Dezenas de detidos depois de agricultores franceses bloquearem a circulação nos Campos Elísios

Agricultores franceses bloquearam circulação nos campos Elísios, em Paris.
Agricultores franceses bloquearam circulação nos campos Elísios, em Paris. Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Agricultores franceses questionam acordo da União Europeia com o Mercosul e pedem mudanças a nível nacional. Agricultores polacos bloquearam fronteira com a Lituânia. Antigo vice-ministro da agricultura da Polónia diz que os preços baixos dos cereais se devem às "exportações recorde da Rússia"

PUBLICIDADE

Os agricultores franceses continuam os protestos que já duram há semanas e esta sexta-feira dezenas acabaram por ser detidos em Paris, por terem usado tratores para bloquear momentaneamente o trânsito nos Campos Elísios, perto do Arco do Triunfo, colocando ainda fardos de palha na estrada. 

Para o sindicato, foi um ato "simbólico" e "pacífico", mas levou à detenção de 66 pessoas. Os tratores acabaram por ser escoltados para fora da cidade por motas da Polícia Nacional. 

Os agricultores franceses questionam as políticas europeias para o setor, designadamente o acordo com o Mercosul, mas também não estão satisfeitos com os apoios nacionais ao sector.

Polacos bloqueiam fronteira com a Lituânia

Na Polónia, os agricultores mantêm bem vivo o espírito reivindicativo e bloquearam a estrada para a Lituânia, a única via de acesso dos estados bálticos à Polónia e aos países do sul. 

Opõem-se à importação de cereais ucranianos e à alegada reexportação da Polónia para a Lituânia, regressando os cereais à Polónia como importações da UE, sem qualquer teste ou controlo.

Mas Jerzy Plewa, antigo vice-ministro polaco da Agricultura e atual diretor-geral da Comissão Europeia, atribui a culpa dos preços baixos dos cereais às exportações recorde da Rússia, que estão a ser feitas a preços baixos, em especial para os mercados africanos, mas também para a Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agricultores criticam "medidas neoliberais", em protesto junto das instituições da UE

Agricultores entram em confronto com a polícia em Bruxelas

Cólera dos agricultores em Espanha e França está para durar