EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Françoise Hardy, atriz e ícone da pop francesa, morre aos 80 anos

Morre Françoise Hardy, ícone pop e atriz francesa, aos 80 anos
Morre Françoise Hardy, ícone pop e atriz francesa, aos 80 anos Direitos de autor Getty Images
Direitos de autor Getty Images
De  David Mouriquand
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A carreira de Françoise Hardy estendeu-se por seis décadas e muitas das suas canções tornaram-se clássicos do repertório francês. Para além da sua célebre marca de pop melancólico, foi ícone de estilo e atriz, uma das maiores estrelas de França.

PUBLICIDADE

A cantora, compositora, modelo e atriz francesa Françoise Hardy morreu aos 80 anos.

A morte foi anunciada pelo filho, o músico Thomas Dutronc, nas redes sociais. Dutronc escreveu, na legenda de uma fotografia em bebé com a mãe: "Maman est partie" ("A mamã foi-se embora").

Hardy revelou em junho de 2021 que lhe tinha sido diagnosticado um cancro da laringe em 2018, após um diagnóstico de linfoma em 2004.

Nascida em 1944 em Paris, Hardy assinou um contrato com uma editora discográfica quando era adolescente.

Teve o primeiro êxito musical com "Tous les Garçons et les Filles" em 1962, quando tinha apenas 18 anos. A balada vendeu mais de 2,5 milhões de cópias e chegou ao topo das tabelas francesas. Outros singles como "Je Suis D'Accord" e "Le Temps de L'Amour" também foram grandes êxitos.

A sua ascensão continuou nos anos 60 e a sua marca melancólica de pop catapultou-a para a frente do movimento europeu yé-yé - a geração de artistas pop franceses do pós-guerra - que recebeu o nome de "yeah yeah yeah" por causa da música dos Beatles.

Hardy gravou o seu trabalho em inglês, alemão e italiano. O maior êxito na língua inglesa foi a canção de 1968 "It Hurts to Say Goodbye", escrita por Serge Gainsbourg. Chegou ao primeiro lugar em França e no Reino Unido.

Rapidamente se tornou um ícone pop e uma musa da moda, e rapidamente iniciou uma carreira paralela como "cover girl". As maçãs do rosto esculpidas e o estilo boémio da cantora passaram a definir uma espécie de chique francês elegante e sem esforço, bem como a sua adoção precoce da minissaia. Tornou-se modelo para estilistas como Yves Saint Laurent e Paco Rabanne e também se aventurou na representação.

Françoise Hardy passeia pelos Embankment Gardens em Londres - abril de 1968
Françoise Hardy passeia pelos Embankment Gardens em Londres - abril de 1968HARRIS/1968 AP

Em 1966, foi protagonista do filme Grand Prix , de John Frankenheimer; outros papéis incluíram A Bullet in the Heart, Château en Suède e uma participação especial em What's New, Pussycat?

Ao longo da sua carreira de seis décadas, teve muitos admiradores, incluindo Mick Jagger, que lhe chamou a sua "mulher ideal"; David Bowie, que admitiu estar "apaixonadamente apaixonado" por ela; e Bob Dylan, que se dirigiu a ela com um poema na contracapa do seu primeiro álbum "Another Side of Bob Dylan".

Mas ela só tinha olhos para o músico francês Jacques Dutronc. Conheceu-o em 1967 e casaram-se em 1981. Tiveram um filho, Thomas, que também se tornou um músico muito famoso. Embora se tenham separado em 1987, continuaram casados e mantiveram contacto estreito.

Hardy gravou cerca de trinta álbuns na sua carreira, o último dos quais "Personne d'autre", de 2018, e foi a única artista francesa a figurar num ranking de 2023 dos 200 maiores cantores de todos os tempos publicado pela revista Rolling Stone. Will Hermes escreveu que Hardy "personificava a frieza francesa e o calor gaulês em simultâneo, com um alto ofegante e impassível que soprava como fumo de Gauloises [cigarros]. As suas palavras realçavam o seu tom: escrevendo o seu próprio material, invulgar no início dos anos sessenta, especialmente para mulheres, também gravou trabalhos de mestres como Serge Gainsbourg, e a sua interpretação de 'Suzanne' de Leonard Cohen pode ser a mais evocativa alguma vez gravada, incluindo a dele".

Hardy sofria de cancro do sistema linfático e da faringe há vários anos. "Estou num verdadeiro pesadelo de sofrimento a maior parte do tempo", confidenciou à RTL em março de 2021, pedindo o direito de morrer com dignidade.

Françoise Hardy deixa o filho Thomas Dutronc e o marido Jacques Dutronc.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Paul Auster morre aos 77 anos

Morreu o estilista Roberto Cavalli aos 83 anos

O.J. Simpson morre aos 76 anos