EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rússia: a quinta tomada de posse de Vladimir Putin no Kremlin

Vladimir Putin antes da cerimónia de tomada de posse no Kremlin, em 7 de maio de 2024
Vladimir Putin antes da cerimónia de tomada de posse no Kremlin, em 7 de maio de 2024 Direitos de autor Sergei Bobylev/Sputnik
Direitos de autor Sergei Bobylev/Sputnik
De  Maria Michela Dalessandro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em italiano

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, declarou a presença de mais de 2.000 pessoas na cerimónia de tomada de posse de Vladimir Putin. A ausência de líderes ocidentais foi notória: para além do embaixador francês, estiveram presentes representantes da Hungria, Eslováquia, Grécia, Malta e Chipre.

PUBLICIDADE

Já consegue fazer o famoso percurso pelos corredores do Kremlin que conduzem à Sala de Santo André, a antiga Sala do Trono do Palácio Presidencial em Moscovo, de olhos fechados. 

A chuva misturada com neve de maio substituiu o sol de há seis anos, quando o presidente em funções desde 2000 se preparava para prestar juramento perante a Constituição para mais um mandato. Após o verão despreocupado do Campeonato do Mundo de 2018, quando a Rússia abriu as portas do país aos adeptos de todo o mundo, a invasão russa da Ucrânia em 2022 marcou um ponto de não retorno para a Rússia de Putin. 

Nos últimos anos, o Presidente russo tem estado - orgulhosamente - entre os arquitetos da mudança dos equilíbrios geopolíticos; entre a repressão e a violação dos direitos.

A Rússia não rejeita o diálogo com os países ocidentais, a escolha é deles
Vladimir Putin
Presidente da Rússia

Países ocidentais presentes na cerimónia de tomada de posse de Putin

Antes da cerimónia, Moscovo afirmou ter convidado todos os embaixadores estrangeiros. No entanto, os EUA, o Canadá e o Reino Unido, bem como 20 Estados-Membros da UE, responderam que não enviariam quaisquer representantes. Na manhã de terça-feira, o porta-voz da política externa da UE, Peter Stano, confirmou que não haveria embaixador da UE.

Os principais ausentes foram os líderes ocidentais. De acordo com a Radio Liberty, para além do embaixador francês, os países que decidiram não enviar representantes diplomáticos para a cerimónia de inauguração foram a Hungria, a Eslováquia, a Grécia, Malta e Chipre.

Entre os presentes encontravam-se o Presidente cubano Miguel Diaz-Canel, o líder checheno Ramzan Kadyrov e o ator Steven Seagal.

Aviso de Borrell aos 27 antes da cerimónia de tomada de posse de Putin

"Enviei uma mensagem aos Estados-Membros, a coisa certa a fazer é não comparecer na cerimónia de tomada de posse de Vladimir Putin e compreendo que a maioria não irá". Foi o que disse o representante da UE, Josep Borrell, à chegada ao Conselho de Desenvolvimento dos Negócios Estrangeiros, agendado para hoje em Bruxelas. "No início, houve uma discussão entre os 27 sobre se iriam ou não, a que nível, se embaixador ou encarregado de negócios. Mas a imagem para mim é clara, ir seria uma contradição clara. Mas, no final, será uma decisão de cada um dos Estados-Membros", afirmou Borrell.

Porta-voz do Kremlin: cerca de 2600 convidados na cerimónia de tomada de posse de Putin

"Cerca de 2600 pessoas estão hoje presentes no Kremlin para a cerimónia de tomada de posse do recém-eleito Presidente da Federação Russa, Vladimir Putin", disse Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, à televisão estatal russa.

A lista de convidados para o evento é estabelecida pelo serviço protocolar do Presidente da Federação Russa. A cerimónia conta com a presença de membros do governo, membros das duas câmaras da Assembleia Federal, chefes da administração presidencial, juízes do Tribunal Constitucional, membros da Comissão Central de Eleições e representantes do corpo diplomático.

O Presidente russo Vladimir Putin durante a cerimónia de inauguração em 7 de maio de 2018
O Presidente russo Vladimir Putin durante a cerimónia de inauguração em 7 de maio de 2018Alexander Zemlianichenko/AP

A cerimónia

Como é habitual, a cerimónia decorreu simultaneamente em três salas do Kremlin, onde se reuniram os convidados. Dependendo do nível de autoridade política e social, alguns acompanham o evento nos ecrãs, outros pessoalmente. Pouco depois das onze horas italianas de terça-feira, 7 de maio, o Presidente russo Vladimir Putin chegou ao Kremlin, sob uma chuva invulgar misturada com neve, para a cerimónia de tomada de posse do seu quinto mandato. Pouco depois, foi oficialmente empossado como Presidente da Federação Russa. No seu discurso, Putin prestou homenagem aos soldados que participam no conflito na Ucrânia: "Faço uma vénia aos nossos soldados que participam na operação militar especial".

A tomada de posse de Vladimir Putin: como mudou o vocabulário russo

Com a tomada de posse de Putin, o vocabulário russo também mudou: o termo tomada de posse, em russo инаугурация (literalmente "inauguração"), foi introduzido no país por Boris Ieltsin. O termo não existia antes dessa altura por uma razão puramente linguística: na língua russa não existem sequências dentro de uma palavra como "au", "ua", "eu".

A exceção é "inauguratsia", que é difícil de pronunciar para os russos. Em 1996, mesmo os jornalistas, ao relatarem o acontecimento, preferiam falar da tomada de posse de Boris Ieltsin e não da sua "inauguração", para evitar erros. Mais de 20 anos depois, o termo enraizou-se na língua russa e no protocolo do Kremlin.

Prémio Pulitzer para o dissidente preso Vladimir Kara-Murza

Entre os prémios Pulitzer atribuídos na segunda-feira, 6 de maio, destaca-se o que foi atribuído ao Washington Post pelos editoriais do colunistaVladimir Kara-Murza a partir da prisão. Apesar de estar preso desde abril de 2022 na Rússia, Kara-Murza continuou a escrever artigos de opinião sobre o Presidente russo Vladimir Putin, a invasão da Ucrânia, a morte de Alexei Navalny e a repressão no país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE e Ucrânia estudam tribunal especial para Putin e oficiais de guerra

Putin diz que Crimeia regressou a casa no 10.º aniversário da anexação da região

Putin vence com 88% dos votos nas eleições presidenciais russas mais participadas de sempre