EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Escandaloso", "vergonhoso": EUA reagem a mandado de captura de Netanyahu e líderes do Hamas

Tribunal Penal Internacional
Tribunal Penal Internacional Direitos de autor Peter Dejong/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Peter Dejong/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Estados Unidos rejeitam qualquer comparação de Israel ao Hamas, descrito por Washington como "uma organização terrorista brutal". Procurador do TPI acredita que primeiro-ministro israelita e líderes do Hamas são responsáveis por crimes de guerra e crimes contra a Humanidade.

PUBLICIDADE

O procurador principal do Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciou esta segunda-feira que vai pedir a emissão de mandados de captura para o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e para três líderes do Hamas, avança a AP.

Karim Khan, procurador principal do TPI, diz acreditar que Natanyahu, o seu ministro da Defesa Yoav Gallant e três líderes do Hamas - Yehia Sinwar, Mohammed Deif e Ismail Haniyeh - são responsáveis por crimes de guerra e crimes contra a Humanidade na Faixa de Gaza e em Israel.

O procurador deverá agora requerer a emissão dos mandados perante um painel de três juízes, que levam em média dois meses para analisar as provas e determinar se o procedimento pode seguir em frente. 

Israel não é membro do Tribunal Penal Internacional e, mesmo que os mandados cheguem a ser emitidos, Netanyahu e o seu ministro da Defesa não correm riscos imediatos de detenção. Mas o anúncio de Karim Khan aprofunda o isolamento de Israel, que continua a pressionar com a ofensiva na Faixa de Gaza, e tornará mais difícil as viagens ao estrangeiro dos governantes israelitas.

No que diz respeito ao Hamas, acredita-se que tanto Sinwar como Deif estejam em esconderijos na Faixa de Gaza. Mas Haniyeh, líder político do grupo palestiniano, vive no Catar e viaja frequentemente pela região. 

Até ao momento, não houve qualquer comentário oficial da parte de Israel ou do Hamas.

Fome como arma de guerra

Falando sobre as ações israelitas, Khan afirmou em comunicado que "os efeitos da utilização da fome como método de guerra, juntamente com os de outros ataques e punições coletivas contra a população civil de Gaza, são agudos, visíveis e amplamente conhecidos" e que incluem "desnutrição, desidratação, sofrimento profundo e um número crescente de mortes entre a população palestiniana, incluindo bebés, outras crianças e mulheres". 

As Nações Unidas e outras agências de ajuda humanitária têm acusado repetidamente Israel de impedir a entrega de ajuda desde o início da guerra. Israel nega, garantindo que não há restrições à entrada de ajuda em Gaza e acusando as Nações Unidas de não conseguirem distribuir a ajuda.

A ONU denuncia ainda que os trabalhadores humanitários têm sido constantemente alvos de Israel, mesmo que as forças israelitas sejam sempre informadas das movimentações das organizações.

Sobre as ações do Hamas a 7 de outubro, Khan, que visitou a região em dezembro, disse que viu com ospróprios olhos “as cenas devastadoras destes ataques e o profundo impacto dos crimes sem escrúpulos". 

O procurador frisa ainda que, "ao falar com os sobreviventes, soube como o amor no seio de uma família, os laços mais profundos entre um pai e um filho, foram distorcidos para infligir uma dor insondável através de uma crueldade calculada e de uma insensibilidade extrema", destaca Khan. "Estes atos exigem responsabilidade", acrescenta.

Israel, recorde-se, foi acusado de genocídio no Tribunal Internacional de Justiça pela África do sul, tendo negado a acusação. 

Biden: "É escandaloso". Blinken: "É vergonhoso"

Os Estados Unidos reagiram com dureza ao anúncio do procurador do TPI.

"O pedido do procurador do TPI de mandados de captura contra dirigentes israelitas é escandaloso.", sublinhou o presidente norte-americano Joe Biden, em comunicado, acrescentando que não é possível comparar as ações de Israel às do Hamas.

"E deixem-me ser claro: independentemente do que este procurador possa insinuar, não existe qualquer equivalência - nenhuma - entre Israel e o Hamas. Estaremos sempre ao lado de Israel contra as ameaças à sua segurança.".

Também o Departamento de Estado norte-americano deixou fortes críticas ao TPI, classificando o processo como "vergonhoso".

"Rejeitamos a equiparação de Israel ao Hamas por parte do Procurador. É vergonhoso.", afirmou o Secretário de Estado Antony Blinken num comunicado.  

"O Hamas é uma organização terrorista brutal que levou a cabo o pior massacre de judeus desde o Holocausto e continua a manter dezenas de pessoas inocentes como reféns, incluindo americanos".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pedido de mandados de captura para líderes de Israel e do Hamas desencadeia uma reação mundial

O que é o TPI e que papel desempenha no julgamento de crimes de guerra?

Israel: aumenta a tensão entre ministro da defesa e Netanyahu