BFTA revela novas normas para a lista dos candidatos a melhor realizador

Estatueta dos Prémios da academia britânica de cinema, BAFTA
Estatueta dos Prémios da academia britânica de cinema, BAFTA Direitos de autor BAFTA - Getty Images
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Algumas medidas anunciadas pela academia de cinema britânica, para os prémios BFTA de 2024 parecem progresso, mas revelam uma abordagem condenada a não instigar mudanças significativas.

PUBLICIDADE

A Academia Britânica revelou várias mudanças nas regras para os próximos prémios de filmes de 2024.

As inscrições para filmes britânicos de destaque e categorias de estreia excecionais serão obrigadas a ter temáticas como bullying e assédio, e/ou políticas de sustentabilidade em vigor.

As alterações baseiam-se nas diretrizes elaboradas por vários outros órgãos da indústria em 2018, na sequência do movimento MeToo, e farão com que os produtores sejam obrigados a mostrar que houve um processo claro para as pessoas relatarem quaisquer incidentes.

"Para nós, isso envia uma mensagem clara para a indústria de que os funcionários têm a responsabilidade de fornecer ambientes de trabalho seguros", disse Emma Baehr, diretora de prémios e conteúdo do BAFTA, ao The Hollywood Reporter.

Em seguida, vêm as mudanças na categoria de diretor, que foi ajustada pelo BAFTA para incluir diretores que se identificam como não binários.

De acordo com o BAFTA: "A Revisão de 2020 do BAFTA incluiu uma intervenção positiva para as diretoras que se submetem à categoria de Diretora do BAFTA Film Awards, permitindo uma divisão de género de 50/50 para diretores masculinos e femininos na lista dos filmes candidatos (16 no total). Isso teve um efeito muito positivo no número de diretoras nomeadas e vencedoras nesta categoria em comparação com os anos anteriores à revisão do regulamento. Essa intervenção está a ser desenvolvida para incluir diretores que se identificam como não binários. Para 2024, as principais mulheres, homens e diretores que se identificam como não binários serão listadas para um máximo de 17, com a paridade de género entre diretores masculinos e femininos a ser mantida. Nas nomeações, o número de diretores nomeados permanecerá em seis."

Essencialmente, em vez de se tornar neutro em termos de género, como muitos festivais e outros prémios, as longas listas permitem que os diretores sejam incluídos na categoria de Realizadorr que não se identificam como homem ou mulher se obtiverem votos suficientes no ranking superior. O BAFTA afirmou que não há intervenção nas nomeações. Para manter o princípio da paridade de género, em teoria, a lista poderia aumentar de 16 para 17, no máximo. 

Um passo na direção certa ou ignorar o problema real?

Embora possa parecer que as novas normas trazem progresso e mudança cultural significativa, estes ajustes levantam questões sobre se os prémios se estão a transformar mais em ativismo social, em deterimento das realizações artísticas.

A representação é primordial, mas o grande mal-entendido no centro da pressão para que as cerimónias de atribuição de prémios tenham cotas e categorias não-género é que os prémios são o último estágio, e a questão vai mais fundo do que as estatuetas.

A indústria cinematográfica é um campo de jogo desigual, repleto de sexismo institucional e preconceitos, e enquanto as cerimónias de entrega de prémios são uma parte importante do processo por direito próprio,  são apenas o passo final, o _glamou_r. Oportunidades equitativas precisam começar mais cedo no processo da criação e produção das obras.

Se as cotas não binárias, como prémios neutros em termos de género, podem promover discussões e levar a mudanças significativas - estúdios mais inclusivos, instituições de financiamento e órgãos de votação mais diversificados - devem ser defendidas. Mas, sem essas mudanças significativas dentro da indústria, as alterações introduzidas nos BAFTA podem não surtir qualquer efeito, levando a cerimónias de atribuição de prémios bem-intencionadas, mas reetendo a atribuição de conquistas na arte para segundo plano, priorizando a identidade de género acima de tudo.

Parece que estamos a perder de vista o mérito artístico, tentando corrigir problemas profundamente enraizados de cima para baixo em vez de baixo para cima, já que os verdadeiros obstáculos enfrentados pelas minorias sub-representadas na indústria cinematográfica não estão nas luzes da ribalta, nem nos palcos onde brilha a glória e o glamour de premiados e convidados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Blanchett, Butler e "A Oeste Nada de Novo": os destaques dos Bafta

"O Poder do Cão" vence nos BAFTA

Exemplar raro de banda desenhada com a estreia do Super-Homem vendido por valor recorde de 5,5 milhões de euros