98% da população mundial exposta ao aquecimento global este verão

Os bombeiros tentam extinguir um incêndio numa fábrica de reciclagem, em Sesklo, no centro da Grécia, a 26 de julho de 2023\.
Os bombeiros tentam extinguir um incêndio numa fábrica de reciclagem, em Sesklo, no centro da Grécia, a 26 de julho de 2023\. Direitos de autor REUTERS/Alexandros Avramidis/File Photo
De  Euronews Green com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um novo relatório mostra que as temperaturas mais elevadas foram tornadas pelo menos duas vezes mais prováveis pela poluição de CO2 causada pelo homem.

PUBLICIDADE

Quase toda a população mundial esteve exposta aos efeitos das alterações climáticas este verão, de acordo com um novo relatório.

98% das pessoas registaram temperaturas mais elevadas, entre junho e agosto, resultantes das emissões de gases com efeito de estufa provocadas pela ação humana, de acordo com a investigação divulgada na quinta-feira.

No hemisfério norte, o verão de 2023 foi o mais quente desde que há registo.

As vagas de calor prolongadas na América do Norte e no sul da Europa provocaram incêndios catastróficos e picos nas taxas de mortalidade. Julho foi o mês mais quente alguma vez registado, enquanto as temperaturas médias de agosto foram também 1,5 graus Celsius superiores aos níveis pré-industriais.

O aumento das temperaturas tornou-se duas vezes mais provável devido à poluição por CO2

Um estudo da Climate Central, um grupo de investigação sediado nos EUA, analisou as temperaturas em 180 países e 22 territórios.

Concluiu que 98% da população mundial estava exposta a temperaturas mais elevadas, o que se tornou pelo menos duas vezes mais provável devido à poluição por dióxido de carbono.

"Praticamente ninguém na Terra escapou à influência do aquecimento global durante os últimos três meses", afirmou Andrew Pershing, vice-presidente para a ciência da Climate Central.

"Em todos os países que pudemos analisar, incluindo o hemisfério sul, onde esta é a época mais fresca do ano, registaram-se temperaturas que seriam difíceis - e, em alguns casos, quase impossíveis - sem as alterações climáticas causadas pelo homem", afirmou.

Vagas de calor "não teriam ocorrido sem as alterações climáticas"

A Climate Central avalia se os fenómenos de calor são mais prováveis por causa das alterações climáticas, comparando as temperaturas observadas com as geradas por modelos que eliminam a influência das emissões de gases com efeito de estufa.

De acordo com a Climate Central, 6,2 mil milhões de pessoas registaram pelo menos um dia com temperaturas médias cinco vezes mais prováveis devido às alterações climáticas, o valor máximo do índice de alterações climáticas da Climate Central.

As vagas de calor na América do Norte e no sul da Europa teriam sido impossíveis sem as alterações climáticas, afirmou Friederike Otto, climatologista do Instituto Grantham para as Alterações Climáticas e o Ambiente.

"Analisámos vagas de calor isoladas", disse. "Não se tornaram cinco vezes mais prováveis. Tornaram-se infinitamente mais prováveis porque não teriam ocorrido sem as alterações climáticas."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Tínhamos esperança": Ativistas do clima partilham opiniões sobre os últimos 5 anos de política europeia

Como 2023 bateu todos os recordes climáticos

Alterações climáticas: calor encurta época de neve e reajusta negócio das estâncias de esqui