Sagrada Família "estará concluída para assinalar o 100º aniversário da morte de Gaudí"

A Sagrada Família de Antoni Gaudí, ou Igreja da Sagrada Família
A Sagrada Família de Antoni Gaudí, ou Igreja da Sagrada Família Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
De  Graham Keeley
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os arquitetos afirmam que a Sagrada Família poderá finalmente estar concluída em 2026, mas a controvérsia sobre a sua extensão continua por resolver.

PUBLICIDADE

O edifício inacabado mais famoso do mundo poderá finalmente ficar concluído, depois de os arquitetos terem afirmado que a basílica estará terminada em 2026, assinalando o centenário da morte do criador da Sagrada Família, Antoní Gaudí.

Esteve Camps, o presidente da organização responsável pela realização do projeto original de Gaudí, afirmou que o edifício deverá estar concluído dentro de dois anos, cerca de 144 anos após a colocação da primeira pedra no local.

Se o prazo for cumprido, a basílica incluirá a torre central de 172,5 metros dedicada a Jesus Cristo, tornando a Sagrada Família o edifício mais alto de Barcelona.

No entanto, os trabalhos relativos a outras esculturas e decorações, bem como a uma controversa escadaria que conduziria ao que seria a entrada principal, deverão continuar até 2034.

Barcelona's Sagrada Familia Basilica
Barcelona's Sagrada Familia BasilicaManu Fernandez/AP

O projeto da escadaria provocou a oposição dos residentes e das empresas locais porque, a concretizar-se, implicaria a demolição de blocos de habitação e escritórios junto ao edifício existente e o desalojamento de cerca de 1000 famílias e empresas.

Camps afirmou que continuava empenhado nos planos de ampliação, apesar das objeções de alguns residentes.

Como herdeiros de Gaudí, os arquitetos tencionam prosseguir com o projeto de ampliação "tal como Gaudí pretendia".

O Presidente da Câmara Municipal de Barcelona, Jaume Collboni, disse estar em conversações sobre o futuro do projeto de ampliação.

"Não tenho uma bola de cristal que me diga quando é que vão tomar uma decisão", afirmou numa conferência de imprensa na passada quarta-feira.

Salvador Barroso, um advogado e representante da Associação dos Afetados pela Sagrada Família, um grupo de protesto local, está a tomar medidas legais para parar a escadaria proposta.

Barroso afirma que a escadaria nunca esteve nos planos originais de Gaudí e que foi inventada por discípulos do arquiteto após a sua morte prematura. Os planos originais foram destruídos por anarquistas no início da guerra civil espanhola em 1936, mas foram cuidadosamente reunidos por sucessivos arquitectos.

"A Sagrada Família diz muitas coisas, mas não tem a última palavra. O Conselho decidirá. O Senhor pode finalmente decidir e não a humanidade", afirmou.

A Câmara Municipal de Barcelona ainda não tomou uma decisão sobre a extensão planeada, disse um porta-voz à Euronews Culture.

"Estamos a trabalhar com os representantes da Sagrada Família, com os residentes vizinhos e com outras organizações para encontrar a melhor solução para terminar as obras e as necessidades da cidade", disse.

Barcelona quer "garantir o direito à habitação e minimizar o número de pessoas afectadas", acrescentou.

A igreja da Sagrada Família em Barcelona
A igreja da Sagrada Família em BarcelonaManu Fernandez/AP

As obras no edifício são financiadas pelas receitas das entradas, que custam entre 25 e 40 euros, dos turistas que visitam a basílica todos os anos.

No ano passado, 4,707 milhões de pessoas visitaram a Sagrada Família, mais 24,7% do que no ano anterior, mas não tantos como os 4,717 milhões que vieram em 2019, antes da pandemia.

O maior número de visitantes - 85% - vem do estrangeiro, com o maior grupo por nacionalidade dos Estados Unidos (19% do total), seguido de França (7,5%), Itália (7,2%) e Grã-Bretanha (5,9%). Os espanhóis representam 14,6% dos visitantes.

PUBLICIDADE

As receitas para 2023 foram de 126,9 milhões de euros, todas provenientes de fontes privadas, como as receitas dos visitantes. Em termos de despesas, 52% do orçamento destinou-se à construção e 26% à gestão da basílica.

Não se sabe como é gasto o restante, uma vez que a igreja não é obrigada a publicar as suas contas.

No ano passado, cerca de 51 696 pessoas assistiram a 66 missas internacionais na Sagrada Família, enquanto 280 670 fiéis foram aos serviços religiosos na basílica.

A marca Sagrada Família tem sido internacionalizada com um concerto da Orquestra Filarmónica de Berlim no templo e uma exposição numa série de museus no Japão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Torres de João e Mateus inauguradas na basílica da Sagrada Família em Barcelona

Museu d'Orsay expõe cartazes dos Jogos Olímpicos 2024

Um farol cultural de esperança para uma aldeia suíça em extinção: descubra a torre mais alta do mundo impressa em 3D