Berlinenses saem à rua para protestar contra a extrema-direita

People protest in front of Germany's parliament
People protest in front of Germany's parliament Direitos de autor Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Lena Roche and Donogh McCabe
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As pessoas saíram às ruas de Berlim no sábado para mostrar a sua indignação perante o ressurgimento da extrema-direita na Alemanha.

PUBLICIDADE

Pelo menos 150.000 pessoas reuniram-se em frente ao parlamento nacional alemão no sábado à tarde para protestar contra a extrema-direita, a última de uma série de grandes manifestações de fim de semana em toda a Alemanha.

As manifestações pró-democracia começaram há três semanas, depois do grupo de jornalistas de investigação Correctiv ter publicado um artigo em que afirmava que os extremistas de direita se tinham reunido recentemente para discutir a deportação de milhões de imigrantes, incluindo alguns com cidadania alemã. Alguns membros do partido de extrema-direita, Alternativa para a Alemanha (AfD), estiveram presentes nessa reunião.

O protesto de sábado atraiu mais participantes do que os organizadores esperavam, apesar da chuva intermitente que caiu na capital alemã. A polícia disse que, até ao meio da tarde de sábado, estavam presentes cerca de 150.000 pessoas. Protestos semelhantes contra a extrema-direita noutras cidades alemãs, incluindo a cidade meridional de Freiburg e a cidade ocidental de Hannover, também atraíram milhares de participantes no sábado.

Sob o lema "Nós somos a Firewall" - uma referência ao tabu de longa data contra a colaboração com a extrema-direita na política alemã - os manifestantes transformaram o espaço junto ao Bundestag (Parlamento nacional da Alemanha), num mar de cartazes, bandeiras e guarda-chuvas.

As pessoas viajaram de toda a Alemanha para participar no protesto de sábado, dizendo que sentiam que era importante estar ali para mostrar a sua oposição ao racismo e para advertir contra a repetição da história.

"Não podemos de forma alguma permitir que as histórias que vivemos em 1930 ou mesmo nos anos 20 voltem a acontecer... Temos de fazer tudo o que pudermos para o evitar", disse Jonas Schmidt, que veio da cidade portuária ocidental de Bremen. "É por isso que estou aqui."

Kathrin Zauter, outra manifestante, classificou a forte participação como "realmente encorajadora".

"Isto encoraja toda a gente e mostra que somos mais - somos muitos", disse.

O AfD foi fundado como um partido eurocético em 2013 e entrou pela primeira vez no Bundestag em 2017. Sondagens recentes colocam o partido em segundo lugar a nível nacional, com um apoio superior a 20%, muito acima dos 10,3% dos votos que obteve durante as últimas eleições federais em 2021.

As pesquisas mostram que o AfD é o principal partido no leste da Alemanha, incluindo nos estados de Brandemburgo, Saxônia e Turíngia, que devem realizar eleições neste outono.

A manifestação de sábado foi a última de uma série de protestos semelhantes em todo o país, muitas das quais atraíram muito mais participantes do que os organizadores esperavam. Tanto em Hamburgo como em Munique, no final do mês passado, os protestos tiveram de ser encerrados mais cedo devido a preocupações com a segurança pelo facto de se juntarem demasiadas pessoas em espaços pequenos.

Embora a Alemanha tenha assistido a outros protestos contra a extrema-direita nos últimos anos, a dimensão e o alcance das recentes manifestações - não só nas grandes cidades, mas também em dezenas de cidades mais pequenas do país - são notáveis.

O chanceler alemão Olaf Scholz elogiou os protestos, escrevendo num post de sábado na plataforma de mídia social X que a presença dos cidadãos nas reuniões é "um forte sinal para a democracia e a nossa constituição".

"Em pequenas e grandes cidades de todo o país, os cidadãos estão a unir-se para se manifestarem contra o esquecimento, contra o ódio e o incitamento", acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apesar de proibido, grupo de extrema-direita promete realizar protesto em Lisboa

Polémica com AfD na Alemanha reabre debate sobre proibição da extrema-direita

Extrema-direita alemã derrotada em eleições locais na Turíngia