Quem era Alexei Navalny? E como é que ele se tornou o mais feroz opositor de Putin?

Neste sábado, 15 de setembro de 2012, o líder da oposição russa, Alexei Navalny, discursa numa manifestação de protesto em Moscovo, Rússia.
Neste sábado, 15 de setembro de 2012, o líder da oposição russa, Alexei Navalny, discursa numa manifestação de protesto em Moscovo, Rússia. Direitos de autor Sergey Ponomarev/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O mais firme opositor de Putin morreu na prisão. Mas quem era Navalny? E como é que o advogado que se tornou líder da oposição se tornou proeminente?

PUBLICIDADE

Alexei Navalny, crítico do Kremlin, morreu na prisão, anunciaram as autoridades russas na sexta-feira.

Alexei Navalny, de 45 anos, era um advogado que se tornou blogger, YouTuber, organizador de protestos, ativista anti-corrupção e rosto da oposição russa.

Nas últimas décadas, ganhou fama como o mais feroz opositor do presidente russo Vladimir Putin, lutando contra a corrupção oficial e organizando grandes protestos contra o Kremlin.

Na Rússia de Putin, os opositores políticos têm-se desvanecido frequentemente no meio de querelas entre fações ou exilado após a prisão.

Mas Navalny foi-se tornando cada vez mais forte, ascendendo ao topo da oposição graças à sua coragem e a um conhecimento profundo da forma como as redes sociais podiam contornar o controlo apertado do Kremlin sobre as notícias na Rússia.

Alexei Navalny em 2013
Alexei Navalny em 2013Alexander Zemlianichenko/AP

Nasceu em Butyn, a cerca de 40 quilómetros de Moscovo. Licenciou-se em Direito em 1998 e fez uma bolsa de estudo em Yale em 2010.

Navalny atraiu as atenções ao centrar-se na corrupção entre a elite russa.

Uma das suas primeiras iniciativas foi comprar uma participação em empresas russas de petróleo e gás para se tornar um acionista ativista e promover a transparência.

Ao centrar-se na corrupção, o trabalho de Navalny apelou ao sentimento generalizado dos russos de serem enganados e teve mais impacto do que preocupações mais abstractas e filosóficas sobre ideais democráticos e direitos humanos.

Porque é que Navalny estava na prisão?

Em 2013, foi condenado a cinco anos de prisão por desvio de fundos, no que considerou ser um processo com motivações políticas, mas o gabinete do procurador solicitou mais tarde, surpreendentemente, a sua libertação para aguardar recurso.

Mais tarde, um tribunal superior concedeu-lhe uma pena suspensa.

No dia anterior à sua condenação, Navalny inscreveu-se como candidato a presidente da Câmara de Moscovo.

A oposição viu a sua libertação como o resultado de grandes protestos na capital contra a sua sentença, mas muitos observadores atribuíram-na ao desejo das autoridades de dar uma capa de legitimidade à eleição para presidente da câmara.

Navalny ficou em segundo lugar, um desempenho impressionante contra o atual presidente, que tinha o apoio da máquina política de Putin e era popular por melhorar as infraestruturas e a estética da capital.

A popularidade de Navalny disparou depois de outro político carismático, Boris Nemtsov, ter sido morto a tiro numa ponte perto do Kremlin em 2015.

Sempre que Putin falava sobre Navalny, fazia questão de nunca mencionar o ativista pelo nome, referindo-se a ele como "aquela pessoa" ou frases semelhantes, num aparente esforço para diminuir a sua importância.

Polícia detém Alexei Navalny após uma manifestação na Praça Pushkin, em Moscovo, em 2012
Polícia detém Alexei Navalny após uma manifestação na Praça Pushkin, em Moscovo, em 2012Maria Turchenkova/AP

Mas ele não estava livre de polémicas.

Mesmo nos círculos da oposição, Navalny era muitas vezes visto como excessivamente nacionalista no seu apoio aos direitos dos russos étnicos.

PUBLICIDADE

Embora condenasse repetidamente a anexação ilegal da Crimeia pela Rússia em 2014 como um ato de agressão e uma violação do direito internacional, Navalny também evitou comprometer-se com o seu regresso incondicional à Ucrânia, preferindo, em vez disso, deixar a questão para outro referendo e a perspetiva de um acordo negociado.

Ainda assim, Navalny conseguiu ultrapassar as consequências destas declarações graças ao poder das investigações conduzidas pelo seu Fundo Anti-Corrupção.

Apesar de os canais de televisão russos controlados pelo Estado terem ignorado Navalny, as suas investigações tiveram eco junto dos jovens russos através de vídeos no YouTube e de publicações no seu site e nas suas contas nas redes sociais.

O seu trabalho alargou-se, passando de um foco na corrupção para uma crítica geral ao sistema político de Putin, que lidera a Rússia há mais de duas décadas.

Navalny foi uma figura central e galvanizadora nos protestos de uma escala sem precedentes contra os resultados duvidosos das eleições nacionais e a exclusão de candidatos independentes.

PUBLICIDADE

Envenenado na Sibéria

Enquanto cumpria uma pena de prisão em 2019 pelo seu envolvimento nos protestos eleitorais, Navalny foi levado para o hospital com o que as autoridades disseram ser uma reação alérgica.

Alguns médicos disseram que parecia tratar-se de envenenamento.

Um ano mais tarde, em 20 de agosto de 2020, adoeceu gravemente num voo para Moscovo proveniente da cidade siberiana de Tomsk, onde organizava os candidatos da oposição.

Desmaiou no corredor quando regressava da casa de banho e o avião fez uma aterragem de emergência na cidade de Omsk, onde passou dois dias no hospital, enquanto os apoiantes imploravam aos médicos que lhe permitissem ser levado para a Alemanha para receber tratamento.

Uma vez na Alemanha, os médicos determinaram que ele tinha sido envenenado com uma estirpe de Novichok - semelhante ao agente nervoso que quase matou o ex-espião russo Sergei Skripal e a sua filha em Inglaterra em 2018, e causou a morte de outra mulher.

PUBLICIDADE

Navalny esteve em coma induzido durante cerca de duas semanas, tendo depois lutado para recuperar a fala e os movimentos durante várias semanas.

As autoridades russas subiram a parada, anunciando que Navalny tinha violado os termos de uma sentença suspensa numa das suas condenações por desvio de fundos enquanto estava na Alemanha, e que seria preso se regressasse a casa.

Alexei Navalny rodeado por jornalistas num avião antes de um voo para Moscovo, no aeroporto de Berlim em 2021
Alexei Navalny rodeado por jornalistas num avião antes de um voo para Moscovo, no aeroporto de Berlim em 2021Mstyslav Chernov/AP

Mas ficar no estrangeiro não fazia parte da sua natureza. Navalny e a mulher embarcaram num avião para Moscovo a 17 de janeiro de 2021. Em pouco mais de duas semanas, foi julgado, condenado e sentenciado a dois anos e meio de prisão.

Os acontecimentos deram origem a protestos maciços que chegaram aos cantos mais recônditos da Rússia e levaram à detenção de mais de 10.000 pessoas pela polícia.

Quando Putin enviou tropas para invadir a Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, Navalny condenou veementemente a guerra em publicações nas redes sociais a partir da prisão e durante as suas idas a tribunal.

PUBLICIDADE

Menos de um mês após o início da guerra, Navalny foi condenado a mais nove anos de prisão por desvio de fundos e desrespeito pelo tribunal, num processo que ele e os seus apoiantes consideraram inventado.

Os investigadores lançaram imediatamente uma nova investigação e, em agosto de 2023, Navalny foi condenado por extremismo e sentenciado a 19 anos de prisão.

Depois de dar um passeio na prisão na sexta-feira, sentiu-se mal e perdeu a consciência, de acordo com o Serviço Penitenciário Federal. Uma ambulância chegou para tentar reanimá-lo, mas acabou por morrer, segundo as autoridades russas. A causa da morte foi declarada "sob investigação".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morte de Navalny: mistério sobre o corpo, dúvidas sobre a data e a causa da morte

Navalny diz que "está bem" depois de ter sido localizado numa colónia penal no Ártico

Rússia aborta lançamento do foguetão Angara-A5 a minutos da descolagem