EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Músicos afegãos querem formar nova escola em Portugal

Shogofa Safi, percussionista e maestrina de orquestra feminina afegã, de passagem pelo Qatar, rumo a Portugal, em outubro
Shogofa Safi, percussionista e maestrina de orquestra feminina afegã, de passagem pelo Qatar, rumo a Portugal, em outubro Direitos de autor -/AFP or licensors
Direitos de autor -/AFP or licensors
De  Catarina Santana com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Alunos e professores do Instituto Nacional de Música do Afeganistão (ANIM) tiveram de fugir do regime talibã para continuar a fazer música. Têm como destino final Portugal, onde querem prosseguir os estudos.

PUBLICIDADE

Quando dentro do Afeganistão deixou de haver espaço para música, este grupo de músicos afegãos decidiu romper fronteiras e levar um pouco da cultura agora proibida no país a outras paragens.

Com os instrumentos que conseguiram esconder do controlo talibã na saída de Cabul, estudantes e funcionários do Instituto Nacional de Música do Afeganistão (ANIM) reuniram-se no Qatar.

O momento, celebrado em Doha com um concerto, é apenas o início de uma jornada, ainda a quilómetros de distância do destino final.

"O nosso próximo destino, a seguir ao Qatar, é Portugal, o destino final para a nossa comunidade. Lá vamos poder ir à escola, continuar a nossa música, música afegã, claro, mas também música clássica europeia juntos, como fazíamos em Cabul", afirma o maestro Mohammed Qambar.

Apesar de ainda não haver legislação, a música não-religiosa é mal vista pelos talibãs. E o instituto é um alvo do movimento, por ter adotado um sistema de ensino de música ocidental e com turmas mistas.

Em Portugal, estes alunos e professores vão juntar-se a outra centena de músicos afegãos exilados e poder prosseguir os estudos musicais. Ao todo, 284 pessoas terão uma nova oportunidade de preservar a música afegã e de a partilhar com novos públicos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU convida UE a receber mais de 40 mil afegãos em cinco anos

Afegãos voltam a poder pedir passaportes

Cidade espanhola de Rota está na rota dos refugiados afegãos