"A guerra na Ucrânia é como a I Guerra Mundial, mas com drones", diz combatente estrangeiro

O "Viking" durante uma das suas missões na frente de combate na Ucrânia.
O "Viking" durante uma das suas missões na frente de combate na Ucrânia. Direitos de autor The "Viking"
De  Olivia Stroud and Lena Roche
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Bjørn, das Ilhas Faroé, era pescador, mas agora é "viking" e combate na legião estrangeira ucraniana. Contou à Euronews como foi o treino, a realidade na frente de combate, como se lesionou e porque quer continuar a lutar.

PUBLICIDADE

Há muito poucas pessoas com uma biografia tão notável como a de Bjørn. Nascido nas remotas Ilhas Faroé, um arquipélago situado entre a Noruega, o Reino Unido e a Islândia, começou a sua vida como pescador noutros países frios, incluindo a Gronelândia, e depois trabalhou na construção civil nas Ilhas Faroé, onde nasceu. Mas essa era a sua vida antes da guerra da Ucrânia. Agora está num bunker algures perto da linha da frente no leste da Ucrânia, um dos poucos combatentes que conseguiu passar o intenso treino da legião estrangeira que, segundo ele, muitos, mesmo com treino militar anterior, não passam. Como é que ele chegou aqui exatamente?

Combatente estrangeiro por acidente

Bjørn andava de mochila às costas pela Europa quando recebeu um telefonema do seu primo, que tinha entrado para a Legião Estrangeira ucraniana logo no início daquilo a que a Rússia ainda chamava uma "operação militar especial".

"Estivemos a falar durante mais de uma hora. Ele contou-me todas as atrocidades que os russos estão a fazer contra os civis, contra as pessoas que trabalham no terreno, do grupo Wagner, e aqueles vídeos muito, muito gráficos", disse Bjørn à Euronews, acrescentando que sentia que não estava a fazer nada de útil no seu país, tendo-se despedido do seu emprego 12 dias antes, com um plano vago de voltar à pesca.

Os russos "estão a atacar edifícios civis, infra-estruturas civis, grupos de primeiros socorros. Estão sempre a tentar quebrar o moral dos ucranianos", disseram-lhe. Bjørn ficou impressionado e decidiu imediatamente juntar-se ao primo, que é também seu afilhado.

Apesar de o primo o ter tentado dissuadir, o ex-pescador viajou para a Ucrânia, onde deveria submeter-se a um treino muito intenso no qual, segundo o próprio, 40% das pessoas não passam.

"É uma guerra diferente. Não é como o Iraque, o Afeganistão ou qualquer outra guerra. É como a Primeira Guerra Mundial, só que com drones. Estamos a correr por trincheiras. Fazemos caminhadas em bunkers. Até os antigos soldados precisam de ser treinados de novo", diz ele, abanando a cabeça.

In the Foreign Legion everyone is being given a nickname.
In the Foreign Legion everyone is being given a nickname.The "Viking"

Apesar de ser um civil, Bjørn seguiu um caminho que o levou a treinar com uma metralhadora.

O treino físico inicial durou três a quatro semanas e Bjørn diz que perdeu 20 quilos em cinco semanas. 26 estagiários abandonaram a formação a meio.

Muitos dos civis saíram-se melhor do que muitos dos antigos soldados

A formação completa dura dois meses e os combatentes treinam com equipamento completo, usando coletes balísticos que podem pesar até 20 kg num calor de 26 graus. Para alguém que nasceu num clima tão frio, esta não foi uma tarefa fácil.

"Vieram muitos homens. Entraram para a Legião e, ao fim de uma semana, diziam: "Tenho oito anos de experiência no exército, sou um ranger, um major, seja o que for", e depois abandonavam o treino, aparecendo muitas vezes "feridos ou mortos", duas semanas depois. Bjørn calcula que, dos recrutas que acabam por ir para a frente de batalha, 20% abandonam-na após 2 a 5 missões, porque se apercebem de que "a guerra é um inferno".

Alguns dos recrutas do lado ucraniano partem ao fim de quatro meses, depois de se aperceberem da realidade de estarem constantemente a ser bombardeados e de não conseguirem dormir.

Faltavam cerca de dez dias para ser destacado e as minhas três primeiras missões foram extremamente difíceis

Num ritual não oficial, os recrutas recebem alcunhas dos outros soldados quando se alistam. A de Bjørn é "Viking", uma alusão à sua herança nórdica e à sua constituição alta e forte. O seu melhor amigo, que ele diz ser tão próximo como o irmão que nunca teve, chama-se Chipre, graças ao seu país natal. Atualmente, os dois são inseparáveis.

Na primeira missão de Bjørn, os recrutas só percorreram algumas centenas de metros antes de um drone lançar uma granada sobre a casa onde se encontravam e terem de caminhar três quilómetros até à frente, onde continuaram a ser bombardeados. Sem o apoio aéreo ucraniano para defender os céus com caças, a situação faz lembrar as guerras do século XX.

"Só queria ir para casa", diz Bjørn sobre as suas primeiras missões. Mas perseverou e começou a habituar-se aos estrondos de artilharia, morteiros, RPGs e todos os outros tipos de explosões. Ele explicou que quando se consegue distinguir estes sons, fica-se mais calmo, porque se sabe como reagir.

The "Viking" after a mission at the front in Ukraine.
The "Viking" after a mission at the front in Ukraine.The "Viking"

Mas algumas missões mais tarde, Bjørn foi ferido.

O inferno começou e os dois rapazes foram apanhados na linha de fogo

Bjørn estava numa missão de reconhecimento, para ver o que os soldados russos estavam a fazer nos seus bunkers. Diz que, devido às condições do terreno, não se tratava de rastejar metros entre trincheiras, mas sim de nadar. Mas, de repente, ouviu uma bala.

Dez minutos depois, iniciou-se um intenso tiroteio. "Foi o maior número de RPGs que vi desde que entrei para a guerra", disse Bjørn.

"A certa altura, vi que o meu bunker da frente estava em apuros." Bjørn estava a defender os seus companheiros de equipa do grande número de RPGs, atiradores furtivos e metralhadoras com fogo de supressão, quando ouviu o som de um RPG a perfurar a sua armadura. Descreve o rápido estalido destas granadas.

PUBLICIDADE

"Fazem duas explosões do género 'thun-thun'. A primeira é para romper a armadura e a segunda é para matar o que estiver lá dentro. E eu ouvi a primeira explosão, 'boom', e pensei, 'oh raios, foi por pouco'. E depois a segunda atingiu-me."

Bjørn foi atirado com tanta força que, quando bateu na parede, o seu corpo deixou uma marca nos sacos de areia.

Desmaiou durante 10 segundos. Quando voltou a si, uma nuvem de poeira e fumo tão espessa cobria-lhe as pernas. Agarrou-se à arma, que conseguiu apanhar no chão. Percebeu imediatamente que algo estava errado.

The "Viking" was injured.
The "Viking" was injured.the "Viking"

"Tinha levado uma das mãos à cara para ver que estava ferido e a sangrar." Foi atingido por estilhaços de 1 mm a 1,5 mm no tronco, braços e pernas. A sua arma também não sobreviveu e foi atingida por estilhaços.

"Não conseguia ver nada. Apesar disso, ainda conseguiu correr 15 metros para escapar ao fumo, onde tentou aplicar um torniquete. As duas mãos estavam tão feridas que não conseguiu torcer o material à volta da ferida para estancar a hemorragia.

PUBLICIDADE

Ninguém vai para Valhalla, não desta vez

Felizmente, dois dos seus camaradas, incluindo Chipre, vieram em seu auxílio e conseguiram aplicar o torniquete com sucesso.

No entanto, quando Bjørn olhou para baixo, reparou que havia muito sangue concentrado à volta da virilha. Temeu o pior. "Chipre, verifica", diz Bjørn, gritando a Chipre.

"Não, não, Viking, tenho de estancar a hemorragia", respondeu o seu camarada, tratando dos seus outros ferimentos. Bjørn também estava a sangrar do lado. Os dois começaram a gritar um com o outro, diz Bjørn, discutindo sobre o que era mais urgente fazer. Depois de muita discussão, Chipre e outro soldado que ouviu toda a confusão despiram Bjørn e examinaram a área. O tempo pára até Chipre voltar a levantar os dois polegares e lhe dar as boas notícias.

O tiroteio recomeçou e Chipre e os seus camaradas deixaram Bjørn e a sua arma partida no túnel para irem combater. Bjørn diz que começou a gritar sobre Valhalla.

Mas a adrenalina é uma droga potente. Bjørn não se lembra de nenhuma dor do incidente. Demorou dois dias a senti-la. Entretanto, recuperou 80% da sensibilidade do braço após um transplante de nervo para um dos dedos e vários meses num hospital. Dentro de três a cinco meses saberá se voltará a ter todas as funções e sensações.

PUBLICIDADE

A realidade na linha da frente

Bjørn diz que muitos dos soldados russos não são apenas muito jovens, mas que não têm armadura nem capacetes. Muitos deles são inexperientes e, quando enviados para a frente, acabam por se perder antes de tropeçarem nos soldados ucranianos.

"Normalmente usam estes tipos, enviam-nos para a frente, cavam trincheiras, coisas desse género. Estes tipos costumam levar um tiro e, quando finalmente acabam, são os profissionais que vão à luta".

É muito fácil distinguir entre pára-quedistas e recrutas, diz ele, porque "os recrutas são muito cobardes. Começam a disparar a 80 ou 100 metros de distância" às cegas e com medo.

Mas os pára-quedistas e os soldados profissionais com mais experiência são muito agressivos.

Bjørn fala também dos territórios ocupados. Revelou que em muitos locais, incluindo Bakhmut, os soldados russos mantinham os residentes como reféns para os usar como escudos humanos "porque sabiam que os ucranianos não iam disparar".

PUBLICIDADE

O seu próprio batalhão encontrou provas de valas comuns com "todos os sinais de execução", que ele acredita terem sido perpetradas pelo grupo Wagner. Ele próprio diz ter visto vídeos (que não puderam ser verificados de forma independente pela Euronews) de mulheres a serem violadas em grupo e de mulheres e crianças a serem alvejadas por um tanque. Mas tende a evitar estes vídeos gráficos sempre que pode.

"Estou a lutar por uma boa causa"

Bjorn diz que a sua motivação para regressar à frente de batalha é o seu profundo respeito pelo povo ucraniano, que continua a perseverar mesmo perante tais atrocidades.

The "Viking" before going on a mission.
The "Viking" before going on a mission.The "Viking"

Bjørn diz também que os soldados russos "destroem tudo", incluindo aldeias perto da fronteira com apenas 20 habitantes, porque estão determinados a erradicar tudo o que é ucraniano.

"Se perderem, nunca mais se poderão chamar ucranianos e isso é algo que a Rússia quer", afirma.

Bjørn acrescenta que sente que está a lutar por uma causa justa, "o que é muito raro hoje em dia". No seu país, os ucranianos não se consideram parte da Rússia, facto que a Rússia utiliza frequentemente para justificar a guerra, a menos que 250 anos de genocídio e ocupação sejam considerados uma reivindicação histórica.

PUBLICIDADE

"É muito estranho que as pessoas ainda acreditem que a Rússia está a lutar contra os nazis. Zelenskyy é judeu, o primeiro-ministro é judeu. O ministro da defesa é muçulmano. Há aqui 20 grupos étnicos e 30 línguas diferentes. É tudo exceto o nazismo".

Bjørn simpatiza com os ucranianos e estabelece semelhanças entre a Ucrânia e o seu país natal, as Ilhas Faroé, que só se tornaram independentes da Dinamarca em 1948.

A guerra ensina-nos a apreciar as pequenas coisas da vida

Bjørn diz que, durante a guerra, aprendeu a apreciar as pequenas coisas da vida.

"Antes detestava ir a uma peça de teatro para crianças, mas no futuro vou passar a gostar delas. Agora comovo-me facilmente por dentro... Antes da guerra, eu era um viciado em trabalho, mas agora sou um soldado que aprecia os pequenos pormenores da vida", ri-se. Quando a guerra acabar, planeia assistir à erupção de um vulcão islandês com o seu filho de 14 anos.

The "Viking" wearing his hand knitted jumper from the Faroe Islands at the front in Ukraine.
The "Viking" wearing his hand knitted jumper from the Faroe Islands at the front in Ukraine.the "Viking"

Jura que o seu batalhão está determinado a que os russos não ultrapassem as suas linhas de defesa até à cidade que estão a defender. Está empenhado em proteger os civis da cidade.

PUBLICIDADE

Mas não é fácil. Bjørn acredita que estão a ser travadas duas guerras em simultâneo - a guerra real e uma guerra mediática - e que a propaganda russa sobre a vitória da Rússia está muito longe da realidade.

"Desde que Putin começou esta guerra com a Ucrânia para travar a NATO, a Rússia ficou cercada pela NATO", diz Bjorn, que acredita que o Presidente Putin está apenas a tentar salvar a face. Não acredita que a guerra termine tão cedo.

Putin tem de ser travado

"Se não se travar a Rússia aqui, nesta frente, isto é mesmo ao lado de uma fronteira europeia", avisa, apontando para a história recente da Rússia, incluindo a Crimeia, a Geórgia e a Chechénia.

O seu maior receio é uma guerra nuclear, mas insiste que, depois da guerra, "toda a gente tem de se sentar e falar sobre estas armas nucleares e sobre a razão pela qual alguns países têm tantas coisas que podem destruir metade do mundo. Eu tenho 40 anos e já quase tive três guerras nucleares na minha vida".

"Gostaria que, depois desta guerra, tivéssemos 100 anos de paz, consolidando as nossas universidades, a ciência, a medicina... só por uma vez. Acho que toda a gente está cansada da guerra", lamenta.

PUBLICIDADE

Mas, por agora, Bjørn está ansioso por regressar a casa depois da guerra. Ele diz que as Ilhas Faroé são um paraíso.

The "Viking" back home in the Faore Islands.
The "Viking" back home in the Faore Islands.The "Viking"

O que é que nos ajuda a mantermo-nos humanos aqui na frente?

Bjørn diz que "se não fosse o vosso apoio, não seríamos tão fortes durante tanto tempo". Bjørn agradece especialmente aos doadores privados que ajudaram a enviar veículos blindados, carros pessoais que utilizam para o transporte, o que é muito, muito significativo, porque as estradas na Ucrânia estão muito, muito bem agora, lamacentas e más".

Acho que o que nos mantém humanos na frente e não apenas carne para canhão é saber que por trás de nós existem pessoas civis que se preocupam com o nosso bem-estar, com a nossa alimentação, com o nosso calor no inverno, com o nosso café, com a nossa comida, com os nossos doces. O sentimento de que somos apreciados e não estamos sozinhos.

Se quiser fazer um donativo, pode fazê-lo aqui.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia: viver ao lado dos combates na linha da frente

Três mortos em ataques russos a várias cidades ucranianas

Ferrovia tornou-se vital para a economia da Ucrânia após a guerra