EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Como a ucraniana Valeriia, de 17 anos, escapou a um campo de reeducação russo

Valeriia, que escapou a um campo de reeducação russo.
Valeriia, que escapou a um campo de reeducação russo. Direitos de autor Photo provided by Joakim Medin.
Direitos de autor Photo provided by Joakim Medin.
De  Johanna UrbancikDaria Artemova (Interpreter)
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A ucraniana Valeriia, de 17 anos, foi raptada para um campo de reeducação russo na Crimeia. Conta à Euronews como conseguiu regressar sozinha à Ucrânia.

PUBLICIDADE

Antes da invasão, Valeriia, de 17 anos, levava uma vida normal como aluna do 10º ano, preparando-se para os exames e participando em atividades como a dança e a ginástica aérea. Viveu com um membro da família desde os 13 anos, após a morte dos seus pais.

Tudo mudou com a invasão da Rússia

Valeriia tinha um futuro brilhante pela sua frente - era suposto tudo correr como ela queria. Quando ouviu falar da invasão em grande escala nas notícias, sentiu-se surrealista. Tudo mudou rapidamente e ela teve dificuldade em compreender a situação.

As tropas russas não tardaram a chegar e ocuparam a cidade de Nova Kakhovka, no sul da Ucrânia, que era também a sua cidade natal. Durante um período particularmente intenso de bombardeamentos, foi forçada a viver sem comida depois de os abastecimentos ucranianos terem acabado, mas a situação estabilizou depois de começarem a chegar camiões de abastecimento da Crimeia ocupada. Nessa altura, a polícia militar russa apareceu gradualmente na cidade, situada no Oblast de Kherson. Foi um período calmo - as explosões deixaram de abalar o ar.

Em outubro de 2022, as tropas russas anunciaram uma "evacuação" de crianças de Nova Kakhovka para a Crimeia ocupada. Valeriia, juntamente com outras crianças, teve de se reunir na praça principal, rodeada por militares armados. Os autocarros levaram-nas para a fronteira da Crimeia. À chegada, confiscaram os passaportes e os documentos das crianças.

"A Rússia vai dar-vos tudo"

Depois de Valeriia ter chegado a um campo da Crimeia chamado "Luchystiy", os pediatras examinaram as crianças para detetar piolhos e COVID-19. Valeriia lembra-se do campo, que se assemelhava a um lar de idosos, mas que não dispunha de equipamentos para as crianças. Além disso, as instalações estavam rodeadas de polícias armados, que vigiavam constantemente as crianças. A rotina diária era muito regrada e incluía cantar o hino nacional russo - o que ela recusava. As autoridades promoviam as universidades e os estilos de vida russos, prometendo-lhes que "a Rússia dar-vos-á tudo".

Para Valeriia, o ambiente de coação suscitava preocupações quanto à sua liberdade e ao seu futuro, mas o horário diário era imprevisível, o que dificultava o planeamento. "Os campos eram campos de reeducação", acrescentou. Na sua opinião, serviam o objetivo de garantir que a maioria das crianças acabasse por ir para a Rússia. Por isso, as aulas só podiam ser descritas como propaganda, recorda, acrescentando que aprender ucraniano na escola não era uma opção.

Campo de reeducação na Crimeia ocupada.
Campo de reeducação na Crimeia ocupada.Euronews

O programa nestes campos chama-se "University Shift" e funciona com o apoio do Ministério da Educação da Rússia e do Ministério da Educação e Ciência. O seu objetivo é (re)educar as crianças entre os 12 e os 17 anos dos territórios ucranianos temporariamente ocupados na cultura e na história russas.

"A deportação forçada de crianças ucranianas faz parte de uma política genocida"

De acordo com Oleksandra Matviichuk, Prémio Nobel da Paz, advogada de direitos humanos e líder do Centro para as Liberdades Civis, estes campos e o seu objetivo de russificar as crianças ucranianas não são apenas um crime de guerra, mas fazem parte de um quadro mais vasto. "Putin disse abertamente que os ucranianos não existem, que somos iguais aos russos. Desde 2014 que vemos estas palavras serem postas em prática de forma horrível no terreno".

Tal como Valeriia, também mencionou a proibição deliberada da língua e da história ucranianas. "Há dez anos que documentamos a forma como os russos exterminam deliberadamente os habitantes locais, como presidentes de câmara, jornalistas, actores da sociedade civil, padres e artistas, por exemplo".

A este respeito, a deportação forçada de crianças ucranianas faz parte de uma política de genocídio, porque algumas delas são colocadas em campos de reeducação onde lhes é dito que são russas e que a Rússia é a sua pátria, explica. "Mais tarde, algumas delas são adoptadas à força por famílias russas para serem educadas como russas", continuou Matviichuk.

Nobel da Paz: Oleksandra Matviichuk.
Nobel da Paz: Oleksandra Matviichuk.Christian Gustavsson for Right Livelihood

Como advogada, Matviichuk sabe como é difícil provar este crime, especialmente de acordo com as normas actuais. "Mesmo que não se seja advogado, é fácil compreender que, se se quiser destruir parcialmente ou destruir um grupo nacional, existem várias estratégias, tais como matá-lo ou alterar a sua identidade à força", acrescentou.

O sequestro forçado de crianças ucranianas faz parte dessa política genocida mais ampla do Estado russo contra a Ucrânia.
Oleksandra Matviichuk
Vencedora do Nobel da Paz

"O rapto forçado de crianças ucranianas faz parte de uma política genocida mais vasta do Estado russo contra a Ucrânia". O artigo II da Convenção sobre o Genocídio define genocídio como o ato deliberado de destruir, total ou parcialmente, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso. Exclui, no entanto, os grupos políticos e o chamado "genocídio cultural".

Valeriia decide seguir o seu sonho de estudar medicina

No campo, a comida de má qualidade provocava frequentemente problemas de estômago, com acesso limitado a cuidados médicos. As crianças muito pequenas sofriam muito devido aos cuidados inadequados e às condições adversas, recorda Valeriia. Sem a presença dos pais ou tutores, vagueavam sem supervisão, suportando o frio sem roupa adequada. Muitos adoeciam com bronquite. Eram comuns os surtos de doenças como a varicela e os piolhos.

Embora as crianças fossem autorizadas a usar os seus telemóveis, quase nunca havia rede. Valeriia conseguiu contactar um membro da sua família, pedindo que a viessem buscar.

Os ucranianos que vivem nos territórios ocupados são considerados "novos russos" pelas autoridades russas

De acordo com o Centro de Educação Civil da Crimeia, Alemenda, este tipo de campos restringe o regresso das crianças, invocando a posição política dos pais. Foram registados casos de deslocalização forçada e de pressão psicológica, em que os membros da família enfrentam obstáculos ao reencontro com os filhos, especialmente quando estes são pró-Ucrânia. Quando estas crianças manifestam o desejo de que os pais as visitem, os familiares são encorajados a deslocarem-se para territórios controlados pela Rússia. Os ucranianos que vivem em territórios temporariamente ocupados são vistos como "novos russos" pelas autoridades.

O seu familiar pôde assim ir buscá-la, uma vez que vivia em território ocupado. Depois de ter permanecido no campo durante dois meses, foi para Henichesk, no sul da Ucrânia.

Valeriia viaja sozinha para a Ucrânia

Depois de ter vivido esta situação médica terrível no campo, Valeriia decidiu perseguir o seu sonho de infância de se tornar médica. Como órfã de um território ocupado, Valeriia aproveitou a sua situação para ser admitida na universidade e tinha passaportes russo e ucraniano. Enquanto permaneceu em Henichesk, ocupada temporariamente, escolheu uma universidade em Odesa e candidatou-se em linha, pois não queria ficar em territórios controlados e ocupados pela Rússia.

Os tanques do exército russo descem uma rua nos arredores de Mariupol, na Ucrânia, em 11 de março de 2022.
Os tanques do exército russo descem uma rua nos arredores de Mariupol, na Ucrânia, em 11 de março de 2022.Evgeniy Maloletka/Copyright 2022 The AP. All rights reserved

A partir de Henichesk ocupada, Valeriia iniciou a sua viagem sozinha num autocarro. Passou por várias cidades ucranianas ocupadas, como as destruídas Melitopol e Mariupol, atravessando depois para Rostov, na Rússia.

PUBLICIDADE

Com um passaporte russo, a travessia da fronteira foi fácil. Nos territórios ocupados temporariamente, a posse de um passaporte russo é essencial para comprovar a propriedade de bens e manter o acesso a cuidados de saúde e benefícios de reforma. A não obtenção do novo passaporte forçado até 1 de julho, tal como previsto por uma nova lei russa nos territórios ocupados, pode levar à detenção como "cidadão estrangeiro", arriscando a perda de custódia, prisão ou pior.

O último posto fronteiriço

Continuando por Belgorod e pela região de Sumy, a viagem, facilitada por eficientes postos fronteiriços, demorou um dia a ser concluída. Na última fronteira, em Sumy, que ainda está aberta aos peões, mas que implica uma filtragem rigorosa por parte dos guardas russos, Valeriia manteve o seu passaporte ucraniano escondido e utilizou o passaporte russo para passar a fronteira. Os controlos foram organizados em grupos a partir de um autocarro, sendo os passaportes recolhidos e Valeriia interrogada sobre o facto de ter viajado sozinha, ser menor de idade e não ter um tutor.

A rota de Valéria desde os territórios ucranianos ocupados até à Ucrânia.
A rota de Valéria desde os territórios ucranianos ocupados até à Ucrânia.Euronews

Consciente dos riscos potenciais, Valeriia explicou estrategicamente a sua viagem, sublinhando que estava a passar pela Ucrânia sem qualquer intenção de ficar. Valeriia informou os guardas que a sua única intenção era atravessar a Ucrânia para ir buscar a tia à Europa e trazê-la de volta à Rússia. Lembrou-se da importância de dizer aos funcionários o que eles precisavam de ouvir. Na fronteira, no meio da sua apreensão, os guardas examinaram os seus documentos e o seu telemóvel, nomeadamente as fotografias, as mensagens do Telegram e os e-mails.

Apesar da compostura anterior de Valeriia, a situação no posto fronteiriço foi muito difícil. Como tinha escondido o passaporte ucraniano, não foi obrigada a submeter-se a um teste de detetor de mentiras e, como era menor de idade, não podia assinar legalmente nenhum documento. Enquanto os soldados com metralhadoras deliberavam entre si, um guarda propôs deixá-la passar. A partir do posto de controlo russo, teve de atravessar campos para chegar a território ucraniano - e quando o fez e ouviu ucraniano, ficou emocionada.

Soldados da guarda de fronteira do Estado da Ucrânia discutem as tarefas do dia numa posição militar na região de Sumy, na Ucrânia, sexta-feira, 24 de novembro de 2023. .
Soldados da guarda de fronteira do Estado da Ucrânia discutem as tarefas do dia numa posição militar na região de Sumy, na Ucrânia, sexta-feira, 24 de novembro de 2023. .Hanna Arhirova/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Mudança de planos?

O seu plano inicial era ir para Odesa para estudar medicina, mas as coisas não correram como planeado. Quando chegou a Sumy, foi-lhe dada a opção de se mudar para Kiev, devido aos constantes bombardeamentos em Odesa na altura. Permaneceu em Sumy cerca de meia semana, durante a qual foi submetida a exames e testes médicos exaustivos para garantir o seu bem-estar, uma vez que tinha sobrevivido ao campo de reeducação e à ocupação.

PUBLICIDADE

"Durante toda a minha estadia, fui acompanhada de perto pela polícia de menores e por representantes de Kiev. Depois disso, acompanhada pela polícia de menores, viajei para Kiev, onde visitei imediatamente o gabinete do Provedor de Justiça", contou-me.

Atualmente, vive em Kiev, inicialmente num albergue, antes de se inscrever na Faculdade de Medicina de Kiev. Para manter um sentido de normalidade, participa em várias actividades e frequenta sessões de terapia. "Gosto de aprender sobre medicina e de explorar a cidade de Kiev. Estou grata por falar ucraniano e pelo apoio da minha tutora, Olha, que se tornou como um pai para mim".

Olha e Valeriia
Olha e ValeriiaPhoto provided by Olha

Olha conheceu-a através de encontros com um psicoterapeuta e estabeleceu uma forte ligação.

"Na sua presença, posso abraçar a minha juventude e esquecer momentaneamente as responsabilidades da idade adulta. Agradeço o apoio psicológico que tenho recebido", acrescentou Valeriia. Ela está a receber consultas de terapia gratuitas fornecidas pela Voices of Children, o que a está a ajudar a lidar com as coisas por que passou.

Que efeitos psicológicos sofrem as crianças depois de viverem numa ocupação?

Quando regressam à Ucrânia, o estado mental das crianças é profundamente influenciado pelas suas experiências durante a ocupação, afirma Yulya Tukalenko, psicóloga da fundação de beneficência Voices of Children.

PUBLICIDADE

"Factores como a duração da estadia, as condições de vida, a idade e as dificuldades por que passaram desempenham um papel importante", acrescentou. A privação, sobretudo em termos de interação social limitada e de restrição de movimentos, é um desafio comum enfrentado pelas crianças. A exposição prolongada a condições perigosas, em que falar ucraniano ou mostrar apoio pode resultar em danos, fomenta a desconfiança nos outros.

Chegada de um autocarro com crianças repatriadas à Ucrânia
Chegada de um autocarro com crianças repatriadas à UcrâniaPhoto provided by Save Ukraine

Segundo Tukalenko, as consequências de tais experiências manifestam-se frequentemente através de vários sintomas nos domínios comportamental, emocional e físico. Estes incluem explosões emocionais, tristeza, automutilação, perturbações do sono e problemas digestivos. Se não forem tratados, estes sintomas podem evoluir para doenças mais graves, como a depressão, perturbações de ansiedade e perturbações do funcionamento social. Por conseguinte, uma intervenção atempada por parte de profissionais qualificados é crucial para tratar e atenuar os efeitos a longo prazo da ocupação na saúde mental das crianças.

Das quase 20 000 crianças raptadas e deslocadas, apenas 400 foram devolvidas

Desde a invasão total da Ucrânia pela Rússia em 2022, tanto organizações ucranianas como internacionais têm documentado graves violações dos direitos humanos de crianças. Os relatórios descrevem crianças deportadas ou deslocadas à força pelas forças russas, sujeitas a reeducação e a adoção forçada.

A iniciativa "Children of War" refere que mais de 19 500 crianças foram deportadas ou deslocadas, tendo sido devolvidas menos de 400. Em resposta, o Tribunal Penal Internacional emitiu mandados de captura contra o Presidente Vladimir Putin e a Comissária para os Direitos da Criança do Presidente da Federação Russa, Maria Lvova-Belova, por deportação de crianças.

PUBLICIDADE

"Depois de 2014 e da invasão em grande escala em 24 de fevereiro de 2022, perdemos entre 15 a 20% da nossa população infantil", afirmou Mykola Kuleba da Save Ukraine, uma organização de caridade que ajuda famílias e crianças afectadas pela guerra. Estas crianças incluem as que perderam os pais devido aos bombardeamentos russos, bem como as que residem em instituições ou em famílias de acolhimento, como é o caso de Valeriia, que é órfã. A Rússia alega que estas crianças não têm cuidados parentais.

Uma investigação da AP revela que os funcionários russos deportaram crianças ucranianas sem consentimento, convencendo-as de que os pais já não as querem, explorando-as para fins de propaganda e colocando-as em famílias russas que lhes concedem a cidadania.

Mykola Kuleba, fundador da Save Ukraine, com crianças que foram devolvidas à Ucrânia.
Mykola Kuleba, fundador da Save Ukraine, com crianças que foram devolvidas à Ucrânia.Photo provided by Save Ukraine

Este processo é simplificado se as crianças já tiverem o russo como língua materna. "Para resolver a questão da aquisição da cidadania russa por crianças ucranianas, foi concedido o direito de apresentar um pedido em nome da criança aos tutores e aos directores das instituições para crianças, incluindo as educativas e médicas. A opinião da criança não é, obviamente, tida em conta. Por conseguinte, basta inscrever uma criança ucraniana numa instituição de ensino ou colocá-la em tratamento, e o diretor ou o médico-chefe têm o direito de requerer a aquisição da cidadania russa para a criança ao abrigo de um procedimento simplificado", explicou Kuleba.

"Estar numa cidade ucraniana é uma recompensa, e eu aprecio-a profundamente"

Viver em Kiev significa continuar a viver sob frequentes alertas de ataques aéreos. Não havia alarmes de ataques aéreos, pois os bombardeamentos eram constantes quando vivia sob ocupação. "Ninguém se preocupava em ligar o sinal de alerta de ataques aéreos para os ucranianos sob ocupação. No entanto, ainda há momentos de incerteza em Kiev. Apesar dos riscos, temos de continuar a viver a nossa vida nesses momentos", disse Valeriia.

Olha e Valeriia
Olha e ValeriiaPhoto provided by Olha

Para a jovem de 17 anos, muita coisa mudou nos últimos dois anos. Acrescentou que não tem contacto com nenhum dos jovens do seu campo que escolheram a Rússia, nem mesmo com as suas antigas namoradas e colegas de turma. Para ela, "estar numa cidade ucraniana é uma recompensa e estou muito agradecida".

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aos 79 anos, Olga despede-se da sua casa destruída por um ataque aéreo russo

"A guerra na Ucrânia é como a I Guerra Mundial, mas com drones", diz combatente estrangeiro

Civis eslovacos já doaram mais de 4 milhões de euros à Ucrânia para aquisição de munições