Dia Internacional do Excesso de Plástico: Quais os países que melhor reciclam este material poluente?

Um rapaz caminha sobre os resíduos de plástico na praia de Badhwar Park, na costa do Mar Arábico, em Bombaim, na Índia,
Um rapaz caminha sobre os resíduos de plástico na praia de Badhwar Park, na costa do Mar Arábico, em Bombaim, na Índia, Direitos de autor Rajanish Kakade/AP
De  Daniel Harper
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Assinala-se esta sexta-feira o Dia Internacional do Excesso de Plástico numa altura em que o mundo ultrapassa oficialmente a quantidade de plástico que consegue gerir eficazmente num ano.

PUBLICIDADE

Esta sexta-feira é o Dia Internacional do Excesso de Plástico,o momento em que os seres humanos já não conseguem gerir corretamente os resíduos de plástico que produzimos anualmente.

Pela primeira vez, este dia está a ser assinalado internacionalmente pela Earth Action, uma empresa de investigação com sede na Suíça.

"Aumentar a consciencialização é um dos objetivos, mas a capacitação e a capacidade de ação são ainda mais importantes", disse Sarah Perreard, co-CEO e responsável pelo envolvimento das partes interessadas na Earth Action, à Euronews Green.

"Não queremos apenas educar as pessoas sobre esta questão, queremos que os dados e as ideias do nosso relatório abrangente atuem como uma ferramenta para impulsionar as mudanças necessárias".

Há um Dia do Excesso de Plástico para cada país, todos os anos

O Dia Internacional do Plástico tem como objetivo sensibilizar para a relação nociva do mundo com o plástico e para os nossos esforços para o reciclar adequadamente.

O dia 28 de julho é importante porque calcula a média do progresso da gestão do plástico em todos os países do mundo, calculando a quantidade de plástico que é reciclado em comparação com a quantidade que é "desperdiçada" ou deitada fora.

Alguns países são capazes de processar muito mais plástico do que outros.

O "dia de superação" da Dinamarca é 26 de dezembro porque o país é bom na gestão dos resíduos de plástico. Há apenas quatro dias em que o plástico é desperdiçado em relação à capacidade do país para o reciclar.

Na Nigéria, o "dia de superação" é 3 de janeiro, o que significa que, durante o resto do ano, o plástico não é simplesmente reciclado ou gerido, sendo muitas vezes despejado no ambiente.

O mundo está a enfrentar um problema de plástico: o que significa isto?

Atualmente, de acordo com a Earth Action, 43% de todos os resíduos de plástico produzidos são mal geridos. Isso equivale a mais de 68,5 milhões de toneladas de plástico só este ano. Isto inclui 420 mil toneladas de aditivos químicos libertados nos cursos de água.

Desde 8 de janeiro de 2023, mais de 40 por cento da população mundial vive em zonas onde a quantidade de resíduos de plástico produzidos já excedeu a capacidade de gestão.

Os plásticos não são apenas prejudiciais para o ambiente, mas também para os seres vivos.

O macroplástico, qualquer coisa maior do que 5 mm, pode causar emaranhamento, ferimentos e ingestão nos animais. Já os microplásticos, com menos de 5 mm, têm sido associados a efeitos cancerígenos, disfunção hepática e desregulação endócrina - especialmente se contiverem substâncias perigosas.

A produção de plásticos também não parece estar a abrandar, com mais de metade de todos os plásticos alguma vez produzidos a partir de 2000. Estima-se que a produção global de plástico continue a crescer rapidamente, atingindo mais de mil milhões de toneladas em 2050.

Porque é que os países em desenvolvimento têm dificuldade em processar o plástico?

Muitos dos maiores produtores de resíduos de plástico do mundo são do Sul Global - em parte porque também estão a ter de receber e processar os resíduos dos países mais ricos. 

"Milhares de milhões de pessoas vivem sem sistemas adequados de gestão de resíduos e a poluição por plásticos é muito evidente em algumas partes do mundo", explica o Dr. Tobias Nielsen, investigador em políticas climáticas e de sustentabilidade no Instituto Sueco de Investigação Ambiental.

"No entanto, não são apenas os governos nacionais, mas também as empresas que operam nesses países, que têm a responsabilidade de desenvolver a gestão dos resíduos de plástico. A UE também pode ajudar a desenvolver sistemas de gestão de resíduos e, claro, garantir que os resíduos de plástico da UE não vão parar aos países em desenvolvimento."

As Nações Unidas estão atualmente a tentar chegar a acordo para um tratado sobre os plásticos para eliminar a poluição e os resíduos à escala mundial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Teconologia e natureza de mãos dadas na Estónia

Atividade doméstica e transportes são principais responsáveis pelas mortes devido à poluição do ar

Poluição atmosférica: De Barcelona a Southampton, estes são os piores portos de cruzeiros da Europa