EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eleições no Reino Unido: custo de vida e falta de habitação na mente dos eleitores

Vista de um bairro residencial no norte de Londres
Vista de um bairro residencial no norte de Londres Direitos de autor Kirsty Wigglesworth/AP
Direitos de autor Kirsty Wigglesworth/AP
De  Mared Gwyn Jones
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Mais de 1,2 milhões de famílias estão em lista de espera para receberam uma habitação social só em Inglaterra.

PUBLICIDADE

Kensington e Bayswater é a zona mais rica do Reino Unido, mas é também uma das mais socialmente divididas.

No sul do círculo eleitoral, mansões de luxo ladeiam ruas que estão entre as mais ricas do mundo. No entanto, mais para norte, estas casas luxuosas cruzam-se com bairros de habitação apinhados de gente.

Esta profunda divisão social traduz-se frequentemente em margens eleitorais muito reduzidas. O assento - redesenhado para incluir Bayswater como parte da revisão dos limites do ano passado - estava entre os mais marginais do país nas eleições gerais de 2019, quando os conservadores ficaram à frente dos trabalhistas por apenas 150 votos.

Os residentes deste círculo eleitoral disseram à Euronews que, independentemente de quem tenha as chaves do número 10 de Downing Street após as eleições gerais de quinta-feira, é preciso fazer mais para resolver a escassez crónica de habitação, o desgaste dos serviços públicos e a sensação de que os trabalhadores e as pessoas da classe média estão, em geral, em pior situação do que estavam.

"Muitas pessoas têm sido privadas de muitas coisas. Nunca houve tantas pessoas sem-abrigo e acho que ninguém está a prestar atenção a isso", disse Peter Adams, um trabalhador da construção civil que vive nesta zona há 40 anos.

"Quando se olha para as licenças de planeamento para habitação - e a burocracia do planeamento - percebe-se que estão a paralisar Londres", explicou Adams, acrescentando que "temos de procurar construir para o futuro".

Também Adam Ross, um vendedor que vive perto de Hyde Park em Kensington, partilha da mesma opinião que Peter Adams: "Precisamos de construir mais casas. Precisamos de melhores transportes. Precisamos de construir coisas e fazer crescer a economia de novo".

Uma empregada de loja de 32 anos, que preferiu não ser identificada, queixou-se à Euronews dos preços exorbitantes das rendas e do elevado custo de vida em Londres. "Está tudo mais caro, tudo. Mesmo para mim que tenho um salário estável, o fim do mês é difícil", disse.

Custo de vida continua a pesar

Kensington não é representativa das diferentes realidades das quatro nações do Reino Unido. Mas em todos os cantos do país, há uma sensação geral de que os governos recentes não fizeram o suficiente para amortecer os impactos da crise nas suas finanças.

No Reino Unido, o PIB caiu 0,1% e 0,3%, respetivamente, nos dois últimos trimestres de 2023. Mas essa recessão foi de curta duração, com a economia a dar agora sinais de estar a recuperar. O PIB aumentou 0,6% no primeiro trimestre deste ano e a inflação abrandou para o objetivo de 2% do Banco de Inglaterra em maio.

No entanto, com a inflação dos produtos alimentares ainda elevada, de 10,1%, muitas pessoas cujos rendimentos se mantiveram inalterados continuam a sentir o aperto. Nos últimos cinco anos, registou-se um aumento de 94% no número de pessoas que recorrem aos bancos alimentares no Reino Unido, de acordo com a instituição de caridade Trussell Trust.

Michelle Dornelly, segunda a contar da direita, e voluntários preparam alimentos antes da abertura do Community Food Hub em Hackney, Londres, quinta-feira, 13 de junho de 2024
Michelle Dornelly, segunda a contar da direita, e voluntários preparam alimentos antes da abertura do Community Food Hub em Hackney, Londres, quinta-feira, 13 de junho de 2024Kin Cheung/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Nas eleições gerais de quinta-feira, prevê-se que os trabalhistas obtenham ganhos surpreendentes após 14 anos nos bancos da oposição. Para Peter Adams, trata-se de uma mudança extremamente necessária.

"Penso que o partido mais capaz de promover a mudança é o Partido Trabalhista. Eles compreendem as necessidades das pessoas", afirmou Adams, acrescentado que "é preciso compreender as necessidades das pessoas, especialmente dos trabalhadores. E eu acho que eles não foram compreendidos, não foram ouvidos o suficiente".

O Partido Trabalhista e o seu líder, Keir Starmer, prometem "criar riqueza" para a classe trabalhadora, bem como um "New Deal" para os trabalhadores, através da proibição dos contratos de zero horas, do fim do despedimento e da recontratação, e de um salário digno que tenha em conta o elevado custo de vida.

O partido afirma que o agregado familiar médio britânico ficará 5.883 libras esterlinas pior no próximo mandato se o conservador Rishi Sunak se mantiver como primeiro-ministro.

PUBLICIDADE

Sunak, no entanto, acusou o seu opositor de estar a preparar um "manifesto ao estilo de Jeremy Corbyn", sem fazer um cálculo dos custos dos seus planos. Starmer avisou repetidamente que os aumentos de impostos seriam inevitáveis, afirmando que os trabalhistas iriam "levar todas as gerações à falência".

Acesso à habitação continua a ser um desafio

Ambos os líderes reconheceram o enorme desafio que o Reino Unido enfrenta em termos de garantir o acesso à habitação.

O Reino Unido está atrasado em relação a outras nações europeias em termos de casas per capita. Em Inglaterra, o número de casas por 1000 habitantes é de 434, abaixo da média da OCDE de 487, e em comparação com 590 em França e 587 em Itália. Só em Inglaterra, mais de 1,2 milhões de pessoas estão em listas de espera para habitação social.

Os conservadores comprometeram-se a construir 1,6 milhões de novas casas no próximo mandato. Os trabalhistas pretendem construir 1,5 milhões de novas casas em cinco anos de governo, ao longo do que Starmer descreveu como a "cintura cinzenta" - áreas verdes que foram negligenciadas ou que ficaram em ruínas. Os trabalhistas também querem restabelecer os objetivos obrigatórios de habitação para as autarquias locais, abandonados por Sunak em 2023, no meio de uma rebelião no seu partido.

PUBLICIDADE

A qualidade da habitação é também um enorme desafio, com cerca de 14% dos agregados familiares [3,5 milhões] a viverem numa casa que não cumpre a norma de casas decentes.

A morte trágica da criança Awaab Ishak, de dois anos de idade, devido a uma doença respiratória causada por uma grande quantidade de bolor na sua casa em Rochdale, em 2020, trouxe à luz do dia os impactos da má qualidade das habitações em todo o país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições britânicas animam mercados

Eleições britânicas fazem as manchetes

Eleições britânicas: Libra nos valores mais baixos de dois meses