EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Noruega instala painéis solares onde o Sol não brilha de inverno

Svalbard só tem Sol durante o verão
Svalbard só tem Sol durante o verão Direitos de autor Jonathan NACKSTRAND / AFP
Direitos de autor Jonathan NACKSTRAND / AFP
De  Francisco Marques
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Projeto-piloto prevê integrar fontes eólicas para tentar tornar território inóspito de Svalbard independente de combustíveis fósseis e menos poluente

PUBLICIDADE

A Noruega iniciou a captura de energia solar num território inóspito onde o sol não brilha de inverno. Trata-se de um projeto-piloto, que pode vir a integrar fontes de energia eólica, e que prevê tornar o arquipélago de Svalbard, no círculo polar ártico, mais eficiente.

Ao todo são 360 painéis solares instalados a 1300 quilómetros do Polo Norte e que vão começar a capturar energia do Sol e a disponibiliza-la para a antiga estação de rádio Isfjord, que até aqui tem funcionado em exclusivo a gasóleo.

A partir de agora, e pelo menos no verão, a Isfjord vai passar a transmitir no verão recorrendo apenas a energia renovável e sem emissões poluentes.

"Colocar painéis solares na rádio Isfjord, no Ártico, pode não parecer uma boa ideia porque temos uma temporada de noite em que está completamente escuro. É claro que não vão produzir nada nessa altura, mas é na estação da luz, no verão, que temos o Sol a brilhar 24 horas por dia e que também temos um maior albedo,  que é o reflexo da luz no ar e na neve, e a baixa temperatura do ar que dá maior eficiência aos painéis", explicou Mons Ole Sellevold, o consultor técnico da "Store Norske".

Mais de 2500 pessoas habitam em Svalbard, um arquipélago inóspito de 61 mil quilómetros quadrados, alimentado até agora com energia proveniente de centrais a carvão ou a gasóleo.

A ideia é desenvolver um sistema de produção de energias renováveis que permita tornar as comunidades destas regiões remotas mais eficientes em termos energéticos e menos poluentes destes ecossistemas sensíveis, casa por exemplo dos ursos polares.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Portugal vai começar a construir o seu maior parque eólico no início do próximo ano

Os Verdes não apoiarão von der Leyen sem convite para uma grande coligação

Conferência de Bona bloqueia negociações sobre o financiamento do clima: o que é que isto significa para a COP29?