EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Poeira tóxica de pneus: Esta fonte de poluição por microplásticos pode ser a pior de todas

Pó de pneus: Estará o mundo a despertar para esta importante fonte de poluição por microplásticos?
Pó de pneus: Estará o mundo a despertar para esta importante fonte de poluição por microplásticos? Direitos de autor Damian Dovarganes/AP
Direitos de autor Damian Dovarganes/AP
De  Euronews Green
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

São fabricados cerca de 2 mil milhões de pneus por ano. Qual é o custo ambiental do "cocktail químico" que os compõe?

PUBLICIDADE

A poluição por microplásticos é um problema que requer um nível de atenção ao pormenor. Pode ser assustador pensar na forma como os objetos do nosso quotidiano - desde as roupas que vestimos até aos carros que conduzimos - estão a libertar pequenos fragmentos de plástico.

O custo de os ignorar pode ser devastador, e há um culpado em particular que os investigadores e os decisores políticos estão a identificar.

Segundo um relatório de 2020 do Pew Charitable Trust, 78% dos microplásticos presentes nos oceanos provêm de pneus. Os pneus dos automóveis são fabricados com cerca de 24% de borracha sintética - uma variação do plástico fabricada com subprodutos do petróleo - que se decompõe à medida que os veículos se deslocam.

E estes anéis de borracha não são apenas microplásticos em movimento. Uma nova investigação da Yale Environment 360 mostra que há uma preocupação científica crescente com "o cocktail químico" que os compõe e que também inclui metais pesados como o cobre, o chumbo e o zinco.

Que danos ambientais causam os pneus dos automóveis?

A morte em massa de salmões nos cursos de água da costa oeste dos EUA, há duas décadas, foi um dos primeiros sinais dos perigos ambientais que os pneus representam.

Em 2020, os investigadores acabaram por atribuir as mortes a um produto químico chamado 6PPD, que é adicionado aos pneus para evitar que rachem. Quando exposto ao ozono troposférico, o 6PPD transforma-se em vários outros químicos - incluindo um composto que se descobriu ser extremamente tóxico para várias espécies de peixes.

Uma coligação de tribos nativas americanas testemunhou o efeito letal do pó de pneus nas suas espécies de salmão.

"Assistimos ao declínio das espécies até ao ponto de uma extinção quase certa se nada for feito para as proteger", afirmou o Conselho Tribal de Puyallup numa declaração, apelando à EPA para proibir o 6PPD.

Foi o início de uma campanha global para saber o que está realmente escondido nos pneus dos automóveis.

No total, a borracha dos pneus contém mais de 400 químicos e compostos, muitos deles cancerígenos. A investigação está apenas a começar a mostrar a amplitude dos riscos associados ao pó dos pneus, refere o Yale Environment 360.

Qual é a dimensão do problema do pó dos pneus de automóveis?

As estatísticas conhecidas são já chocantes. Todos os anos são fabricados cerca de 2 mil milhões de pneus em todo o mundo - o suficiente para chegar à lua se fossem empilhados, de acordo com a Emissions Analytics.

A empresa britânica afirma que os quatro pneus de um automóvel emitem 1 trilião de partículas ultrafinas por cada quilómetro percorrido. Estas partículas são tão pequenas que podem passar através do tecido pulmonar para a corrente sanguínea e atravessar a barreira hemato-encefálica, com uma série de implicações preocupantes para a saúde.

A poluição causada pelo pó dos pneus chega mesmo a rivalizar com as emissões dos tubos de escape em alguns casos. Um estudo mostra que as emissões de PM 2,5 e PM 10 provenientes dos pneus e dos travões excedem em muito a massa destas emissões provenientes dos tubos de escape na Califórnia, por exemplo.

Um estudo recente do Imperial College de Londres afirma que a redução das partículas de desgaste dos pneus (TWP) é tão importante como a redução das emissões de escape.

Como podemos resolver o problema da poluição causada pelas poeiras dos pneus?

Para resolver o problema das partículas de desgaste dos pneus é necessária uma combinação de investigação e de força de vontade regulamentar.

Do lado da eco-inovação, os investigadores experimentaram utilizar dentes-de-leão - que produzem uma forma de borracha - e óleo de soja para aumentar a componente de "borracha natural" dos pneus.

Uma empresa alemã, a Continental Tire Company, está a avançar com esta solução - fabricar pneus de bicicleta a partir de raízes de dente-de-leão. Emitem menos 25% de compostos cancerígenos, mas de acordo com testes efetuados pela Emissions Analytics, continuam a necessitar de aditivos problemáticos.

No Reino Unido, a start-up de tecnologia limpa The Tyre Collective foi pioneira na criação de um dispositivo que é fixado em cada pneu. Utiliza a eletrostática e o fluxo de ar de uma roda giratória para recolher o pó dos pneus à medida que este é produzido. Uma vez recolhidas, as partículas podem ser transformadas num tipo diferente de borracha com uma variedade de aplicações, incluindo pneus novos.

PUBLICIDADE

Mas não podemos inventar uma maneira de nos livrarmos da poluição causada pelo pó dos pneus, pelo que é necessária uma regulamentação mais rigorosa.

Na UE, as novas regras "Euro 7" a partir de 2025 serão as primeiras normas de emissões do mundo a estabelecer limites para as emissões de partículas dos travões e para as emissões de microplásticos dos pneus.

Estas normas aplicar-se-ão também aos carros elétricos, que tendem a produzir mais emissões dos pneus devido ao seu maior peso.

E a indústria está a tomar nota desta medida. O Projeto da Indústria de Pneus é composto por 10 dos principais fabricantes de pneus.

De acordo com uma declaração do grupo, o seu objetivo é "desenvolver uma abordagem holística para melhor compreender e promover ações de atenuação" da poluição causada pelos pneus, incluindo a sua nova conceção para reduzir as emissões.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa dividida entre calor extremo e chuvas torrenciais

Portugal vai começar a construir o seu maior parque eólico no início do próximo ano

Os Verdes não apoiarão von der Leyen sem convite para uma grande coligação