Polónia assiste ao protesto mais violento de sempre dos agricultores

Agricultores polacos, caçadores e seus apoiantes protestam em Varsóvia, na Polónia.
Agricultores polacos, caçadores e seus apoiantes protestam em Varsóvia, na Polónia. Direitos de autor AP Photo
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Em vários países da UE, os agricultores protestam furiosos contra as políticas do bloco e o efeito das importações de cereais ucranianos.

PUBLICIDADE

Esta quarta-feira, a Polónia assistiu ao mais violento protesto de agricultores e simpatizantes, com alguns participantes a atirarem pedras à polícia e a tentarem passar as barreiras à volta do parlamento, ferindo vários agentes, segundo a polícia.

A polícia usou gás lacrimogéneo e disse ter detido mais de uma dúzia de pessoas e impedido os manifestantes de entrarem no Sejm, o parlamento polaco.

Os agricultores estão zangados com as políticas climáticas da UE e com as importações de alimentos da Ucrânia. Nas últimas semanas, ocorreram muitos protestos semelhantes em todo o bloco, mas este foi decididamente mais violento do que as anteriores manifestações no país da Europa Central.

A polícia referiu na plataforma social X que os seus agentes "não são parte na disputa em curso" e avisou que os comportamentos que ameaçam a sua segurança "não podem ser tomados de ânimo leve e exigem uma resposta firme e decisiva".

O vice-ministro da Agricultura, Michał Kołodziejczak, disse não acreditar que "agricultores reais e normais tenham causado um motim em frente ao parlamento hoje" e que era necessário isolar "provocadores e desordeiros".

A presidente do Parlamento Europeu não disse quem estaria por detrás dos atos de violência.

Manifestantes entram em confronto com a polícia em Varsóvia.
Manifestantes entram em confronto com a polícia em Varsóvia.Michal Dyjuk/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Agricultores em tratores bloquearam as estradas que dão acesso a Varsóvia, enquanto milhares dos seus apoiantes se reuniram em frente ao gabinete do primeiro-ministro antes de marcharem para o parlamento. Alguns pisaram uma bandeira da UE e queimaram um caixão falso com a palavra "agricultor".

Entre a multidão encontravam-se mineiros, silvicultores, caçadores e outros apoiantes. Tocaram buzinas e lançaram foguetes e bombas de fumo, apesar dos avisos da polícia de que o uso de pirotecnia era proibido. Alguns manifestantes queimaram pneus.

Sem recuar

Os manifestantes exigem a retirada do Pacto Ecológico Europeu, um plano destinado a combater as alterações climáticas e a proteger a biodiversidade, que inclui a exigência de que os agricultores reduzam o uso excessivo de produtos químicos poluentes para aumentar as suas colheitas.

Os protestos levaram os políticos a diluir algumas disposições.

Os manifestantes querem também o encerramento da fronteira polaco-ucraniana para impedir a importação de produtos alimentares ucranianos, que, segundo os agricultores, fazem baixar os preços de mercado e põem em risco o setor agrícola polaco.

O protesto aumentou a pressão sobre o ainda novo governo do primeiro-ministro Donald Tusk, antigo presidente do Conselho Europeu, que é fortemente pró-UE e procura apoiar a Ucrânia na sua luta contra a invasão russa.

Manifestantes em Varsóvia.
Manifestantes em Varsóvia.Michal Dyjuk/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Tusk procurou satisfazer as exigências dos agricultores, considerando justificadas as suas frustrações. Disse que tenciona propor alterações ao Acordo Verde.

Os slogans anti-ucranianos têm estado presentes nos protestos na Polónia, onde as autoridades afirmaram estar preocupadas com o facto de a Rússia estar a tentar aproveitar-se de preocupações legítimas para criar divisões entre Varsóvia e Kiev.

A agricultura, a silvicultura e a pesca representam menos de 3% do PIB da Polónia, segundo o Banco Mundial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia: Enviado comercial pede soluções racionais para crise com agricultores da UE

Dezenas de detidos depois de agricultores franceses bloquearem a circulação nos Campos Elísios

Milhares de polacos marcharam contra o aborto em Varsóvia