EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

Vista aérea de carros presos numa ponte rodeada de águas de inundação, enquanto a tempestade Daniel atinge a Grécia central, na aldeia de Flamouli, perto de Trikala, Grécia, 7 de setembro de 2023\.
Vista aérea de carros presos numa ponte rodeada de águas de inundação, enquanto a tempestade Daniel atinge a Grécia central, na aldeia de Flamouli, perto de Trikala, Grécia, 7 de setembro de 2023\. Direitos de autor STRINGER/REUTERS
Direitos de autor STRINGER/REUTERS
Direitos de autor STRINGER/REUTERS

Líbia, Grécia, Brasil: Tempestades provocadas pelo clima causam inundações catastróficas em todo o mundo

De  Euronews Green
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

Até agora, houve tempestades mortíferas em quase todos os dias de setembro, enquanto os cientistas do clima avisam que "nenhum lugar está imune".

PUBLICIDADE

Ainda nem entrámos no outono e já o mundo se ressente do impacto de numerosas inundações catastróficas que, segundo os cientistas, estão a ser agravadas pelas alterações climáticas.

Cerca de 20.000 pessoas poderão ter morrido nas inundações que atingiram a Líbia no sábado, segundo o diretor de um centro médico na cidade de Al-Bayda. As inundações na Líbia, também agravadas pela degradação das infra-estruturas, seguiram-se à chegada da tempestade mediterrânica Daniel.

A chamada "medicane" já tinha causado a morte e a devastação na Europa ao atravessar a Grécia, a Turquia e a Bulgária na semana passada.

"Embora ainda não tenha sido feita uma atribuição formal do papel das alterações climáticas na intensificação da tempestade Daniel, é seguro dizer que as temperaturas à superfície do mar no Mediterrâneo estiveram consideravelmente acima da média durante todo o verão", afirmou o Dr. Karsten Haustein, cientista climático da Universidade de Leipzig, ao jornal britânico The Guardian.

As tempestades retiram mais energia dos mares mais quentes, ao passo que uma atmosfera mais quente retém mais vapor de água que pode cair sob a forma de chuva, dando origem a precipitações mais extremas.

Desde o início de setembro, países de todo o mundo, do Brasil à China, têm-se debatido com ferozes inundações provocadas pelo clima.

Onde é que a tempestade Daniel causou inundações mortíferas?

15 pessoas perderam a vida quando a tempestade Daniel atingiu a Grécia na semana passada. Os dias de precipitação cataclísmica que começaram a 4 de setembro rebentaram barragens, lavaram estradas e atiraram carros ao mar.

Algumas regiões centrais receberam o dobro da precipitação média anual de Atenas no espaço de apenas 12 horas.

NASA Earth Observatory/Cover Ima via Reuters Connect
Campos inundados perto da aldeia de Pedino, ao norte de Karditsa, na Tessália, 8 de setembro.NASA Earth Observatory/Cover Ima via Reuters Connect

A planície da Tessália, onde se concentra um quarto da produção agrícola do país, tinha-se transformado num lago gigante a 8 de setembro.

A Turquia e a Bulgária também foram fustigadas pelas chuvas provocadas pela tempestade Daniel. Pelo menos cinco pessoas morreram depois de uma inundação repentina ter varrido o seu parque de campismo na província turca de Kirklareli.

Khalil Hamra/AP
As pessoas caminham ao lado de enchentes que bloqueiam a estrada no distrito de Basaksehir, em Istambul, Turquia, 5 de setembro de 2023.Khalil Hamra/AP

Outras duas pessoas morreram em Istambul, onde as tempestades de 5 de setembro inundaram centenas de casas e locais de trabalho. Surgiram cenas de pesadelo de multidões presas na Biblioteca Nacional de Başakşehir.

Ao longo da costa do Mar Negro, na província búlgara de Burgas, os aldeões foram obrigados a procurar refúgio das águas das cheias, que subiram o suficiente para submergir carros. Sabe-se que pelo menos quatro pessoas morreram no país.

AP Photo/Jamal Alkomaty
Os cientistas dizem que a tempestade do Mediterrâneo que despejou chuva torrencial na costa da Líbia é um evento climático extremo com marcas das mudanças climáticasAP Photo/Jamal Alkomaty

Depois de passar pela bacia do Mediterrâneo, a tempestade Daniel atingiu a costa norte da Líbia a 9 de setembro. 

Provocou inundações sem precedentes, rebentando as barragens que protegiam a cidade portuária de Derna.

A tempestade desencadeou a fúria das águas que varreram bairros residenciais em ambas as margens do rio Wadi Derna.

A cidade de Benghazi também foi afetada por inundações catastróficas. Até à tarde de terça-feira, o número de mortos no país era estimado em 5.200 pessoas e 10.000 feridos ou desaparecidos.

Onde mais se registaram inundações letais em setembro?

A tempestade Daniel não foi o único dilúvio provocado pelas alterações climáticas a que o mundo assistiu este mês.

No sul do Brasil, um ciclone despejou mais de 300 milímetros de chuva no estado do Rio Grande do Sul em menos de 24 horas, a partir de 4 de setembro.

PUBLICIDADE
Wesley Santos/AP
Uma família a ser transportada num trator por uma rua alagada no bairro da Ilha da Pintada, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 7 de setembro.Wesley Santos/AP

Esta situação provocou inundações e deslizamentos de terras que mataram pelo menos 39 pessoas. O governador Eduardo Leite disse que o número de mortos era o mais alto que o estado já tinha visto devido a um evento climático.

As alterações climáticas também aumentaram a intensidade e a frequência das tempestades tropicais, que Hong Kong e partes do sul da China também registaram na semana passada.

A precipitação residual do tufão Haikui encharcou Hong Kong com a maior precipitação desde que há registos, há 140 anos.

AP Photo/Louise Delmotte
Um centro comercial inundado após fortes chuvas em Hong Kong, 8 de setembro de 2023.AP Photo/Louise Delmotte

"Nunca tinha visto cenas como esta. Mesmo durante os tufões anteriores, nunca foi tão grave. É bastante assustador", disse Connie Cheung, enfermeira assistente de Hong Kong, de 65 anos, à Reuters.

Pelo menos duas pessoas morreram e centenas foram hospitalizadas devido às cheias, que submergiram ruas, túneis e sistemas de metro. A cidade de Shenzhen, no sul da China, também foi atingida por chuvas históricas.

PUBLICIDADE
SOPA Images/ Luis Soto/REUTERS
Um guarda civil submerso na água procura uma pessoa desaparecida, após uma inundação na cidade de Aldea del Fresno, Espanha, 4 de setembro.SOPA Images/ Luis Soto/REUTERS

Na Europa, o início de setembro trouxe inundações devastadoras também para Espanha. As pontes foram destruídas e os carros arrastados nas regiões mais afetadas a sudoeste de Madrid.

O número de mortos a nível nacional subiu para 6 no dia 9 de setembro. Um rapaz de 10 anos foi salvo depois de ter passado a noite agarrado a uma árvore.

"Os cientistas climáticos têm vindo a alertar há décadas que isto iria acontecer. Estes locais já registaram inundações no passado? Claro que sim, mas não em simultâneo", escreve o ativista climático norte-americano Edgar McGregor no X (antigo Twitter).

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas