EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Urnas já abriram na Turquia para as autárquicas, partido de Erdogan quer recuperar Istambul

Eleições na Turquia
Eleições na Turquia Direitos de autor Khalil Hamra/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Khalil Hamra/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Uma dirigente do Partido da Refundação Comunista italiano foi expulsa da Turquia. Anna Camposampiero estava no país para assistir às eleições autárquicas como observadora, mas Ancara acusou-a de posições pró-curdas. AKP de Erdogan quer recuperar liderança de Istambul, que perdeu em 2019.

PUBLICIDADE

As urnas abriram este domingo na Turquia às 7:00, menos três horas em Lisboa, para os eleitores escolherem os próximos líderes das autarquias turcas.

A escolha do autarca de Istambul, que tem 16 milhões de habitantes, será um teste à liderança pouco disputada do presidente Recep Tayyip Erdogan: o atual presidente da câmara, o social-democrata Ekrem Imamoglu, deverá ser reeleito depois de ter vencido em 2019, quebrando a sucessão de governos islâmicos, apesar da oposição do presidente que tem pedido aos apoiantes para não deixarem eleger um social-democrata. O AKP, o partido conservador de Erdogan, costuma ganhar por uma larga margem na Turquia - o presidente foi eleito há menos de um ano para o terceiro mandato consecutivo.

Mais de 60 milhões de eleitores são chamados a eleger autarcas e vereadores de todas as cidades, províncias e distritos do país. A corrida mais importante é disputada, então, nas duas principais cidades da Turquia, Istambul e Ancara. As duas cidades passaram em 2019 para o principal partido da oposição, o CHP, após 25 anos de governo do AKP, e Erdoğan pretende reconquistá-las.

Segundo a AFP, já este domingo, confrontos entre dois grupos na cidade de Agaclidere, de maioria curda, fizeram pelo menos um morto e 12 feridos.

Anna Camposampiero, observadora de Rifondazione Comunista, expulsa da Turquia

Milhares de observadores eleitorais voluntários receberam formação local sobre as regras eleitorais turcas de modo a controlar a fraude e garantir a imparcialidade da votação.

Mas, ao contrário do previsto, Anna Camposampiero, membro da secretaria nacional do Partido da Refundação Comunista (PRC) e membro da Esquerda Europeia, não vai estar na equipa de observadores.

De acordo com o seu partido, Camposampiero foi expulsa da Turquia e embarcou num voo que chegou pela manhã ao aeroporto de Bérgamo.

Bentornata Anna! È appena atterrata all'aereoporto di Bergamo la nostra compagna Anna Camposampiero a cui la polizia...

Posted by Maurizio Acerbo on Saturday, March 30, 2024

"Soubemos que o regime de Erdogan proibiu a nossa camarada de entrar na Turquia. Ainda não foi possível verificar as razões da medida, mas tem certamente a ver com o seu compromisso de apoiar os direitos do povo curdo e da oposição de esquerda na Turquia", escreve Maurizio Acerbo, secretário nacional do PRC.

"Recordamos que Anna devia desempenhar o papel de observadora nas eleições locais nas regiões de maioria curda na região de Dyarbakir. A sua expulsão é um bom exemplo do clima de repressão em que se realizarão as eleições locais na Turquia", conclui Acerbo.

Anna Camposampiero é candidata às eleições europeias de junho, integrando a lista “Paz, Tierra, Dignidade”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chuvas fortes causam pelo menos uma morte na Turquia

Líderes dos rivais regionais Grécia e Turquia reúnem-se para estreitar relações

Vitória da oposição é sinal de "ingratidão", dizem apoiantes de Erdoğan na Turquia