O que se passa com o Festival de Cinema de Berlim e o partido de extrema-direita alemão AfD?

Os directores do Festival de Cinema de Berlim voltaram atrás e não convidaram os membros do partido de extrema-direita alemão AfD
Os directores do Festival de Cinema de Berlim voltaram atrás e não convidaram os membros do partido de extrema-direita alemão AfD Direitos de autor Berlinale
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os diretores do Festival de Cinema de Berlim voltaram atrás e desconvidaram os membros do partido de extrema-direita alemão AfD, à luz das revelações sobre um alegado plano de deportação em massa.

PUBLICIDADE

O Festival de Cinema de Berlim não convidou os membros do partido de extrema-direita alemão Alternativa para a Alemanha (AfD) para a gala de abertura da 74ª edição da Berlinale.

Até há pouco tempo, o festival mantinha a sua decisão de convidar a AfD, no âmbito de um convite normal aos deputados do Estado de Berlim de todos os partidos.

A Berlinale tinha até recebido o apoio de Claudia Roth, política dos Verdes e comissária federal para a Cultura, cujo gabinete declarou que a decisão da Berlinale de convidar membros do AfD estava "de acordo com a prática democrática e o respeito do governo federal pelo parlamento e pelos seus delegados eleitos".

Mas agora, os diretores da Berlinale - Mariëtte Rissenbeek e Carlo Chatrian - voltaram atrás, citando notícias recentes sobre os alegados planos de deportação em massa da AfD.

Há, efetivamente, relatos de que políticos da AfD se reuniram com ativistas neonazis e discutiram um "plano mestre" para deportações em massa, caso o partido chegasse ao poder.

"Especialmente à luz das revelações feitas nas últimas semanas sobre posições explicitamente antidemocráticas e políticos individuais do AfD, é importante para nós - enquanto Berlinale e enquanto equipa - tomar uma posição inequívoca a favor de uma democracia aberta", lê-se no comunicado divulgado pela direção do festival.

"Por isso, escrevemos hoje a todos os políticos da AfD anteriormente convidados e informámo-los de que não são bem-vindos à Berlinale".

A Berlinale já tinha emitido um comunicado sobre a sua decisão de convidar membros do AfD para a cerimónia de abertura. O festival confirmou que os membros da AfD Kristin Brinker e Ronald Gläse foram convidados, mas que a Berlinale "defende os valores democráticos básicos e é contra o extremismo de direita".

Gläser tem sido frequentemente criticado pelas suas declarações extremistas, incluindo uma vez em que comparou Winston Churchill a Adolf Hitler.

A declaração anterior da Berlinale dizia o seguinte:

"Os membros do AfD foram eleitos para o Bundestag e para a Câmara dos Representantes de Berlim nas últimas eleições. Por conseguinte, estão também representados em comités políticos culturais e outros organismos. Isso é um facto e temos de o aceitar como tal. Tanto o Comissário do Governo Federal para a Cultura e os Media como o Senado de Berlim recebem quotas de convites para a Berlinale, que são atribuídas aos membros democraticamente eleitos de todos os partidos no Bundestag e na Câmara dos Representantes. Foi neste contexto que os representantes da AfD foram convidados para a Berlinale. As pessoas - incluindo os representantes eleitos - que atuam de forma contrária aos nossos valores fundamentais não são bem-vindas à Berlinale. Iremos expressar isto de forma clara e enfática numa carta pessoal aos representantes da AfD, bem como noutras ocasiões".

Os convites provocaram indignação, com profissionais do cinema a assinarem uma carta aberta ao festival, protestando contra a decisão, afirmando que o convite a políticos da AfD era "incompatível" com o compromisso assumido pela Berlinale de "ser um lugar de 'empatia, consciência e compreensão'".

A Berlinale deste ano vai arrancar no meio de um intenso debate sobre se o partido anti-imigração representa uma ameaça fundamental para a constituição democrática da Alemanha. Centenas de milhares de alemães saíram às ruas para protestar contra a AfD e para que o partido seja banido como anti-democrático.

O 74º Festival de Cinema de Berlim abre a 15 de fevereiro e prolonga-se até 25 de fevereiro. O filme de abertura é a estreia mundial de Small Things Like These, um filme baseado no romance histórico bestseller da escritora irlandesa Claire Keegan, protagonizado por Cillian Murphy.

Outras fontes • Berlinale, Deadline

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Berlinale entrega ouro a documentário francês e prata a filme português

Realizador João Canijo conquista Urso de Prata na Berlinale

Berlinale abre a porta à política em edição marcada por conflitos