J.K. Rowling "está ansiosa por ser presa" depois das alterações à lei escocesa sobre crimes de ódio

J.K. Rowling "está ansiosa por ser presa" na sequência das alterações à lei escocesa sobre crimes de ódio
J.K. Rowling "está ansiosa por ser presa" na sequência das alterações à lei escocesa sobre crimes de ódio Direitos de autor AP Photo/Christophe Ena
Direitos de autor AP Photo/Christophe Ena
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A autora de Harry Potter desafiou a polícia a prendê-la, enquanto o primeiro-ministro Rishi Sunak parece ter apoiado a opinião de Rowling de que as alterações à lei escocesa sobre crimes de ódio podem ameaçar a liberdade de expressão.

PUBLICIDADE

A nova lei escocesa sobre crimes de ódio entrou em vigor e a autora de Harry Potter, J.K. Rowling, tem coisas a dizer sobre isso.

Mais concretamente, afirmou que a legislação pode prejudicar a liberdade de expressão e que "está ansiosa por ser presa" na sequência das alterações à lei dos crimes de ódio.

Rowling desafiou a polícia a prendê-la ao expressar a sua oposição à nova legislação, que entrou em vigor ontem, 1 de abril.

A Lei sobre Crimes de Ódio e Ordem Pública (Escócia) de 2021 cria um novo crime de "incitamento ao ódio" relacionado com a idade, deficiência, religião, orientação sexual, identidade transgénero ou com o facto de ser intersexo.

Uma pessoa comete uma infração se comunicar ou se comportar de uma forma "que uma pessoa razoável consideraria ameaçadora ou abusiva", com a intenção de incitar ao ódio com base nas características protegidas.

A pena máxima é uma pena de prisão de sete anos.

A lei não protege as mulheres enquanto grupo alvo de ódio, mas espera-se que o Governo escocês venha a incluir este aspeto numa lei separada sobre misoginia.

Rowling, que há muito tempo critica o ativismo trans, criticou a nova legislação num longo tópico de 11 publicações no X, no qual destacou algumas mulheres trans.

"Estou atualmente fora do país, mas se o que escrevi aqui for considerado uma ofensa nos termos da nova lei, espero ser presa quando regressar ao local de nascimento do Iluminismo escocês", escreveu.

Acrescentou que "a liberdade de expressão e de crença está a chegar ao fim na Escócia" se aquilo a que chamou "a descrição exata do sexo biológico" for "considerado criminoso".

Rowling acrescentou: "Há vários anos que as mulheres escocesas têm sido pressionadas pelo seu governo e por membros da força policial para negarem as provas que veem e ouvem, repudiarem os factos biológicos e abraçarem um conceito neo-religioso de género que não pode ser provado nem testado. A redefinição de 'mulher' para incluir qualquer homem que se declare mulher já teve consequências graves para os direitos e a segurança das mulheres e das raparigas na Escócia, sendo o impacto mais forte sentido, como sempre, pelas mais vulneráveis, incluindo as mulheres presas e as sobreviventes de violações".

J.K. Rowling
J.K. RowlingLefteris Pitarakis/AP

O Governo escocês insiste que a lei oferece proteção contra o ódio e o preconceito sem sufocar a expressão individual.

"Penso que tem havido muita desinformação" sobre a legislação, disse a ministra das Vítimas e da Segurança Comunitária, Siobhian Brown, antes de afirmar, incorretamente, que foi "aprovada por unanimidade" pelos deputados em 2021.

O primeiro-ministro da Escócia, Humza Yousef, abordou a "desinformação" que está a ser espalhada sobre o projeto de lei, afirmando que existe um "triplo bloqueio" de proteção do discurso - uma cláusula explícita sobre a liberdade de expressão, uma defesa para que as ações de qualquer pessoa acusada sejam "razoáveis" e que a lei seja compatível com a Convenção Europeia dos Direitos do Homem. Yousef acrescentou que está "muito orgulhoso" das novas leis, afirmando que estas ajudarão a proteger contra uma "maré crescente" de ódio. Insistiu ainda que está "muito confiante na capacidade da polícia escocesa para aplicar esta legislação como deve ser".

A polémica em torno da nova legislação aumentou ainda mais, uma vez que o primeiro-ministro conservador, Rishi Sunak, apoiou J.K. Rowling, afirmando que as pessoas não devem ser criminalizadas "por afirmarem factos simples sobre biologia".

"Acreditamos na liberdade de expressão neste país e os conservadores irão sempre protegê-la".

Rowling, que enfrentou uma reação negativa devido a uma série de comentários que foram considerados transfóbicos, foi denunciada à polícia no mês passado por acusações de abuso transfóbico, depois de ter dito que a radialista India Willoughby - que foi mencionada no tópico X de Rowling - "não se tornou uma mulher" e está a "fazer cosplay de uma fantasia masculina misógina do que é uma mulher".

Willoughby afirmou que as palavras de Rowling "violam a Lei da Igualdade e a Lei do Reconhecimento do Género" e, mais tarde, disse no X que o incidente foi registado como um incidente de ódio não criminoso.

PUBLICIDADE

Em resposta, Rowling disse que "a polícia vai estar muito ocupada".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mudança de sexo cria tensões entre governo britânico e Escócia

Lennon e McCartney estão de volta, mas não é o que está a pensar

Último quadro de Caravaggio vai ser exposto pela primeira vez em 20 anos