EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"Così Fan Tutte". Mozart volta a Salzburgo adaptado à pandemia

Em parceria com
"Così Fan Tutte". Mozart volta a Salzburgo adaptado à pandemia
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Andrea BolithoEuronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Festival de Salzburgo, Áustria, adaptou-se às limitações dos tempos modernos e traz a palco "Così Fan Tutte", de Mozart. A obra sofreu cortes, mas os artistas garantem que o espírito do autor mantém-se vivo.

O Festival de Salzburgo celebra este ano o centenário com uma edição especial, que esteve quase para não acontecer.

Com um programa reduzido, Helga Rabl-Stadler fez, no entanto, questão que o espectáculo continuasse. Para a presidente de um dos mais famosos festivais austríacos, é "importante mostrar o valor da cultura e das artes, porque é alimento para a alma, e era essa a convicção dos nossos fundadores".

Obra de Mozart adaptada a tempos de pandemia

O encenador Christof Loy e a maestrina Joana Mallwitz trabalharam numa nova versão, mais curta, de "Così Fan Tutte", a antepenúltima ópera de de Mozart, estreada a 26 de janeiro de 1790, em Viena.

Os contrangimentos que a covid-19 está a impôr aos espectáculos levaram a que a obra tivesse de ser adaptada, num processo que - garantem os artistas - não foi fácil.

"Cada nota que tiramos de Mozart faz doer o coração, mas a certa altura dissemos: não pensemos no que temos de cortar, mas como podemos obter o máximo do espírito de Mozart", revela a maestrina.

Uma história de comédia e romance

"Così Fan Tutte" é uma exploração tragicómica da infielidade das mulheres, com uma série de disfarces e enganos como pano de fundo.

Joana Mallwitz explica que a obra "vai de algo muito lúdico - giocoso, scherzando - e também atrevido a alguns números e cores quase românticos. É um jogo, mas depois as emoções envolvem-se e tudo está sempre a mudar para trás e para a frente entre estes dois pólos, por vezes muito rapidamente. Num só compasso, as coisas mudam".

Ao longo da história, D. Alfonso propõe-se provar aos jovens homens que todas as mulheres, mesmo as suas noivas, podem ser infiéis.

"Claro que ele pode ser cínico e perverso, ele é provavelmente aquele que sabe desde o início que, se está numa relação com alguém, tem de aceitar e amar, em si próprio e e na sua parceira, todos aqueles diferentes sentimentos que provavelmente fazem parte de cada ser humano", conta.

Musica / Euronews
"Così Fan Tutte", de Mozart, no Festival de SalzburgoMusica / Euronews

No final, mesmo após as alterações impostas pelas condicionantes da atualidade, a maestrina não deixa de se surpreender com a magnitude intemporal da obra e do seu autor.

"Esta música transforma os impulsos, as emoções e os sentimentos mais profundos e íntimos que existem. Vê-se tudo a irradiar para o exterior. Isto é algo mágico, que talvez só Mozart consiga fazer".

Como parte do Festival de Salzburgo, "Così Fan Tutte" vai estar em cena até 18 de agosto, no palco de Grosses Festspielhaus.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Talentoso jovem maestro ganha Prémio Herbert von Karajan

Prémio Herbert von Karajan para Jovens Maestros: uma experiência emocionante

"Champion", a vida do pugilista Emile Griffith numa ópera-jazz