Taxa de Inflação anual na zona euro baixa para 2,4%

Inflação baixa para 2,4% na zona euro
Inflação baixa para 2,4% na zona euro Direitos de autor Michael Probst/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Inflação anunciada pelo Eurostat é a mais baixa desde julho de 2021

PUBLICIDADE

O Eurostat anunciou que a taxa de inflação anual terá baixado para 2,4% na zona Euro em novembro, segundo a estimativa rápida. Este é o valor mais baixo desde julho de 2021. Em outubro a inflação no espaço da moeda única estava nos 2,9%.

Este Natal promete ser um pouco menos pesado para as carteiras das famílias. As maiores quedas na subida dos preços verificaram-se nos serviços (-0,6 pontos percentuais) e no conjunto da alimentação, álcool e tabaco (-0,5 pontos percentuais). O aumento na energia deve ter recuado apenas 0,3 pontos em relação a outubro.

O recuo surge um mês depois de o Banco Central Europeu ter interrompido um ciclo de 10 subidas consecutivas nas taxas de juro (confiante de que o bloco está a caminho da desejada inflação de 2%).

Diz Christine Lagard****e, presidente do Banco Central Europeu: "Embora as perspetivas a curto prazo permaneçam sombrias, a economia deverá fortalecer-se novamente nos próximos anos, à medida que a inflação diminui. Os rendimentos reais das famílias estão a recuperar e a procura de exportações da zona euro está a aumentar."

No mês passado, a inflação na zona euro situou-se em 2,9%, sete décimos percentuais abaixo da média de toda a União Europeia, onde os níveis mais elevados de inflação foram registados na Hungria (9,6%), na República Checa (9,5%) e na Roménia (8,3%). Todos acima da Eslováquia, o país da zona euro com a taxa de inflação mais elevada (6,9%) prevista para novembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inflação na zona euro subiu para 2,9%

Inflação na Zona Euro desce para nível mais baixo em dois anos, mas europeus ainda sentem aperto

OCDE revê previsões de crescimento em baixa e teme inflação