EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Poderá um "guarda-sol" gigante ajudar a travar as alterações climáticas?

Poderá um "guarda-sol" gigante ajudar a travar as alterações climáticas? Este astrólogo diz que estamos um passo mais perto.
Poderá um "guarda-sol" gigante ajudar a travar as alterações climáticas? Este astrólogo diz que estamos um passo mais perto. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Angela Symons
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Podemos estar um passo mais perto de um escudo solar gigante que poderá ajudar a arrefecer a Terra.

PUBLICIDADE

Todos sabemos que procurar sombra é uma das melhores formas de escapar ao calor. Mas será que um "guarda-sol" gigante poderia ajudar a bloquear os raios UV nocivos e a arrefecer a Terra?

Esta é a mais recente ideia de um astrónomo norte-americano da Universidade do Havai.

Não é a primeira vez que se propõem escudos solares baseados no espaço - espelhos ou sombras colocados em órbita entre o Sol e a Terra - para a prevenção das alterações climáticas.

Até agora, no entanto, os cientistas têm-se esforçado por conceber um escudo que consiga equilibrar o peso e os custos.

Uma solução potencial é amarrá-lo a um contrapeso cheio de material de asteroide, de acordo com a nova proposta publicada na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Se o projeto for viável, poderá começar a atenuar as alterações climáticas dentro de décadas, afirma o autor do artigo, István Szapudi.

Como é que os escudos solares podem travar as alterações climáticas?

As tecnologias de "bloqueio solar" - também conhecidas como "modificação da radiação solar" (MRS) - poderiam teoricamente arrefecer a Terra, protegendo-a de alguns dos raios solares.

Até agora, o conceito de escudo solar enfrentava um grande obstáculo: o peso.

Propostas anteriores colocaram o escudo no ponto em que a gravidade da Terra e a pressão da radiação solar estão em equilíbrio.

No entanto, estas duas forças contrárias significam que o escudo teria de cumprir requisitos mínimos de peso para garantir a sua permanência no lugar. Isto exclui materiais leves e de baixo custo, como o grafeno, que poderiam ser facilmente transportados para o espaço.

Ao ligar o escudo a um contrapeso, posicionado na direção do Sol, estas restrições de peso poderiam ser contornadas, teoriza Szapudi.

O escudo também poderia ser colocado mais perto da Terra, tornando-o mais eficaz.

Como funcionaria um escudo solar com cabo?

O escudo solar seria ligado a um contrapeso por uma forte corda de grafeno.

Uma vez no espaço, o contrapeso abrir-se-ia lentamente, permitindo-lhe encher-se gradualmente de poeira lunar ou de material de asteróides que atuaria como lastro.

Como o lastro seria capturado no espaço, não precisaria de ser lançado da Terra.

Atuando como contrapeso, reduziria drasticamente o peso do escudo, de acordo com Szapudi.

Em conjunto, o escudo e o contrapeso pesariam cerca de 318 milhões de toneladas - 100 vezes menos do que os projetos não ligados.

O escudo propriamente dito, que é a parte que teria de ser lançada para o Espaço, representaria apenas cerca de 32 000 toneladas, ou seja, um por cento do peso.

PUBLICIDADE

Atualmente, os foguetões são capazes de lançar até 45.000 toneladas para a órbita baixa da Terra.

Porque é que alguns cientistas são contra a modificação da radiação solar?

O domínio da modificação da radiação solar inclui outras tecnologias, como a radiação solar e a bombagem de partículas bloqueadoras do sol para a atmosfera da Terra.

Reconhecendo os riscos potenciais da modificação da atmosfera terrestre, Szapudi diz que as estratégias baseadas no espaço são preferíveis.

"Dada a gravidade do problema, qualquer via que possa levar à mitigação parcial de uma catástrofe deve ser investigada", escreve.

No entanto, nem todos os cientistas estão de acordo.

PUBLICIDADE

Num artigo de 2008 intitulado "20 reasons why geoengineering may be a bad idea" (20 razões pelas quais a geoengenharia pode ser uma má ideia), o climatologista norte-americano Alan Robock compara estas tecnologias a colocar a Terra em "suporte de vida", afirmando que "a cura pode ser pior do que a doença".

Robock alerta para as consequências desconhecidas de tais tecnologias, incluindo os efeitos no clima regional, nas plantas e na energia solar.

O especialista refere ainda que confiar nas tecnologias SRM pode resultar no abandono da redução das emissões de carbono. Isto permitiria a continuação de outros efeitos nocivos dos gases com efeito de estufa, como a acidificação dos oceanos.

Para ter em conta a imprevisibilidade da geoengenharia, Szapudi sugere "uma abordagem modular e reversível", utilizando vários escudos mais pequenos em vez de um único escudo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um "Plano Marshall" solar deve estar no centro da recuperação da Ucrânia, diz a Greenpeace

Varandas solares estão a crescer na Alemanha. Eis o que precisa de saber sobre esta popular tecnologia doméstica

Tecnologias de energia limpa abrandaram crescimento das emissões globais de carbono em 2023