EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

El Niño: Especialistas esperam uma temporada de furacões "acima da média" este ano

As ondas batem na linha costeira ao longo da Jensen Beach Causeway, à medida que as condições se deterioram com a aproximação do furacão Nicole em 2022.
As ondas batem na linha costeira ao longo da Jensen Beach Causeway, à medida que as condições se deterioram com a aproximação do furacão Nicole em 2022. Direitos de autor AP Photo/Rebecca Blackwell
Direitos de autor AP Photo/Rebecca Blackwell
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A previsão para esta época é a melhor estimativa dos meteorologistas sobre o número de tempestades que poderão ocorrer este ano.

PUBLICIDADE

A temporada de furacões no Atlântico deste ano deverá ser "acima da média" devido às temperaturas recorde do mar.

Há quatro décadas que os investigadores da Universidade do Estado do Colorado (CSU) fazem previsões baseadas em modelos estatísticos que analisam as temperaturas, a pressão, o vento e outros parâmetros.

Também têm em conta o El Niño, o aquecimento da superfície do oceano ou temperaturas do mar acima da média no Oceano Pacífico.

Um mês após o início da atual estação, que decorre de junho a novembro, os peritos preveem a ocorrência de 18 tempestades, mais quatro do que a média.

Este número inclui nove furacões e quatro grandes furacões - aqueles com ventos de 179 quilómetros por hora ou mais. Também tem em conta uma série de fenómenos meteorológicos sem nome no início deste ano e as tempestades tropicais Arlene, Bret e Cindy, que já ocorreram em junho.

Os investigadores estimam que a probabilidade de um grande furacão atingir os Estados Unidos é "superior à média a longo prazo".

Esclarecem que, embora a previsão seja a sua "melhor estimativa" da próxima época, não é uma medida exata. A CSU exorta os residentes das zonas costeiras a tomarem as devidas precauções - como fazem todos os anos.

AP Photo/Rebecca Blackwell, File
Carros e destroços de casas arrastadas pelas águas em Fort Myers Beach, na FlóridaAP Photo/Rebecca Blackwell, File

O início do El Niño afetará a época de furacões deste ano?

Em maio, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) previu que havia apenas 30% de hipóteses de esta época de furacões ser acima da média. A NOAA afirmou que esperava que a temporada fosse semelhante ao que costumava ser devido a vários fatores concorrentes, "alguns que suprimem o desenvolvimento de tempestades e outros que o alimentam".

Inicialmente, a CSU também afirmou que este seria um ano relativamente médio, mas atualizou a sua previsão, uma vez que as temperaturas da superfície do mar na principal área onde se desenvolvem as tempestades - as latitudes mais baixas do Oceano Atlântico - têm sido mais quentes do que a média.

Na terça-feira (4 de julho), a Organização Meteorológica Mundial declarou o início das condições do El Niño pela primeira vez em sete anos.

De acordo com o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, as probabilidades de se registarem temperaturas recorde e de se verificarem fenómenos de calor mais extremos em muitas partes do mundo e do oceano são "muito maiores".

O El Niño poderá provocar um aumento das temperaturas globais e perturbações climáticas no segundo semestre deste ano.

A equipa da CSU afirma que isto significa que há mais incerteza na previsão do que vai acontecer. As águas do Oceano Atlântico, onde normalmente se formam as tempestades, estão muito mais quentes do que o normal e o efeito meteorológico será "robusto" no pico da época dos furacões.

Mas o El Niño também aumenta uma coisa chamada cisalhamento vertical do vento que pode destruir as tempestades quando estas se estão a formar.

O "calor anómalo extremo" no Atlântico, no entanto, é suscetível de contrariar parte deste cisalhamento do vento, dizem os especialistas, e pode anular este efeito.

Talaas advertiu que a declaração do El Niño deveria ser um sinal para os governos de todo o mundo "mobilizarem os preparativos para limitar os impactos na nossa saúde, nos nossos ecossistemas e nas nossas economias".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?

Camiões e autocarros deverão reduzir as emissões de CO2 em 90% até 2040