Porque é que as alterações climáticas são uma "crise dos direitos da criança"?

Muitas crianças continuam sem escola enquanto as autoridades lutam para reparar os danos causados pelas cheias do ano passado no Paquistão.
Muitas crianças continuam sem escola enquanto as autoridades lutam para reparar os danos causados pelas cheias do ano passado no Paquistão. Direitos de autor AP Photo/Anjum Naveed
De  Rosie FrostLottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Se não reconhecermos como as crianças são afetadas pelas alterações climáticas, podemos perder a oportunidade de abordar o grupo que menos fez para causar a crise.

PUBLICIDADE

Mil milhões de crianças - quase metade da população infantil mundial - vivem em países vulneráveis ao clima. Um terço da população infantil do mundo é afetada tanto pela crise climática como pela pobreza.

De acordo com a UNICEF, as condições climatéricas extremas deslocaram internamente pelo menos 43 milhões de crianças nos últimos seis anos - o equivalente a 20 000 crianças por dia obrigadas a abandonar as suas casas e escolas.

No entanto, de acordo com um relatório dos membros da coligação Iniciativa para os Direitos Ambientais das Crianças (CERI), menos de 3% dos principais fundos globais para o clima foram gastos no apoio às crianças desde 2006: Plan International, Save the Children e UNICEF.

"É fundamental garantir que a crise climática é reconhecida e abordada como uma crise dos direitos da criança", afirmou Inger Ashing, diretora-geral da Save the Children, à Euronews Green na COP28.

"Se não reconhecermos isso, corremos o risco de não abordar o grupo mais afetado e que menos fez para causar a situação".

Consequências climáticas devastadoras para as crianças

Ashing esteve no Paquistão em agosto, um ano depois das inundações devastadoras que deixaram um terço do país debaixo de água, mais de 1700 pessoas mortas e 8 milhões de pessoas deslocadas devido ao clima extremo.

"As crianças ainda estavam a viver em tendas porque as casas não tinham sido reconstruídas", afirma.

"Começámos a ajudar a reconstruir a escola mas, para além disso, estamos também a concentrar-nos em ajudar as crianças a compreender o que lhes aconteceu e a perceber o que podem fazer para evitar serem afetadas quando voltar a acontecer."

As alterações climáticas trouxeram fortes chuvas à casa de Nafiso, de 16 anos, em Mogadíscio, na Somália. Nos últimos meses, por causa das inundações, perdeu vários dias de escola.

Nafiso, 16 (right) and Inger Ashing at the Children and Youth Pavilion at COP28.
Nafiso, 16 (right) and Inger Ashing at the Children and Youth Pavilion at COP28.Save the Children

A seca traz consigo o calor extremo, o que significa que a casa de telhado de zinco da família fica insuportavelmente quente. "Algumas das crianças mais novas tiveram de ser levadas para o hospital para receberem ajuda", conta.

Na COP28, Nafiso cruzou-se com o seu presidente e destacou as condições enfrentadas pelas crianças que vivem em campos de pessoas deslocadas internamente na Somália devido a conflitos, inundações e secas.

"Espero que a mensagem que transmiti aos líderes - tanto ao governo da Somália como à comunidade internacional - faça com que tomem medidas para resolver as questões que levantei. E [que as crianças] possam ter os serviços e a educação que merecem".

O financiamento climático está a falhar às crianças

Para fazer face às crises interligadas das alterações climáticas, dos conflitos, da pobreza e outras, Ashing afirma que é necessário abordar a causa principal do problema, em vez de aplicar apenas soluções do tipo "penso rápido".

Mas o financiamento atual não está a conseguir apoiar adequadamente as crianças afetadas pela crise climática.

O relatório da Save the Children, da Plan International e da UNICEF, publicado no início deste ano, concluiu que apenas 2,4% dos principais fundos globais para o clima podem ser classificados como apoiando atividades que respondem às necessidades das crianças.

Somali children, who fled amid a drought, play together at a makeshift camp for displaced people on the outskirts of Mogadishu.
Somali children, who fled amid a drought, play together at a makeshift camp for displaced people on the outskirts of Mogadishu.AP Photo/Farah Abdi Warsameh

Trata-se de cerca de 1,2 mil milhões de dólares (1,1 mil milhões de euros) que satisfazem os três critérios estabelecidos: abordar os riscos distintos e acrescidos que as crianças enfrentam devido à crise climática, reforçar a resiliência dos serviços sociais essenciais para as crianças e capacitar as crianças como agentes de mudança.

Os autores do relatório afirmam que é provável que este valor também seja sobrestimado e que ainda menos dinheiro poderá ter cumprido todos os requisitos.

"Estamos a tentar fazer com que os governos e outras entidades compreendam que, a menos que se vise especificamente as crianças, existe um enorme risco de não se estar a dar resposta às suas necessidades", explica Ashing.

PUBLICIDADE

Até à data, nunca houve uma decisão oficial da COP que se centrasse nas crianças e na crise climática.

As vozes das crianças estão ausentes do processo

Durante a COP28, num evento de diálogo com os jovens, Mashkur Isa da YOUNGO - uma rede global de ONG de jovens, crianças e jovens ativistas com idades até 35 anos - pediu aos membros da audiência com menos de 35 anos que levantassem as mãos. A maior parte do auditório levantou as mãos.

Apesar de existir um elevado nível de representação juvenil, o eurodeputado salientou que os jovens estão estiveram ausentes do trabalho quotidiano da conferência da ONU sobre o clima.

"Apesar dos nossos apelos contínuos a ações climáticas ambiciosas, as nossas crianças e jovens estão ausentes dos debates, dos compromissos e da elaboração de políticas em matéria de clima", afirmou o Isa.

O relatório da Iniciativa para os Direitos Ambientais das Crianças centra-se apenas na questão de saber se os fundos beneficiam as crianças.

PUBLICIDADE

Ashing afirma: "Se olharmos apenas para a participação das crianças e para os projetos que visam diretamente as crianças, [o financiamento é] ainda menor".

"Todos os países têm de assegurar que estão a envolver as crianças no seu trabalho diário para garantir que sabem quais são as suas necessidades."

Esse conhecimento - o que as crianças pensam que deve ser uma prioridade, especialmente para o dinheiro que se destina a elas - precisa de ser incluído no processo de tomada de decisões sobre a forma como esse dinheiro é atribuído.

"É a única forma de o tornarmos mais amigo das crianças", acrescenta Ashing, "e da COP ter as implicações positivas para as crianças que queremos que tenha".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Heathrow, Schiphol, Charles de Gaulle: Os aeroportos europeus estão entre os mais poluentes do mundo

Seca em Espanha: Tenerife vai declarar emergência devido à falta de água

Espanha quer proibir voos domésticos sempre que seja possível apanhar um comboio em vez de um avião