EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Os ganhos e perdas na lista de espécies ameaçadas de 2023

Um tritão malhado rasteja à chuva em 1 de agosto de 2003, em Unity, New Hampshire.
Um tritão malhado rasteja à chuva em 1 de agosto de 2003, em Unity, New Hampshire. Direitos de autor AP Photo/Jim Cole/File
Direitos de autor AP Photo/Jim Cole/File
De  Angela SymonsMichael Phillis com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Rãs, salmões e tartarugas estão entre as 44 mil espécies ameaçadas de extinção.

PUBLICIDADE

De acordo com a última Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas de Extinção, mais de 44 000 espécies estão ameaçadas e entraram nesta lista anual cerca de 2 000 espécies.

O relatório, que acompanha a biodiversidade em todo o mundo, foi divulgado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) na COP28, no Dubai, na segunda-feira.

A lista deste ano inclui informações sobre 157.000 espécies, mais  7.000 do que na atualização do ano passado. Mostra como as alterações climáticas estão a agravar as crises de biodiversidade do planeta, tornando os ambientes mais mortíferos para milhares de espécies e acelerando o declínio abrupto do número de plantas e animais na Terra.

"As espécies de todo o mundo estão sob enorme pressão. Por isso, para onde quer que olhemos, o número de espécies ameaçadas está a aumentar", afirma Craig Hilton-Taylor, diretor da unidade da Lista Vermelha da IUCN, uma organização internacional que acompanha a saúde das espécies.

A captive frog, of the Telmatobius Culeus species, moves inside of a glass box at Huachipa Zoo, on the outskirts of Lima, Peru, 6 November 2019.
A captive frog, of the Telmatobius Culeus species, moves inside of a glass box at Huachipa Zoo, on the outskirts of Lima, Peru, 6 November 2019.AP Photo/Martin Mejia, File

Que espécies estão atualmente na Lista Vermelha da IUCN?

As alterações climáticas estão a piorar as condições para cerca de 6.700 espécies ameaçadas de extinção.

As espécies de salmão e tartarugas estão entre as que enfrentam um declínio à medida que o planeta aquece.

A tartaruga verde do Pacífico Sul Central e do Pacífico Oriental, por exemplo, está em maior risco devido às alterações climáticas. Há menos tartarugas a nascer, uma vez que os mares mais altos inundam os ninhos. E o aquecimento das águas pode prejudicar o seu abastecimento alimentar de ervas marinhas.

O salmão do Atlântico ainda não está ameaçado de extinção, mas a sua população diminuiu quase um quarto entre 2006 e 2020, de acordo com a UICN. Atualmente, é considerado quase ameaçado.

Os peixes vivem em menos lugares e enfrentam perigos criados pelo homem, como barragens e poluição da água. As alterações climáticas estão a dificultar-lhes a procura de alimentos e a facilitar a concorrência de espécies exóticas, segundo o grupo.

Green sea turtles (Chelonia mydas) make their way into the ocean upon their release at Kuta beach, Bali, Indonesia, 8 January 2022.
Green sea turtles (Chelonia mydas) make their way into the ocean upon their release at Kuta beach, Bali, Indonesia, 8 January 2022.AP Photo/Firdia Lisnawati, File

Um quarto das espécies de peixes de água doce está em risco de extinção

A atualização inclui a primeira avaliação geral do estado de saúde das espécies de peixesde água doce. Um quarto das espécies - pouco mais de 3.000 - correm o risco de extinção.

À medida que as alterações climáticas aumentam o nível do mar, a água salgada está a subir mais os rios. E estas espécies já enfrentam enormes ameaças devido à poluição e à pesca excessiva, afirma a UICN.

As rãs, as salamandras e outros anfíbios são os que mais estão a sofrer. Cerca de 41% destas espécies estão ameaçadas.

"Os anfíbios não podem sair do caminho do perigo e são diretamente afetados pelas alterações climáticas", afirma Vivek Menon, vice-presidente da comissão de sobrevivência das espécies da UICN.

A researcher holds a Coqui Guajon or Rock Frog (Eleutherodactylus cooki) at a tropical forest in Patillas, Puerto Rico on 21 March 2013.
A researcher holds a Coqui Guajon or Rock Frog (Eleutherodactylus cooki) at a tropical forest in Patillas, Puerto Rico on 21 March 2013.AP Photo/Ricardo Arduengo, File

Que espécies estão a regressar do limiar da extinção?

Houve algumas boas notícias. Duas espécies de antílopes estão a sair-se melhor, embora ainda tenham um longo caminho a percorrer até estabilizarem a sua sobrevivência a longo prazo.

Por exemplo, o órix de chifre de cimitarra, um animal de cor clara com chifres curvos, tinha sido anteriormente classificado como extinto na natureza, mas está agora em perigo de extinção. Enfrentou uma série de ameaças: a caça furtiva, a seca e os acidentes de viação contribuíram para a eliminação da espécie no virar do século.

Mas os recentes esforços para reintroduzir a espécie no Chade ajudaram e, atualmente, existem pelo menos 140 adultos e mais do dobro das crias numa grande reserva natural.

Grethel Aguilar, diretora-geral da UICN, afirma que os seres humanos têm de agir para proteger a biodiversidade e defende que quando a conservação é bem feita, funciona. Para combater a ameaça colocada pelas alterações climáticas, Grethel Aguilar afirma que os combustíveis fósseis têm de ser eliminados gradualmente.

"A natureza está aqui para nos ajudar, por isso, ajudemo-la de volta", afirma.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rio do Equador obtém o direito de não ser poluído em processo judicial histórico

Cientistas descobrem que hipopótamos podem "voar"

Cidade alemã vota para matar todos os pombos num referendo invulgar