EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Presunto ibérico, queijo de Saboia e arroz de Camargue: As alterações climáticas põem em risco as especialidades europeias

Enquanto as alterações climáticas ameaçam as especialidades europeias, os produtores tomam medidas para se adaptarem e protegerem as tradições.
Enquanto as alterações climáticas ameaçam as especialidades europeias, os produtores tomam medidas para se adaptarem e protegerem as tradições. Direitos de autor Gaël Camba / Euronews
Direitos de autor Gaël Camba / Euronews
De  Gael Camba
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Desde as pastagens de montanha da Saboia até ao delta do Ródano e às terras baixas da Andaluzia, as alterações climáticas estão a ter um impacto sério na agricultura.

PUBLICIDADE

As famosas especialidades alimentares europeias estão a ser ameaçadas pelas temperaturas elevadas, pela seca e pela subida do nível do mar.

As alterações climáticas induzidas pelo homem estão a ter um impacto direto na saúde da agricultura e da pecuária em todo o mundo. Na Europa, o parmesão, o arroz de Camargue, a pimenta de Espelette, as azeitonas de Kalamata, os queijos de Saboia e o presunto ibérico são apenas algumas das especialidades locais que estão a sofrer os seus efeitos.

Atualmente, os produtores estão a trabalhar em soluções para preservar estas tradições e produtos locais.

Os porcos ibéricos não têm bolotas suficientes para comer

O sol da Andaluzia brilha através das folhas dos carvalhos sobre a erva castanha onde os porcos ibéricos vagueiam. Eles vagueiam pela "Dehesa", uma vegetação rasteira típica do sudoeste de Espanha, repleta de diferentes espécies de carvalhos.

Este é o habitat ideal para estes porcos. A região é famosa pelo seu presunto "pata negra bellota". Este rótulo indica a mais alta qualidade e, para o conservar, os porcos devem dispor de, pelo menos, um hectare de terreno com bolotas.

Gaël Camba / Euronews
Iberian ham produced from acorn-fed pigs is a speciality of southwest Spain. It is sold for more than 100 euros a kilo.Gaël Camba / Euronews

Mas os carvalhos, afetados pela seca, não produziram bolotas suficientes no ano passado. Os agricultores tiveram de se adaptar, dando a cada porco mais espaço para pastar e comer o suficiente.

"Em vez de dar a cada porco dois hectares, tivemos de lhes dar três hectares para manter a mesma qualidade", explica Rafael Barandarian, criador de porcos ibéricos na sua quinta Cabeza del Gato.

Gaël Camba / Euronews
The Iberian pigs are part of a specific breed which is monitored to preserve the product's quality and respect tradition.Gaël Camba / Euronews

Outra forma de manter o selo de qualidade e alimentar os porcos com bolotas suficientes é variar as espécies de carvalho presentes nas explorações.

"Preferimos explorações com duas ou três espécies de carvalho", explica Maria Castro Bermudez, responsável pela comunicação da Cinco Jotas, uma das mais prestigiadas marcas de presunto ibérico.

"Porque se não tivermos uma boa produção de bolota da azinheira, o sobreiro terá o que precisamos."

Gaël Camba / Euronews
Rafael Barandarian is an Iberian pig farmer in Aracena where the droughts led him to extend his plot to meet the label's requirements.Gaël Camba / Euronews

A prioridade é fornecer bolota e erva aos porcos durante o período de engorda, de outubro a janeiro, conhecido como montanheira. É esta dieta tradicional que confere à carne e à sua gordura o seu sabor característico.

Após o abate, o presunto é conservado numa cave durante cinco anos, no máximo, para maturação. Pesa até 8 quilos e custa cerca de 700 euros.

A erva já não cresce na Saboia

Em França, do outro lado da fronteira, o problema é o mesmo. Os queijos da Saboia também estão a sofrer com a seca causada pelas alterações climáticas.

Jean-Luc Duclos cria as suas 150 vacas que fornecem leite para o Savoy Emmental, Tomme e Reblochon no vale de Usses, entre Annecy e Genebra.

Na sua quinta "Le Champenois", a erva é normalmente verde, mas pode não o ser durante todo o verão.

"É por causa da seca", diz o agricultor, apontando para as fendas na terra.

"A falta de água faz com que a terra se aperte, encolha e crie fendas como esta. Quando a próxima chuva chegar, talvez possamos preenchê-las."

Gaël Camba / Euronews
Grass grows less when temperatures are too high in summer. This threathens many French cheeses for which cows need to graze for a certain number of days.Gaël Camba / Euronews

O principal desafio é permitir que as vacas comam erva, de modo a manter o seu rótulo IGP (Indicação Geográfica Protegida) e, acima de tudo, os seus padrões de qualidade.

PUBLICIDADE

"Mas o pastoreio está ameaçado", explica Jean-Luc Duclos.

"A produção de erva é ameaçada pelas temperaturas elevadas. Quando estão 30 graus, a erva deixa de crescer".

No ano passado, 28 tipos de queijo pediram uma alteração do caderno de encargos devido às altas temperaturas.

Gaël Camba / Euronews
Cows don't handle well temperatures above 25 degrees, they are then under stress and their millk production is affected.Gaël Camba / Euronews

Mas a flexibilização das exigências não vai resolver todos os problemas que estes alimentos especiais enfrentam, uma vez que o próprio gado não se adapta bem a este tipo de calor.

"Uma vaca está bem entre os -5 e os +25 graus (Celsius), mas se fizer mais calor fica em stress", explica Jean-Luc Duclos.

PUBLICIDADE

Algumas vacas produziam menos 2 a 3 litros de leite por dia. A qualidade do leite também foi afetada, o que atrasou a produção de queijo.

A subida da água do mar Mediterrâneo ameaça o arroz de Camargue

Na região de Camargue, na costa mediterrânica do sul de França, o problema é quase o oposto. Há demasiada água do mar.

A maior zona húmida de França está ameaçada porque o nível do Mediterrâneo está a subir e a sua água salgada poderá em breve invadir os campos de arroz.

"O sal é um excelente herbicida", explica Bertrand Mazel, produtor de arroz e presidente do sindicato dos orizicultores de Camargue.

Gaël Camba / Euronews
The Mediterranean threatens to submerge Camargue's rice fields endangered the region and its local economy.Gaël Camba / Euronews

"Se continuarmos a trazer o mar para Camargue, vamos criar um enorme pântano salgado que não só tornará a área estéril, como também não haverá mais biodiversidade, nem fauna, nem flora".

PUBLICIDADE

A cultura do arroz requer pesticidas, mas estes são espalhados na água doce, que é depois descarregada no ambiente natural. Os investigadores do Tour du Valat, um instituto de investigação para a conservação das zonas húmidas mediterrânicas, afirmam que o processo tem de ser melhorado.

Gaël Camba / Euronews
An experiment is underway to try and bring freshwater in Camargue after filtering it from its pesticides used in rice cultures.Gaël Camba / Euronews

"O nível de pesticidas nas águas de drenagem agrícola é incompatível com as normas de proteção", afirma Jean Jalbert, Presidente do Tour du Valat.

Atualmente, está em curso uma experiência para tratar estas águas, mas poderá demorar vários anos até ser implementada em grande escala.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndios florestais e ansiedade ecológica levam crianças portuguesas a iniciar batalha judicial europeia

Ondas de calor "muito mais prováveis" devido a alterações climáticas

Turismo e agricultura em Kos sofrem com alterações climáticas