Trump vence primárias na Carolina do Sul. Nikki Haley promete manter-se na corrida

Donald Trump
Donald Trump Direitos de autor Andrew Harnik/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Andrew Harnik/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O republicano venceu com 60 por cento das preferências no Estado de origem da ex-governadora, Nikki Haley, que já disse não desistir da corrida.

PUBLICIDADE

A candidatura de Donald Trump para a nomeação do Partido Republicano nas próximas presidenciais norte-americanas em novembro continua a progredir. No sábado, o magnata venceu as eleições primárias do partido na Carolina do Sul, batendo facilmente a ex-embaixadora da ONU Nikki Haley, com vinte pontos de diferença (40%).

Trump já conquistou todos os votos que contavam para os delegados republicanos, somando-se às vitórias anteriores em Iowa, New Hampshire, Nevada e nas Ilhas Virgens dos EUA. Haley enfrenta forte pressão para abandonar a corrida, contudo garante que não atira a toalha ao chão, apesar de perder no Estado onde é natural e onde foi governadora de 2011 a 2017.

Trump com vitória confortável

"Eu nunca vi o Partido Republicano tão unido como está agora", disse Trump no discurso de vitória após o encerramento das urnas. "Podemos comemorar por cerca de 15 minutos, mas depois é preciso continuar o trabalho" que tem sido feito.

As eleições primárias da Carolina do Sul são um histórico indicador para os republicanos. Em todas as primárias desde 1980, o vencedor republicano na Carolina do Sul tornou-se o candidato presidencial do partido. A única exceção foi Newt Gingrich em 2012. Trump foi dominante em todo o estado, mesmo na liderança no Condado de Lexington, que Haley representou na legislatura estadual.

“Não vou desistir", disse Haley

Haley prometeu permanecer na corrida pelo menos até à eleição primária de 5 de março, conhecida como “Super Tuesday” (Super Terça), mas não conseguiu afetar o impulso de Trump no seu estado natal, apesar de ter organizado um número muito maior de eventos eleitorais e ter argumentado que as acusações contra Trump irão impedi-lo de concorrer contra Biden.

"O que eu vi hoje é a frustração da Carolina do Sul com a direção do nosso país. Eu vi a mesma frustração em todo o país", disse Haley, em declarações após os resultados e uma hora depois da intervenção de Donald Trump.

"Eu não acho que Donald Trump possa vencer Joe Biden, eu disse no início desta semana que não importa o que aconteça na Carolina do Sul, eu vou continuar na corrida. Sou uma mulher de palavra".

Desafio entre Trump e Biden cada vez mais perto

Já se presume que o eleitorado norte-americano terá que escolher entre Trump e Biden nas eleições de novembro. Apesar das 91 acusações criminais que Trump também enfrenta na Carolina do Sul, por tentar anular a derrota eleitoral de 2020, onde se descobriram documentos confidenciais na sua residência na Flórida e as alegações de pagar a Stormy Daniels em troca do seu silêncio, não foi capaz de anular a força política de Donald Trump.

O primeiro julgamento criminal do ex-presidente está previsto para 25 de março na cidade de Nova York. O candidato republicano enfrenta 34 acusações por falsificar registos corporativos relacionados ao dinheiro escondido pago à estrela porno Stormy Daniels nas últimas semanas da campanha presidencial de 2016.

Recorde-se que Biden também venceu as primárias democratas na Carolina do Sul, no início deste mês, e tem apenas um candidato democrata pela frente, Dean Phillips. O deputado de Minnesota continuou a fazer campanha em Michigan antes da primária democrata, apesar de ter poucas hipóteses de vencer o atual presidente dos EUA.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump compara problemas legais à perseguição feita ao opositor russo Alexei Navalny

Juiz condena Trump a pagar 355 milhões de dólares por ter mentido sobre a sua fortuna

Julgamento de Trump por suborno começa a 25 de março em Manhattan