EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Alimento para uma missão a Marte: empresa finlandesa quer alimentar os astronautas com proteínas de micróbios

A “Soleína”, da empresa finlandesa de tecnologia alimentar Solar Foods, aqui vista em forma de pó, poderá ser usada para alimentar os astronautas.
A “Soleína”, da empresa finlandesa de tecnologia alimentar Solar Foods, aqui vista em forma de pó, poderá ser usada para alimentar os astronautas. Direitos de autor Courtesy: Solar Foods
Direitos de autor Courtesy: Solar Foods
De  Anca Ulea
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A empresa finlandesa de tecnologia alimentar Solar Foods produz proteína microbiana utilizando apenas hidrogénio, CO2 e eletricidade. Poderá ajudar os astronautas a chegar a Marte?

PUBLICIDADE

Enviar humanos para Marte é um desafio monumental, com inúmeras variáveis a ter em conta para garantir a saúde e a segurança da tripulação.

Mas um dos ingredientes mais importantes para o sucesso de uma missão ao espaço profundo é muitas vezes tomado como garantido: a alimentação.

"Se olharmos para a história da exploração ou das longas viagens marítimas, é a comida que pode ditar o sucesso ou insucesso desses empreendimentos", diz Ralph Fritsche, gestor de produção de culturas espaciais da NASA. "A qualidade do sistema alimentar é a primeira linha de defesa da saúde e do desempenho da tripulação.”

Mas não basta simplesmente abastecer os astronautas com calorias sem sabor que os mantenham vivos. Manter o moral numa longa viagem é primordial, e uma boa alimentação ajuda a manter os astronautas felizes e saudáveis.

"Uma das coisas que aprendemos ao longo do tempo é que se os astronautas não gostarem da comida, não a comem", disse Fritsche à Euronews Culture. "E se não a comerem, perdem peso. Por isso, a variedade de sabores, a textura, tudo isso é fundamental."

Responder ao desafio da produção alimentar no espaço

Resolver o problema da alimentação é uma prioridade importante, uma vez que a NASA pretende enviar astronautas para Marte no final da década de 2030 ou no início da década de 2040, numa viagem que poderá demorar dois a três anos a concluir.

Esta é uma das razões pelas quais a NASA e a Agência Espacial Canadiana (CSA) lançaram o Deep Space Food Challenge (DSFC), convidando o público a apresentar soluções alimentares para missões tripuladas de longo curso que exijam o mínimo de recursos, produzam o mínimo de resíduos e forneçam alimentos seguros, nutritivos e saborosos.

A Solar Foods, uma empresa finlandesa de tecnologia alimentar, é um dos dois vencedores europeus da Fase 2 do DSFC. A sua solução chama-se “Soleína", uma fonte de proteína sustentável que, segundo a empresa, é produzida "a partir do nada."

A “Soleína" é produzida utilizando apenas eletricidade, dióxido de carbono e hidrogénio - todos eles facilmente disponíveis numa nave espacial (afinal, os astronautas têm de respirar).

Estes elementos, juntamente com alguns minerais, são colocados num biorreactor e alimentados para dar origem a um micróbio que cresce e se multiplica, produzindo uma forma de proteína que pode ser seca em pó e utilizada como ingrediente numa variedade de receitas.

O processo pode ser comparado à fermentação da levedura (pense nos fermentos de massa fermentada), mas em vez de levedura, este processo utiliza organismos unicelulares que se encontram na natureza, na Terra. E em vez de os alimentar com açúcar, alimenta-os com pequenas bolhas de gás.

Courtesy: Solar Foods
Soleína em forma de pó (à direita) e a ser criada num biorreator (à esquerda).Courtesy: Solar Foods

"Na Terra, produzimos ’Soleína' como ingrediente alimentar para substituir o ovo ou o leite, por exemplo, porque não tem um sabor particularmente forte por si só, pelo que se mistura com muitos alimentos", diz Arttu Luukanen, vice-presidente sénior de Espaço e Defesa da Solar Foods, que liderou a equipa que participou no DSFC.

"Seria uma abordagem semelhante no espaço", disse à Euronews Culture. "Podemos utilizar várias técnicas para transformar a ‘Soleína' numa espécie de carne seca que se assemelha à carne, adicionar alguns sabores, talvez alguns óleos que podem ser produzidos a bordo a partir das plantas que são cultivadas ou armazenadas."

Outra vantagem de produzir “Soleína" no espaço é o facto de um dos subprodutos da sua produção ser a água.

"O biorreactor não produz apenas alimentos, mas também água que sai do tubo", disse Luukanen. "E nós argumentamos que poderíamos poupar 1200 quilos de água para além de produzir alimentos a bordo."

Não existe uma solução única para alimentar os astronautas numa missão espacial de longa duração

Embora o Deep Space Food Challenge tenha sido anunciado como uma competição, é quase impossível encontrar uma solução para todos os problemas relacionados com a alimentação em viagens espaciais de longo curso.

"Não vai haver uma única solução", confirmou Luukanen. "Vai ser um ensaio de soluções, porque, em última análise, o que se pretende é desenvolver algumas dúzias de receitas suficientemente diferentes para dar a variabilidade na alimentação ao longo desses dois anos, de modo a que a tripulação não enlouqueça e receba tudo o que precisa para se manter viva e prosperar."

Courtesy: Solar Foods
Um exemplo de como a “Soleína" pode ser combinada com produtos frescos para criar uma refeição nutritiva e equilibrada.Courtesy: Solar Foods

Luukanen disse que uma maneira fácil de pensar na forma como a “Soleína" se poderia encaixar com outros alimentos no espaço é que "eles estão a fazer a salada, nós estamos a fornecer o molho." Embora a proteína seja uma parte importante de uma dieta equilibrada, os astronautas também precisariam de hidratos de carbono como frutas e legumes.

PUBLICIDADE

Fritsche, que foi um dos juízes da Fase 2 do DSFC, disse que o mais surpreendente do desafio foi assistir a este tipo de colaboração e intercâmbio e ver como as diferentes equipas concorrentes aproveitaram os conhecimentos umas das outras para melhorar os seus produtos.

"Mesmo que as diferentes equipas não tenham ganho essa ronda do desafio, tinham um aspeto, um componente ou um processo que outra equipa vencedora poderia aproveitar", afirmou. "Penso que, ao entrar no desafio, esperava que fosse uma equipa contra outra. Mas o que se espera é que várias equipas se juntem para criar uma solução melhor."

Fritsche disse que, a curto prazo, é mais provável vermos alimentos a serem integrados numa missão a Marte que não precisem de ser cozinhados ou processados, como produtos frescos ou cogumelos. Mas, a mais longo prazo, a criação de fontes de proteínas a bordo é algo que a NASA também está a estudar.

Lições do espaço que podem ser aplicadas à Terra

Fritsche foi um dos juízes que se deslocou a Helsínquia para analisar a proposta da Solar Foods e provar um "batido espacial" feito com pó de “Soleína" e fruta. Disse que o que o impressionou na empresa foi o seu empenho em construir um negócio terrestre sólido e expansível.

Courtesy: Solar Foods
Para a Fase 2 do DSFC, a Solar Foods preparou para os jurados um "Space Shake" de “Soleína" em pó e frutas.Courtesy: Solar Foods

"O que eu realmente apreciei no que eles estavam a fazer foi o facto de terem o que parecia ser um modelo de negócio terrestre muito bom", disse ele. "Destacam-se como um aspeto realmente positivo do facto de nós (NASA) estarmos a tentar explorar esta área tecnológica mais recente e ver como podemos agarrar algumas destas ideias e incorporá-las como soluções para a alimentação dos voos espaciais."

PUBLICIDADE

Luukanen disse que, apesar de estar a pensar em aplicações no espaço, o foco da Solar Foods continua a ser a produção de “Soleína" para consumo na Terra. Mas há lições valiosas a aprender com um desafio como o DSFC.

"O espaço é o derradeiro teste para uma economia circular", diz. "Penso que viver de acordo com a mesma filosofia no planeta aqui pode não ser uma ideia assim tão disparatada, para tentar fechar estes ciclos que atualmente estamos a fazer de forma aberta. Assim, poderíamos reciclar mais coisas do que desperdiçamos e produzir produtos de valor acrescentado, quer se trate de alimentos ou materiais a partir desses resíduos."

À medida que a Terra se torna cada vez mais quente, as fontes de proteína - como a “Soleína" - que utilizam menos recursos e produzem menos emissões do que as proteínas animais estão a tornar-se mais comuns.

No ano passado, a Solar Foods recebeu aprovação regulamentar para vender “Soleína" em Singapura. Um restaurante italiano local começou a vender o primeiro gelado de chocolate com “Soleína" do mundo, substituindo os ovos e o leite por “Soleína" para criar um produto totalmente vegan.

Courtesy: Solar Foods
“Fico", um restaurante com sede em Singapura, criou o primeiro Solein Chocolate Gelato do mundo, usando a proteína microbiana da Solar Foods.Courtesy: Solar Foods

Os europeus terão de esperar mais algum tempo. Luukanen diz que a empresa espera receber a aprovação para vender “Soleína" na União Europeia até ao próximo ano.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Astronauta russo passa mais de dois anos no espaço e estabelece novo recorde mundial

Pequeno helicóptero da NASA faz último voo em Marte

Inteligência artificial na luta dos hotéis para reduzir o desperdício alimentar