EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Pára, colabora e vota! Spotify está a encorajar os cidadãos a votar nas eleições europeias

Uma bandeira da UE inspira!
Uma bandeira da UE inspira! Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Jonny Walfisz
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Spotify lançou uma campanha para incentivar os utilizadores a votar nas próximas eleições para o Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

A campanha "Faz a tua parte, Europa" notificará todos os utilizadores gratuitos e premium com mais de 18 anos com uma mensagem na aplicação para os lembrar do ciclo eleitoral.

A Europa vai eleger o próximo parlamento entre 6 e 9 de junho deste ano. As eleições europeias registaram recentemente uma subida na afluência às urnas, após uma tendência decrescente de 40 anos, mas a participação dos jovens continua a estar comparativamente sub-representada.

Os países europeus adoptaram medidas para aumentar o voto dos jovens. A Bélgica e a Alemanha baixaram a idade de voto para 16 anos, juntando-se a Malta e à Áustria. A Grécia também baixou a idade de voto para os 17 anos antes das últimas eleições para o Parlamento Europeu.

Agora, o Spotify está a juntar-se a esta iniciativa, lembrando e incentivando os utilizadores europeus a votar nas eleições. A aplicação de streaming de música também lançou uma lista de reprodução repleta de artistas europeus e fornece ligações para o site da UE nas suas mensagens.

Esta não é a primeira vez que o Spotify organiza uma campanha de voto antes das eleições. A empresa sueca lançou recentemente uma notificação semelhante para as eleições locais no Reino Unido e para as eleições na Suécia, nos Países Baixos e nos Estados Unidos.

Campanha do Spotify
Campanha do SpotifySpotify

Em junho, cerca de 365 milhões de pessoas poderão votar nas eleições. Qual será o impacto das redes sociais nos próximos cinco anos da política da UE?

O fator redes sociais

Enquanto plataforma de streaming de música, o Spotify pode fazer a sua campanha sem grandes preocupações de envolvimento partidário. No entanto, as principais plataformas de redes sociais têm sido objeto de um maior escrutínio desde a última ronda de eleições em 2019.

Desde 2019, o TikTok tem sido a plataforma de redes sociais com o crescimento mais rápido na Europa. O aumento da participação dos jovens nas últimas eleições foi amplamente visto como o resultado de campanhas parlamentares através de plataformas como o Snapchat. Assim, o TikTok, que tem um grande público da Geração Z, pode ter um papel importante nas próximas eleições.

A eurodeputada Roberta Metsola publicou vídeos na aplicação, numa tentativa de interagir com os jovens eleitores. Quatro países vão votar com 16 anos, um país vai votar com 17 anos. O que eu não quero é que esses jovens recebam as suas notícias potencialmente de fontes de propaganda ou de desinformação. Por isso, dissemos: "Vamos lá, vamos passar a nossa mensagem e esperamos que, quando os miúdos estiverem a ler, vejam algo que lhes diga: 'ooh, gosto disto, vou votar'".

Embora Metsola não seja a única a utilizar a plataforma, a sua ação é notável, uma vez que surgiu um ano depois de o TikTok ter sido banido dos dispositivos de trabalho dos funcionários do Parlamento Europeu.

O TikTok tem estado no centro das preocupações sobre a cibersegurança das redes sociais na Europa. Tanto a Comissão Europeia como o Parlamento Europeu recomendam vivamente que os legisladores retirem a plataforma dos seus dispositivos pessoais.

A Comissão Europeia e o Parlamento Europeu recomendam vivamente que os legisladores removam a plataforma dos seus dispositivos pessoais. Se queremos realmente dirigir-nos também aos jovens, penso que não podemos deixar que os partidos de extrema-direita estejam no TikTok enquanto nós dizemos, com uma espécie de arrogância, "não, não gosto do TikTok", disse Tilly Metz, eurodeputada luxemburguesa do Partido Verde, num debate eleitoral.

O TikTok, o Meta e o X foram todos contactados pela Comissão Europeia para testar as suas diretrizes eleitorais sobre desinformação.

A Lei dos Serviços Digitais (DSA) da UE forneceu orientações para que as plataformas de redes sociais com grandes bases de utilizadores compreendessem o seu papel e responsabilidades num ciclo eleitoral. As plataformas com mais de 45 milhões de utilizadores foram convidadas a participar no workshop no mês passado.

O TikTok e o Meta já criaram centros eleitorais para combater a desinformação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Turista do Cazaquistão vandaliza muro arquelógico em Pompeia

Morreu aos 88 anos o ator Donald Sutherland

Polícia britânica prende ativistas da Just Stop Oil que vandalizaram Stonehenge