Câmara dos Representantes votou pela destituição do secretário de Segurança Interna dos EUA

Alejandro Mayorkas
Alejandro Mayorkas Direitos de autor Evan Vucci/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Maioria republicana venceu democratas por apenas um voto e decidiu a destituição de Alejandro Mayorkas, culpando-o pelos problemas migratórios na fronteira dos EUA com o México. Mas a decisão não deverá passar no Senado.

PUBLICIDADE

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, com maioria republicana, votou pela destituição de Alejandro Mayorkas, o secretário de Segurança Interna dos EUA, acusando-o de não fazer cumprir as leis de imigração norte-americanas e permitir um número recorde de entradas de migrantes pela fronteira com o México.

A votação foi renhida mas a destituição de Mayorkas venceu por apenas um voto - 214 votos a favor e 213 contra - e alguns republicanos votaram em oposição ao que era desejado pelo partido.

É a primeira vez em cerca de 150 anos que a Câmara dos Representantes vota a destituição de um membro da administração norte-americana. A decisão passa agora para o Senado, cuja maioria democrata impedirá, muito provavelmente, a destituição de Mayorkas de prosseguir.

Em resposta, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, condenou a decisão da Câmara dos Representantes, que considerou uma "manobra política". Num comunicado divulgado após a votação, Biden sublinhou que "a história não olhará com bons olhos para os Republicanos da Câmara pelo seu ato flagrante de partidarismo inconstitucional que visou um funcionário público honrado para fazer jogos políticos mesquinhos".

Mayorkas enfrentou dois artigos de destituição, que argumentavam que se recusou "deliberada e sistematicamente" a aplicar as leis de imigração existentes e que violou a confiança pública ao mentir ao Congresso e ao dizer que a fronteira era segura.

Na semana passada, o secretário de Segurança Interna dos EUA disse à NBC que as alegações do Partido Republicano  contra ele eram "infundadas" e que não iria deixar-se distrair por elas. "Estou concentrado no trabalho no Departamento de Segurança Interna. Sou inspirado todos os dias pelo trabalho notável que 216.000 homens e mulher fazem no nosso departamento, em nome do povo americano", respondeu ainda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estados Unidos retomam a construção do muro na fronteira com o México

Migrantes fazem perigosa viagem entre o México e os EUA

Dezenas de migrantes tentam passar muro entre México e EUA