EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Europol identificou as 821 redes criminosas mais perigosas da Europa

Diretora-Executiva da Europol
Diretora-Executiva da Europol Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Relatório da Europol divulgado esta sexta-feira revela que os grupos criminosos mais perigosos da Europa têm mais de 25 mil membros de múltiplas nacionalidades e que operam em vários países em simultâneo.

PUBLICIDADE

A Europol - Agência da União Europeia para a Cooperação Policial identificou as 821 redes criminosas "mais perigosas" da Europa, através da análise de operações de tráfico de droga, imobiliárias ou até de logística.

Num relatório divulgado esta sexta-feira, a Europol realça que a maioria dos grupos sinalizados se dedica ao tráfico de estupefacientes e que as organizações criminosas operam normalmente em países como Bélgica, Alemanha, Itália, Espanha ou Países Baixos.

Pela primeira vez, a Europol decidiu "analisar em profundidade" as operações dos grupos criminosos e as suas estratégias para se infiltrarem em negócios legais e branquearem lucros.

Cerca de 86% destes grupos criminosos utilizam “estruturas empresariais legais”, recorrendo a advogados ou peritos financeiros "que por vezes desconhecem a origem criminosa dos bens".

"É um facto que a segurança interna da União Europeia é ameaçada por redes criminosas que estão a prejudicar as nossas sociedades. Estas 821 redes criminosas mais perigosas e os seus 25 mil membros cometem crimes por lucro e têm capacidade para operarem em vários países em simultâneo. Atuam em várias áreas do crime, desde o tráfico de droga à fraude, ao crime contra a propriedade, ao contrabando de migrantes ou ao tráfico de seres humanos. Metade delas está envolvida no tráfico de droga", destacou Catherine De Bolle, diretora-executiva da Europol.

Entre os 25 mil suspeitos que fazem partes destas organizações criminosas agora identificadas, há pessoas de 112 nacionalidades diferentes e, em 6% dos casos, os líderes dos grupos estão em países fora da União Europeia, nomeadamente em Marrocos, Turquia, América do Sul ou Emirados Árabes Unidos. 

O Dubai, considera a Europol, tornou-se um "centro de coordenação à distância" e os grupos que recorrem ao porto de Antuérpia, na Bélgica - centro de tráfico de droga na Europa - são controlados sobretudo por países terceiros, detalhou ainda o ministro belga da Justiça, Paul Van Tigchelt, que esteve presente na apresentação deste relatório.

Mais de 70% das redes criminosas recorrem à corrupção para facilitarem a atividade criminal e colocarem obstáculos às forças policiais ou processos judiciais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

288 detidos e milhões de euros aprendidos em operação da Europol contra tráfico de droga na dark web

Europol anuncia desmantelamento de poderoso cartel de drogas

Europol quer prender "os mais procurados da Europa"