EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Quem são as GRANOLAS? Um olhar sobre os "Magnificent Eleven" da Europa

Carrinhos de bebé passam pela loja Louis Vuitton nos Campos Elíseos, em Paris
Carrinhos de bebé passam pela loja Louis Vuitton nos Campos Elíseos, em Paris Direitos de autor Mads Claus Rasmussen/Ritzau Scanpix
Direitos de autor Mads Claus Rasmussen/Ritzau Scanpix
De  Piero Cingari
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Goldman Sachs destaca os líderes de mercado europeus, apelidados de "GRANOLAS", à semelhança dos "Sete Magníficos" de Wall Street. Com uma capitalização bolsista combinada superior a 2,6 biliões de euros, estas empresas continuam a dominar setores.

PUBLICIDADE

A Goldman Sachs chamou a atenção para os campeões do mercado bolsista europeu com uma alcunha peculiar: GRANOLAS.

A etiqueta foi inspirada nos "Sete Magníficos" do mercado americano - os gigantes tecnológicos que lideram Wall Street. Refere-se a um grupo selecionado de pesos pesados europeus, incluindo a GSK, a Roche, a ASML, a Nestlé, a Novartis, a Novo Nordisk, a L'Oréal, a LVMH, a AstraZeneca, a SAP e a Sanofi.

Estas empresas, com uma capitalização bolsista combinada superior a 2,6 biliões de euros, eclipsaram o desempenho do mercado bolsista europeu em geral nos últimos anos.

A ascensão das GRANOLAS

As GRANOLAS representam cerca de um quarto da capitalização bolsista do STOXX 600 e equivalem à capitalização bolsista total de setores de peso como a Energia, os Recursos Básicos, o Financeiro e o Automóvel.

Refletindo sobre a evolução do mercado europeu, a Goldman Sachs observou uma mudança significativa dos líderes tradicionais da indústria, como as telecomunicações e o petróleo, há duas décadas, para um conjunto diversificado de sectores atualmente.

"Há vinte anos, no início de 2000, as dez maiores empresas da Europa, com base na capitalização bolsista, eram todas nomes do setor das telecomunicações e do petróleo, com exceção do HSBC. Se avançarmos até à crise da Covid, não havia bancos, empresas petrolíferas ou de telecomunicações entre as 10 maiores da Europa", escreveu o analista da Goldman Sachs, Peter Oppenheimer, numa nota aos clientes na segunda-feira.

Nos últimos doze meses, as GRANOLAS obtiveram mais de 500 mil milhões de euros de receitas, registando um aumento anual de 8%.

"São uma grande parte da razão pela qual as ações europeias tiveram um bom desempenho, apesar da falta de brilho do PIB nacional", observou o Goldman Sachs.

No último ano, registaram um ganho médio de 15%, ultrapassando os 5% do STOXX 600 e contribuindo para 60% do crescimento global do índice.

Menos "caras" do que os Sete Magníficos

As GRANOLAS estão atualmente a ser negociadas a um rácio preço/lucro (P/L) de 20x. Apesar de estarem a negociar a prémio em comparação com os mercados europeus, este rácio é normal para as empresas em crescimento e representa um desconto de 30% em comparação com os "Magnificent Seven" dos EUA, que negoceiam a um P/E de 30x.

"A GRANOLAS centra-se no valor para os acionistas e paga um dividendo relativamente elevado", escreveu o analista.

Com 2,5%, o rendimento médio dos dividendos da GRANOLAS ultrapassa significativamente o rendimento de 1,5% do S&P 500 e supera os 0,3% dos Sete Magníficos.

As previsões de consenso antecipam um crescimento robusto para estes fabricantes de compostos, com uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) das receitas projetada de 7% até 2025.

Navegar em águas internacionais com cautela

As GRANOLAS têm os seus dedos em alguns dos temas estruturais mais promissores - como o envelhecimento da população, os avanços na IA e na robótica, e ESG (Environmental, Social, and Governance). Brilham com os seus dividendos avultados, as suas sólidas perspetivas de crescimento e o seu vasto alcance internacional.

No entanto, as suas fortunas não estão isentas de riscos.

PUBLICIDADE

Com menos de 20% das receitas provenientes da Europa, o seu destino está ligado à dinâmica do mercado mundial. As flutuações cambiais, em particular um euro mais forte, podem afetar a GRANOLAS mais do que outras ações europeias nacionais e de pequena capitalização.

Uma exposição do mercado de 37% à economia dos EUA introduz riscos tarifários, especialmente se uma presidência republicana de tendência protecionista liderada por Donald Trump ganhar as eleições.

No entanto, com ativos consideráveis baseados nos EUA, a Goldman Sachs considera que as GRANOLAS podem resistir a essas tempestades. A forte exposição ao mercado chinês por parte da LVMH, da L'Oréal e da ASML acrescenta uma camada complexa de risco devido às tensões geopolíticas entre a Europa e a China.

Como estes gigantes europeus comandam uma grande fatia do bolo do mercado, os investidores fariam bem em agir com cautela. Uma concentração elevada num pequeno número de ações pode levar a uma correção acentuada se o sentimento do mercado mudar.

PUBLICIDADE

Em conclusão, a história de sucesso das GRANOLAS é inegável, ilustrando a proeza dos melhores da Europa no mercado global. No entanto, os próprios fatores que as tornam atrativas - dividendos robustos, fortes previsões de crescimento e alcance internacional - também tecem uma tapeçaria de riscos que os investidores devem navegar com prudência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

É provável que os preços do café continuem a subir devido às "terríveis" regras da UE

Mercados recuperam na expectativa de que a extrema-direita não vencerá segunda volta em França

A popularidade duradoura do ouro: porque é que nunca perde o seu brilho?