Zelenskyy foi à Arábia Saudita procurar apoio para o plano de paz ucraniano

Zelensky encontrou-se com príncipe da Arábia Saudita para discutir “plano de paz”
Zelensky encontrou-se com príncipe da Arábia Saudita para discutir “plano de paz” Direitos de autor Bandar Aljaloud/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois de visitar a Arábia Saudita, o presidente ucraniano viajou até à Albânia para participar na segunda cimeira Ucrânia-Balcãs, que se realiza esta semana.

PUBLICIDADE

O presidente ucraniano Volodomyr Zelenskyy chegou, na terça-feira, à Arábia Saudita, onde se reunirá com o príncipe Mohammed bin Salman para conversações sobre a troca de prisioneiros de guerra entre a Ucrânia e a Rússia e um eventual plano de paz.

"A liderança do Reino [da Arábia Saudita] já contribuiu para a libertação do nosso povo. Estou confiante de que esta reunião também produzirá resultados”, escreveu Volodomyr Zelenskyy na rede social X.

O príncipe herdeiro saudita tem procurado posicionar-se como um potencial mediador para pôr fim à guerra entre a Ucrânia e a Rússia, apesar de Riade permanecer estreitamente alinhada com a Rússia em matéria de políticas energéticas no seio do grupo de países da OPEP+.

Depois do encontro com Mohammed bin Salman, o líder ucraniano seguiu para a Albânia, para participar na segunda cimeira Ucrânia-Balcãs que se realiza esta semana. Zelenskyy vai reunir-se com vários líderes dos Balcãs em Tirana, esta quarta-feira.

"Irei propor que apoiem os esforços da Ucrânia para conseguir a paz justa e duradoura, bem como a organizar a Cimeira Global pela Paz na Suíça", escreveu o chefe de Estado ucraniano nas redes sociais.

A primeira cimeira da Ucrânia com os países dos Balcãs realizou-se em Atenas, em agosto do ano passado.

Russos avançam em Zaporizhzhia

Na região de Zaporizhzhia, mesmo com falta de munições, o exército ucraniano esforça-se por fazer recuar as forças russas, que todos os dias registam ligeiros avanços, segundo as últimas informações divulgadas nas agências internacionais.

 As forças de Kiev, terão mesmo conseguido criar uma nova linha defensiva para travar os tanques russos na região.

Na terça-feira, a Força Aérea ucraniana revelou ter abatido dez aviões de guerra russos em dez dias: nove caça-bombardeiros Sukhoi Su-34 e Sukhoi SU-35 e ainda um raro Beriev A-50, aeronave soviética de vigilância.

A confirmarem-se, estas perdas significarão um significativo revés para as forças do Kremlin.

Devido ao impasse no Congresso dos Estados Unidos, que ainda não desbloqueou cerca de 60 mil milhões de dólares para Kiev, é expectável que a falta de munições se mantenha na Ucrânia, pelo menos nos próximos meses.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grupo de Visegrado expõe divisões internas sobre a guerra na Ucrânia

Refugiados ucranianos e dissidentes russos protestaram contra invasão da Ucrânia em Berlim

Conflito com Rússia é "inevitável" se tropas do Ocidente forem para a Ucrânia, avisa Kremlin