Mercado único europeu coloca objetivos ecológicos e digitais no centro das atenções em 2024

Os visitantes comem bolo de chaminé, um alimento festivo tradicional húngaro, num dos mercados de Natal ao ar livre mais famosos da Europa, o mercado Advent Bazilika, no centro de Budapeste.
Os visitantes comem bolo de chaminé, um alimento festivo tradicional húngaro, num dos mercados de Natal ao ar livre mais famosos da Europa, o mercado Advent Bazilika, no centro de Budapeste. Direitos de autor Denes Erdos/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Denes Erdos/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Indrabati Lahiri
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Relatório Anual da Comissão Europeia sobre o Mercado Único e a Competitividade 2024 analisa a forma como a adoção e a sustentabilidade digitais evoluíram no último ano.

PUBLICIDADE

O mercado único europeu foi criado em 1993, com o objetivo de permitir a livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais em toda a União Europeia. É o maior bloco comercial do mundo, constituído por 27 Estados da União Europeia, com mais de 440 milhões de consumidores. O Liechtenstein, a Islândia e a Noruega também têm acesso ao bloco através do Acordo sobre o Espaço Económico, embora com algumas excepções. A Suíça, por outro lado, só pode aceder parcialmente a este mercado único através de acordos bilaterais.

Desde a sua criação, o mercado único europeu tem garantido à economia da UE o acesso a fontes de abastecimento variadas, a um vasto conjunto de procura e a várias oportunidades de expansão da produção e da inovação. Contribui também para a existência de condições de trabalho e direitos sociais sólidos, reforçando simultaneamente a posição negocial da UE a nível mundial.

No entanto, a complexidade e a aplicação das regras continuam a ser um desafio permanente.

A Comissão Europeia publicou recentemente o seu relatório anual sobre o mercado único e a competitividade para 2024, que descreve os objetivos, os desafios e as vantagens do mercado único europeu no ano passado. Este relatório foi recomendado pelo Conselho Europeu de março de 2023 e leva os anteriores relatórios anuais sobre o mercado único um passo em frente para acompanhar melhor a competitividade do mercado único.

O relatório destaca principalmente nove fatores de competitividade do mercado único, bem como os progressos ou retrocessos anuais que estes enfrentaram até à data. São eles:

  • Investimento público e infraestruturas
  • Energia
  • Educação e competências
  • Investigação e inovação
  • Circularidade
  • Acesso ao capital privado
  • Funcionamento do mercado único
  • Comércio e autonomia estratégica aberta
  • Digitalização

Evolução dos desafios geopolíticos e económicos para o mercado único europeu

Na sequência dos contratempos enfrentados por vários setores devido à pandemia, bem como pelo atual conflito Rússia-Ucrânia, a Comissão Europeia tomou várias medidas para melhorar a resiliência do bloco comercial.

Estas medidas incluem a redução da dependência da energia russa, o estabelecimento de parceiros de abastecimento mais diversificados, bem como a prioridade às transições digital e ecológica, também conhecidas como a dupla transição. Isto significa que, embora se esteja a dar mais ênfase à adoção e aos avanços digitais, por parte dos indivíduos, das empresas e dos governos, esta é também feita da forma mais sustentável possível. Outros objetivos climáticos, como o "net zero" e os objetivos de redução das emissões, também ganharam maior destaque.

No entanto, os desafios atuais, como as tensões geopolíticas, os riscos dos avanços tecnológicos, como a inteligência artificial, a escassez de mão de obra e o aumento da inflação e das taxas de juro, continuam a representar uma ameaça para estes objetivos. O crescente domínio da China nos setores dos veículos eléctricos e dos semicondutores constitui também uma ameaça para a UE.

As condições financeiras da UE também registaram dificuldades consideráveis no ano passado, o que contribuiu para que as empresas tivessem dificuldades com os investimentos de capital. Esta situação deveu-se principalmente ao aumento das taxas de juro, bem como ao endurecimento das normas aplicáveis às linhas de crédito e aos novos empréstimos.

Por outro lado, a UE também dispõe de infraestruturas de alta qualidade, investigação, serviços, uma base de produção superior e um avanço no desenvolvimento de tecnologias limpas. Estes elementos podem contribuir em grande medida para fazer face aos desafios acima referidos, especialmente quando se trata de desenvolver os seus próprios veículos elétricos e semicondutores.

Medidas como o Mecanismo de Recuperação e Resiliência (MRR), os fundos da política de coesão da UE e programas semelhantes também contribuíram muito para fazer avançar a transição digital e ecológica, mesmo em tempos de baixo investimento de capital e de confiança vacilante.

Além disso, no final do ano passado, o Conselho Europeu também tem estado a trabalhar em planos para expandir a União Europeia, o que também aumentaria o âmbito do mercado único, trabalhando para incluir mais países candidatos. Isto inclui também a melhoria dos acordos da Zona de Comércio Livre Abrangente e Aprofundada já em vigor com a Moldávia e a Ucrânia para 2023-2024.

Objectivos ecológicos e digitais em destaque

O primeiro relatório anual sobre as principais conclusões do Monitor Europeu dos Ecossistemas Industriais (EMI) é um documento de trabalho dos serviços da Comissão que acompanha o relatório acima referido. O EMI é utilizado pelos membros da indústria da UE, pelos decisores políticos e pelos Estados-Membros para avaliar os progressos da dupla transição em todos os setores, examinando a taxa de adoção de tecnologia pelas empresas e pelos indivíduos. Analisa igualmente a competitividade das tecnologias da UE em comparação com os seus pares a nível mundial.

De acordo com o IME, em 2022, apenas 69 % das pequenas e médias empresas (PME) tinham um nível básico de intensidade digital, o que estava ainda muito aquém do objetivo da UE de 90 % até 2030.

A intensidade digital é medida pelo Índice deIntensidadeDigital (IID), que tem em conta 12 parâmetros digitais escolhidos, por exemplo, a utilização de IA, um sítio Web, redes sociais, acesso a computadores para os trabalhadores, etc.

As empresas que têm um nível básico de intensidade digital cumprem, pelo menos, quatro destes 12 parâmetros selecionados, enquanto as empresas com uma intensidade digital elevada cumprem entre sete e nove das normas. As empresas com um nível de intensidade muito elevado cumprem entre 10 e 12 dos parâmetros.

No entanto, o IME observa que 49% das PME afirmaram estar a acelerar os investimentos em tecnologias digitais, com o setor aeroespacial e da defesa, as empresas que lidam com tecnologias ecológicas e o setor agroalimentar a liderarem esta tendência.

Alguns setores baseados em serviços, como o turismo, também se debateram com um défice de competências, uma vez que a disponibilidade de competências digitais e ecológicas era limitada, apesar da elevada procura. Os setores criativos e culturais, bem como a construção, registaram uma procura particularmente elevada de competências digitais.

PUBLICIDADE

As empresas digitais nos setores da eletrónica, da mobilidade e do retalho foram as que mais investimento receberam de empresas europeias de capital de risco e de private equity em 2021. No entanto, o financiamento privado ainda tem sido bastante reduzido na UE, em comparação com os EUA, que têm muito mais empresas em expansão do que a Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mercado único europeu prepara-se para celebra 30 anos

"Geobloqueio" vai terminar no mercado único europeu

Os problemas do mercado único europeu