objetivos que estamos a discutir aqui são uma força motriz para a Ucrânia. E a maior parte das reformas económicas que temos de implementar estão ligadas, de uma forma ou de outra, ao Pacto Ecológico Europeu. Esta é a base do nosso futuro".

Pode assistir a todo o debate no vídeo acima.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Kyriakos Mitsotakis: "Continuo convencido de que o futuro da União Europeia é risonho"

Putin acelerou a transição ecológica na UE, diz Ursula von der Leyen

Calviño diz que BEI quer captar mais privados para transição ecológica